Arquivo da tag: Lula

Com Lula, primeiro Ministério dos Povos Indígenas se torna realidade

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva participou na tarde desta quarta-feira (11), em Brasília, da cerimônia de posses das ministras da Igualdade Racial, Anielle Franco, e dos Povos Indígenas, Sônia Guajajara.

Pela primeira vez na história do Brasil, haverá um Ministério dos Povos Indígenas, que ainda integrará a Fundação Nacional do Índio (Funai). Durante a cerimônia, Guajajara anunciou que a Funai passará a se chamar Fundação Nacional dos Povos Indígenas e que será presidida pela primeira deputada federal indígena, Joenia Wapichana.

A ministra Sônia Guajajara, eleita deputada federal pelo PSOL de São Paulo nas últimas eleições, é reconhecida internacionalmente como ativista e líder indígena na luta pela promoção e direitos dos povos originários.

Durante a cerimônia, Guajajara recriou o Conselho de Política Indigenista, falou sobre a importância da demarcação de terras dos povos indígenas, da relevância da resistência e relembrou sobre os séculos de violência e violações contra os povos indígenas e o uso da Terra.

A ministra dos Povos Indígenas agradeceu a presença da ex-presidenta Dilma Rousseff, de todos presentes, e parabenizou o presidente Lula pela coragem de criar o ministério.

“Eu lhe parabenizo pela coragem e ousadia de reconhecer a força e o papel dos povos indígenas em um momento que é tão importante o reconhecimento do papel dos povos indígenas na defesa do meio ambiente com as mudanças climáticas, povos esses que resistem há mais de 500 anos a diários ataques e violentos, tão chocantes e aterrorizantes como vimos neste último em Brasília, porém sempre invisibilizados. Estamos aqui de pé para mostrar que não iremos nos render. O Brasil do futuro precisa dos povos indígenas”.

Guajajara também destacou as posses dela e de Anielle Franco, ministra da Igualdade Racial, como o “mais legítimo símbolo da resistência secular preta e indígena do Brasil”.

“E estamos aqui hoje, nesse ato de coragem, para mostrar que destruir a estrutura dos Três Poderes não vai destruir a nossa democracia! Eu e Anielle Franco convocamos todas as mulheres do Brasil que nunca mais vamos permitir outro golpe no nosso país.”

“Travessia do luto à luta”

Anielle Franco iniciou seu discurso em agradecimento à família, a quem veio antes dela e às mulheres negras que seguraram a sua minha mão e nunca mais a soltaram desde 14 de março de 2018, dia em que a irmã vereadora Marielle Franco foi assassinada. Agradeceu ainda a todas as pessoas que fizeram da “travessia do luto à luta”.

“Desde o dia que tiraram a Marielle da minha vida e da sociedade brasileira, passamos a multiplicar o legado e a regar a semente da minha irmã com a criação do Instituto Marielle Franco. Os dias têm sido difíceis desde o golpe e em especial em 2018. Em meio a uma política de morte, nossa resposta foi a luta pela vida. Luta essa que nos trouxe quando finalmente o povo brasileiro subiu a rampa desse Palácio em um gesto marcante, que emocionou o mundo inteiro. Lula mostrou que o caminho para o Brasil do Futuro será liderado por aqueles e aquelas que resistem”.

A ministra da Igualdade Racial destacou que o Brasil que deseja construir junto como povo será com o protagonismo de mulheres negras, quilombolas, periféricas faveladas e de povos de comunidades tradicionais.

Aniele também falou sobre o combate ao fascismo, ao racismo e aos retrocessos contra a população negra no país durante o governo bolsonarista. Além disso, afirmou que o ministério somará ações nas áreas social, racial e de gênero.

Também anunciou que será relançado o Plano Juventude Negra Viva e que serão retomados programas para os povos quilombolas e ciganos, com regularização fundiária e fortalecimento o sistema nacional da promoção da equidade racial, em diálogo com todos os estados e municípios da União.

Lula sanciona injúria racial como crime

Durante a cerimônia, no Palácio do Planalto, Lula sancionou o Projeto de Lei n° 4566/2021, que tipifica a injúria racial como crime de racismo. A pena para o crime aumentou de 1 a 3 anos de reclusão para 2 a 5 anos.

O texto foi aprovado pela Câmara dos Deputados no início de dezembro de 2022 e é um substitutivo do Senado Federal ao Projeto de Lei 4566/21 (antigo PL 1749/15), da ex-deputada Tia Eron e do ex-deputado Bebeto.

