Arquivo da tag: Educação

Toda a era Bolsonaro é desumana: Como pôde ter vez, em quatro anos?

Genocídio Yanomami é a expressão

Do que é a essência neofacista

 

Como pôde tanta gente apoiá-lo?

Garimpeiros em terras yanomami

 

Garimpeiros aos milhares invadem terra

Um exército do mal a ser banido

 

Desta rede ignóbil de fascistas

Fazem parte “cristãos”contra o Evangelho

 

Muita gente instruída – até “cristãos”

Apoiaram Bolsonaro e suas tropas

 

Deste 8 de Janeiro a culminância

Não se devem olvidar seus precedentes

 

Numerosos sinais nos foram expostos

Da barbárie infligida ao Brasil

 

Dos ataques aos Índios e Quilombolas

Às mulheres e aos homossexuais

 

Um desmonte completo contra o povo

No Trabalho, também da Previdência

 

Sobretudo o Trabalho ”intermitente”

Denuncia o caráter das “reformas”

 

O descaso com o SUS, na pandemia

Implicou vasto números de óbitos

 

O orçamento secreto é um ultraje

Contra o nosso tesouro nacional

 

Os ataques em série de Bolsonaro

Têm apoio de altos generais

 

O direito à História prevalece:

Golpe é golpe, não é democracia

 

Petrobras é riqueza da nação

É urgente combater privataria

https://www.youtube.com/watch?v=WwFIdYzBpbw

 

Caldeirão e Canudos nos ensinam

A jamais desistir de nossas lutas

https://www.youtube.com/watch?v=k1FGhelqkjI

 

Formação popular continuada

Nos ajuda a manter a militância

 

Infeliz quem confia em banqueiros

Pelos frutos se conhece seu trabalho…

https://jornalggn.com.br/coluna-economica/as-licoes-do-golpe-da-americanas-por-luis-nassif/

 

Capital se diz técnico, e apolítico

Vira e mexe, os seus feitos vêm à tona

https://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2023-01/banco-central-corrige-dados-cambiais-e-pais-fecha-2022-no-negativo

 

Israel volta à cena do terror

Palestinos seguem sendo as grandes vítimas

https://www.brasil247.com/mundo/acao-genocida-representacao-da-diaspora-palestina-no-brasil-repudia-ataque-israelense-em-jenin

 

João Pessoa, 30 de janeiro de 2023

Justiça já!

Não é direito

Atacar prédios públicos

Desconhecer o resultado das eleições de 30 de outubro de 2022

Pedir ditadura

Fazer apologia da tortura

Não é certo nem é direito. Não é justo, e é punido pela lei, ou deveria

Caso houvesse justiça

Justiça é uma decisão, são ações, não declarações, não declamações

Foram 10 anos de minuciosa destruição do tecido social

Agressões à Presidenta Dilma Rousseff que ficaram impunes

Ataques a Lula que o levaram para uma prisão injusta

10 anos de minar as bases da sociedade

Não são manifestantes, não, não, não!

São nazifascistas!

Deve haver defesa da democracia, ou este inferno não terá fim

Não é justo. Não é certo.

Como se combate o nazi-fascismo?

Julgando e punindo os crimes contra a humanidade.

Sem punição os crimes tendem a se repetir

É imprescindível, é justo e necessário, que a justiça julgue e puna todos e cada um dos atentados contra o estado democrático de direito cometidos nestes últimos 10 anos.

Limpar a casa é preciso.

Direito é necessário.

Leis são para serem cumpridas!!!!

Impunidade nunca mais!

Da posse

Da posse

Hoje o Brasil acordou
Nos braços da alegria
Pois ontem foi empossado
Quem o povo mais queria
Ele resgatou a paz
E com firmeza nos traz
De volta a democracia

Lula recebeu a faixa
Direto das mãos do povo
Que pela terceira vez
Ali esteve, de novo
E teve até quem ouvisse
Quando ele baixinho disse:
_É por vocês que me movo

O Brasil está mais leve
Com Lula na presidência
Ainda bem que o povo
Tomou uma providência
Expulsou do Alvorada
Quem sequer vale uma obrada
Na privada da decência

Martim Assueros
2-1-2023

Novo Brasil: alfabetização na idade certa será prioridade na educação

Da Agência Brasil

Ministro da Educação, Camilo Santana. Luis Fortes/MEC

O novo ministro da Educação, Camilo Santana, assumiu o cargo hoje (2), na sede da pasta, em Brasília, colocando como “prioridade absoluta” a alfabetização na idade certa de crianças do ensino básico.

Santana citou dados do Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb), segundo os quais uma em cada três crianças não aprende a ler e escrever na idade certa. De acordo com os dados mais recentes, houve aumento, por exemplo, de 66% no número de crianças de seis e sete anos que não sabem ler e escrever durante a pandemia de covid-19, entre 2019 e 2021.

“Ou seja: a maioria é analfabeta dentro da própria escola, o que provoca graves repercussões na sequência da vida dessas crianças”, disse o novo ministro da Educação, que foi empossado ontem (1º) pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

“Se impõe uma prioridade absoluta nesse país, a de promover a alfabetização de todas as crianças na idade certa”, afirmou Santana.

O ministro atribui os resultados negativos na área à gestão anterior, do governo Jair Bolsonaro. “O que há de mais valioso para uma nação se desenvolver, que é a educação de seu povo, foi tratado como subproduto.”

Logo no início do discurso, ele homenageou Magda Soares, professora emérita da Universidade Federal de Minas Gerais e uma das maiores referências na área de alfabetização do país, que morreu ontem (1º), aos 90 anos. Ela foi fundadora do Centro de Alfabetização, Leitura e Escrita (Ceale) da UFMG. Santana também pediu aos presentes uma salva de palmas aos professores do Brasil.