Assista a íntegra da cerimônia:

Fonte: PT

(11/01/2023)

 

Noche de vigilia

Ya se escucha el canto de un gallo. ¿Será el anuncio de la revolución? El aumentativo de pueblo puede ser revolución, dice el poema de Affonso Romano de Sant´Anna.

Sea como sea, la cuestión es que estoy de nuevo por aquí. Esta vez no es el miedo o la ansiedad por un atentado terrorista o golpe de estado lo que me mantiene atento, sino más bien un viejo hábito de habitar mi tiempo. Jugar con palabras. Jugar a divertirme.

Todo se puso tan serio de repente. Personas que encontré en mi paso por la academia, ignoraban todo sobre los clásicos de la sociología. Eran dos doctores y una doctora. No citaré sus nombres ahora, para no dar publicidad a lo que detesto. La ignorancia pedante.

Saber que pasé por la universidad tuvo y tiene distintas connotaciones. Haber pasado por la  universidad me mostró la distancia entre lo que se dice conocer, y lo que de hecho se sabe y se practica.

En mi universidad de origen, la Universidad Nacional de Cuyo, tuve ejemplos de lo que llamaré acción integrada. El casamiento entre lo que se sabe y lo que se es y practica. Esto es lo que trato de mantener vivo y activo en mí.

En otras universidades, encontré de todo un poco. Algunas personas (mujeres y hombres) cuyos ejemplos me marcaron profundamente, y cuyos nombres guardo por tratarse de mi espacio interno.

Lo que ahora me trae aquí, no es esta introducción ya demasiado larga pero necesaria, sino algo muy concreto. Mi tiempo es más bien estas horas que preceden al amanecer. Me gustaba levantarme tempranito antes de ir al Liceo Agrícola Sarmiento, en Mendoza, Argentina, donde estudiaba. Tomaba unos mates y leía escuchando radio.

Ayer tuve la alegría de escuchar al Presidente Lula y a su ministra indígena, Sonia Guajajara. Uno y la otra son personas actualizadas. Viven este tiempo. Son contemporáneas de la modernidad, o como se quiera llamar al tiempo actual.

Vivir el propio tiempo es para mí lo más precioso. Que nos roben el presente es lo más penoso. Esto último es lo que vino sucediendo durante la larga noche que llegó a su fin el día en que venció las elecciones la fórmula Lula y Alckmin.

Lenguaje. Lenguajes. Palabras. ¿Qué estoy diciendo? ¿A quién me dirijo? ¿Para qué escribo? El tiempo actual es vertiginoso. Todo es rápido. Pero la vida tiene ritmos más lentos. Despacito. Puedo vivir mi tiempo de varias maneras.

Lula y Sonia Guajajara me recuerdan que podemos vivir y de hecho vivimos nuestros propios tiempos, modos y valores, en medio de una sociedad diferenciada, en medio de gente con valores totalmente diferentes (cuando no opuestos) a los nuestros.

Lula dijo que los atentados del domingo 8 de enero son obra de personas que desconocen la realidad, tal como su mentor, fugitivo, que desde el exterior desconoce que fue derrotado por el electorado, en elecciones limpias.

Desconocer la realidad es especialidad y norma de ese contingente de gente sin rumbo ni dirección, que se deja llevar por quien le dice algunas palabras clave y le pone un dinerillo en la mano, o le ofrece cargos y poder.

Sonia Guajajara, ministra de los pueblos indígenas, dijo que su ministerio bien podría llamarse ministerio de la vida o de la tierra. Su alegría y espontaneidad fueron un regalo para mí, cansado de caras siniestras en el poder.

Límites

Paciencia y perseverancia hemos tenido. Han sido 10 años de ver descomponerse el tejido social por la acción maliciosa del sector antidemocrático de la sociedad. Incluyendo, por supuesto, el sector corrompido del Legislativo y Judicial, así como la llamada “gran prensa,” iglesias cristianas, empresarios, etc.

No, no faltó paciencia al lado de acá. El lado de allá, sin embargo, no se conforma con haber sido derrotado el 30 de octubre de 2022, en las elecciones que dieron victoria a Lula y Alckmin.

Ahora que la Justicia parece haber despertado del largo sueño adormecedor a que se entregó, no falta quien se queje alegando derecho de manifestación.

Pedir dictadura, desconocer el resultado de las elecciones, no son derechos. Son delitos, y deben ser punidos. La justicia demoró mucho en actuar, y lo está haciendo, lentamente.

No es justo que el sector democrático y popular, que soportó todo este tiempo de golpes, ataques, prisiones ilegales, calumnia y difamación, tenga que seguir soportando las amenazas de nuevos ataques terroristas.

La justicia y la policía deberían garantizar la seguridad pública y el ejercicio de la vida cotidiana de la población. Esa es su función. No lo han hecho hasta ahora, pero es su obligación.

10 años no es poco. Creció el feminicidio, la homofobia, el racismo, los asesinatos impunes. Cortaron presupuesto educacional y cultural. Destruyeron el sistema de salud pública.

No nos pidan más paciencia. Cumplan la ley como es debido y déjennos reconstruir lo que se queda de este país devastado por la delincuencia política institucionalizada y sus apoyadores.

Lula define prioridades para a Educação e a Saúde

Os atentados terroristas do último domingo (8) não mudaram o foco do presidente Lula: sua prioridade continua sendo a de reconstruir o Brasil e recuperar todas as áreas que foram destruídas nos últimos anos.

Nesta terça-feira (10), Lula realizou reuniões com diversos ministros, incluindo encontros separados com Nísia Trindade, da Saúde, e Camilo Santana, da Educação. Com eles, definiu as ações mais urgentes das duas pastas, que devem ocorrer nos primeiros 100 dias de governo.

“A educação e a saúde foram áreas destruídas e negligenciadas nos últimos anos. Hoje terei reuniões com ministros dessas pastas, para trabalharmos e, muito rapidamente, implementarmos medidas de reconstrução no país”, anunciou Lula no início do dia.

 

Atenção especial na Saúde

Após as reuniões, cada ministro divulgou os principais resultados. Nísia Trindade (veja vídeo abaixo) explicou que estão sendo implementadas ações em diversas áreas, mas destacou que algumas delas terão “atenção especial”. São elas:

– A execução de um plano emergencial de redução de filas para diagnósticos e cirurgias no Sistema Único de Saúde (SUS), elaborado com as Secretarias de Saúde dos estados e municípios.

– Iniciar em fevereiro uma nova e ampla campanha de vacinação, não só contra a Covid-19, que vai entrar no calendário regular de imunizações, como também para outras doenças, que, nos últimos anos, tiveram uma queda preocupante na cobertura vacinal.

– Retomar o Programa Farmácia Popular, que distribuía gratuitamente remédios contra pressão alta, diabetes e asma, com a possibilidade de ampliar a lista de medicamentos.

– Priorizar o atendimento de comunidades indígenas e quilombolas, muitas das quais passam hoje por uma grave crise sanitária.

Nísia ressaltou que há orçamento garantido para todas as ações porque, durante o governo de transição, foram identificadas as necessidades do Ministério.

“Nós podemos anunciar essas ações porque houve um trabalho na transição um trabalho muito intenso de identificação dessas questões orçamentárias. Se não tivesse acontecido a PEC (do Bolsa Família), nós não teríamos Farmácia Popular, plano de emergência para as filas, nós não teríamos Saúde, para falar em poucas palavras”.

Compromissos na Educação

Já na Educação, o ministro Camilo Santana (veja vídeo abaixo) também descreveu quatro prioridades definidas por Lula:

– A conclusão do levantamento de obras paradas, que vão de creches a equipamentos de universidades, para que elas seja retomadas rapidamente. O objetivo de Lula é apresentar esse diagnóstico aos governadores na reunião de 27 de janeiro.

– Reajustar a merenda escolar, que há seis anos está com o valor repassado pelo governo federal aos estados e municípios congelado. O novo valor será definido para que entre em vigor antes do início do período letivo.

– Uma campanha para aumentar a participação no Enem, que, após alcançar um pico de quase 6 milhões de participantes em 2014, viu esse número cair para 1,9 milhão no ano passado.

– Concluir no prazo de 90 dias, um plano geral de ações para os próximos quatro anos focado no ensino básico, na alfabetização na idade certa, na ampliação da escola em tempo integral e na conectividade das escolas.

“O presidente Lula mostrou muita vontade de começar a fazer as entregas e honrar os compromissos que ele assumiu com a população”, disse Santana.

Fonte: PT

Chega de conciliar com militares golpistas

Por Rodrigo Vianna*

A história republicana brasileira, a começar da própria derrubada da Monarquia, é recheada de crises políticas, golpes e autogolpes – em geral, comandados pelas Forças Armadas: 1889, 1937, 1945, 1951, 1954, 1955, 1961, 1964, 1968, 2018. Mas nunca, jamais, houve um dia como o 8 de janeiro de 2023.