Ex-governador do Ceará por oito anos (2014-2022) e senador eleito pelo estado, Camilo Santana é formado em agronomia e mestre em desenvolvimento ambiental. Antes de chefiar o executivo cearense, ele foi secretário de Cidades e Desenvolvimento Agrário da gestão do ex-governador Cid Gomes.

Ao montar sua equipe, Santana trouxe consigo outros nomes do Ceará, como a nova secretária-executiva da Educação, cargo número dois da pasta, Izolda Cela, ex-governadora do Ceará, e Fernanda Pacopahyba, ex-secretária de Fazenda do Ceará e que comandará o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). Ambas foram bastante aplaudidas ao serem mencionadas pelo novo ministro.

Outras ações prioritárias

Em seguida, o ministro citou o combate à evasão escolar, em especial no ensino médio, como tarefa prioritária da Educação. O problema também cresceu nos últimos anos e durante a pandemia de covid-19. “Precisamos garantir todos, todos os alunos na escola nesse país”, afirmou o ministro.

Ele enumerou ainda, entre as políticas prioritárias da nova gestão, ampliar o ensino em tempo integral, fortalecer o orçamento e a autonomia das universidades públicas, ampliar o acesso dos alunos à internet e a aprovação, no Congresso, da criação e regulamentação do Sistema Nacional de Ensino (SNE), pauta há muito reivindicada por movimentos de defesa da educação.

Santana disse ter já tomado providências para melhorar a qualidade da merenda escolar e solicitado um levantamento sobre obras de creches e escolas que se encontram paralisadas por falta de recursos federais, de modo que possam ser concluídas. Outro ponto levantado pelo novo ministro foi a “recuperação da credibilidade do Enem”, referindo-se ao Exame Nacional do Ensino Médio.

De maneira simbólica, Santana recebeu um botom com a identificação do Ministério da Educação das mãos da presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE),Bruna Brelaz, e da presidente da União Brasileira de Estudantes Secundaristas (Ubes),  Jade Beatriz. O ex-ministro e antecessor na pasta, Victor Godoy, não compareceu à transmissão de cargo.

Estiveram presentes à solenidade diversos governadores que também acabam de assumir para um novo mandato, como o governador do Ceará (Elmano Freitas), da Bahia (Jerônimo), do Piauí (Rafael Fonteles), do Maranhão (Carlos Brandão), da Paraíba (João), do Rio Grande do Norte (Fátima Bezerra) e do Distrito Federal (Ibaneis Rocha).

Outros ministros recém-empossados também compareceram, como Nísia Trindade (Saúde), Wellington Dias (Desenvolvimento Social e Combate à Fome), Ana Moser (Esportes) e Vinícius Marques de Carvalho (Controladoria-Geral da União). Também estiveram presentes diversos parlamentares e prefeitos.

Posse do presidente Lula mobiliza apoio do mundo em defesa da democracia

A posse do presidente Lula neste próximo domingo, 1º de janeiro, contará com a presença de delegações de um grande número de países,  afirmando a reinserção do Brasil no cenário mundial, após Bolsonaro transformar o país em pária no mundo.

Ao menos 53 delegações estrangeiras compostas por chefes de Estado, chefes de governo e ministros já confirmaram presença.  Considerando as confirmações de todos os níveis, de embaixadores a presidentes, cerca de 120 países estarão representados na posse do Lula.

 

Até o momento, 17 chefes de Estado confirmaram sua presença: os presidentes da Alemanha, Angola, Argentina, Bolívia, Cabo Verde, Chile, Colômbia, Equador, o rei da Espanha, presidente da Guiana, Guiné-Bissau, Paraguai, Portugal, Suriname, Timor Leste, Uruguai e Zimbábue.

“Vemos a reinserção do Brasil, a partir de uma nova política externa num novo governo Lula, no cenário global”, afirmou em entrevista coletiva no início do mês o embaixador Fernando Igreja, que chefia o cerimonial na solenidade de posse.

Além do cerimonial da posse oficial, a Esplanada dos Ministérios receberá os dois palcos do Festival do Futuro, grande festa popular que reunirá artistas de diversos gêneros.

 

LEIA MAIS: Confira a lista de artistas e shows no Festival do Futuro

Mobilização nacional para a posse

Em apoio a Lula, ao novo governo e à democracia, militantes e apoiadores do novo governo intensificam a mobilização para a posse no dia 1º, domingo, em Brasília.

Oriundos de várias regiões do país, milhares de brasileiros se deslocam em caravanas por ônibus, carros e avião. Até a semana passada, foram contabilizadas 750 caravanas para a posse.

Para facilitar a organização, informem sobre o local de origem da caravana, quantas pessoas, quando é a partida e o que mais achar necessário.

Veja aqui como proceder para enviar informações sobre suas caravanas.

Fonte: PT

Orgia do Caos

Por aqui o que se viu
Nesses longos quatro anos
Foi fome, dor, desenganos
Do mês de maio a abril
Na dispensa há um fuzil
Mas feijão nem pra meizinha
Só um pires de farinha
Sobrou nesta triste história
O feijão só na memória
Quanto mais a caipirinha

Não se pode um livro ler
Isto não é permitido
Da sexta básica banido
Pois ajuda o povo a ver
Também não costuma ter
Proteção Ambiental
Na Amazônia Legal
Querem plantar braquiária
E fazer da pecuária
Um agribusiness global

O país está quebrado
Não tem caixa, está falido
O povo triste, abatido
(Eh, oh oh, vida de gado!)
O tacho todo raspado
Sem dinheiro pra bancar
A farmácia popular
Que a cada dia piora
A nação não vê a hora
Desse governo acabar

Martim Assueros
20/12/2022