Ao contrário do golpismo clássico, o que vimos no movimento terrorista liderado pelo bolsonarismo contra os 3 poderes da República em Brasília foi algo inédito: a horda extremista assumiu diretamente o controle das ações. Dessa vez, não havia oficiais da Aeronáutica a intimidar Vargas (1954), nem aviões militares a ameaçar Brizola de bombardeio no Palácio do Piratini (1961), nem tampouco blindados de Juiz de Fora ou colunas do general Mourão (1964) a marchar sobre o Rio. Não. Dessa vez, não houve nem tuítes de general, como no infame impedimento de Lula em 2018.

Em 2023, a massa de extrema-direita assumiu ela mesmo o comando aparente do golpismo. Mas não nos iludamos. A ausência do Exército no teatro de operações terroristas não significa que as Forças Armadas estejam, de fato, ausentes da balbúrdia!

As Forças Armadas foram operadoras e patrocinadoras diretas ou indiretas das cenas terríveis de desordem que assistimos na capital da República.

Sim, o Governo do DF foi conivente e seus representantes já começam a ser responsabilizados: há pedido de prisão de Anderson Torres – o lacaio bolsonarista que o governador (agora afastado) nomeou para Secretaria de Segurança Pública; há intervenção federal no DF** e, por fim, há o justo afastamento pelo STF de Ibaneis, o bolsonarista que ocupava o Palácio dos Buritis.

A baderna, no entanto, não prosperaria sem a conivência do Exército. Primeiro, ao permitir que o QG de Brasília funcionasse como abrigo de terroristas. Não se trata de “descuido” ou “ingenuidade”. Foi uma tática deliberada: o acampamento funcionou como acúmulo de capital político, ao auferir aos fardados o comando das hordas bolsonaristas.

O Exército cumpriu, deliberadamente, o papel reservado aos coiteiros que, na época do cangaço, abriam suas fazendas como esconderijo para abrigar Lampião e seu bando. Com uma diferença: Lampião era bandido, mas lutava contra a oligarquia. Já o Exército de 2023 é coiteiro de terroristas financiados pela oligarquia mais podre do Brasil.

Do QG militar, partiram escoltados pela PM do DF os terroristas para atacar a República. O Exército, pois, colocou-se contra a República que ajudou a fundar – de forma torta – em 1889.

O mais grave, no entanto, foi o Batalhão de Guardas não ter agido diante do ataque ao Palácio presidencial. Para que serve um batalhão de guardas que não defende o núcleo do poder republicano? Não serve para nada. Ou melhor, serve ao terrorismo de extrema direita.

É preciso apontar o dedo para as Forças Armadas!

Por omissão deliberada, ou inação, os militares tentaram criar um clima de convulsão generalizada para que eles mesmos fossem chamados a impor a ordem. Era um jogo de ganha-ganha. Se o golpe fascista prosperasse, sem reação dos poderes republicanos, eles seriam chamados para coordenar um governo “novo”. Se o caos se instalasse, eles seriam chamados como garantidores da ordem.

Lula, o STF e – em menor medida – o Congresso reagiram rapidamente. Restou aos militares a segunda opção: “garantidores da ordem”, como se nada tivessem com a balbúrdia golpista plantada às portas do QG de Brasília.

O melífluo general e senador Hamilton Mourão, homônimo do golpista de 1964, abriu o jogo e disse com todas as letras para O Globo: o governo do DF é que deveria impor a ordem; se é incapaz de fazê-lo, precisaria convocar uma GLO para que as Forças Armadas garantissem o fim da desordem.

Pronto, está desenhado. E esse jogo ainda está sendo jogado.

As Forças Armadas, no entanto, calcularam mal o efeito do 8 de janeiro. As FFAA jamais voltarão a empunhar o discurso de “garantidores da ordem” sem que a sociedade lembre aos fardados: vocês não garantiram a ordem no dia 8, ao contrário, vocês foram fiadores da mais grave balbúrdia em mais de 130 anos de República.

O Exército da desordem se desmoralizou, ombro a ombro com o bolsonarismo criminoso.

Lula, que ganhou por pouco em outubro, tem tudo para liderar uma frente democrática antifascista. O caos do 8 de janeiro pode se transformar numa grande oportunidade para o veterano líder. Mas Lula só fará isso se tiver apoio popular nas ruas e se for capaz de mudar o figurino.

Não vamos fingir que tudo se resolve com o afastamento de Ibaneis e a intervenção no DF. Estamos diante de forças nazistas, como demonstraram as imagens de 8 de janeiro.

É hora de abandonar o figurino de Chamberlain e assumir o papel de Churchill (como disse o ministro Moraes, na brilhante decisão em que decidiu pelo afastamento de Ibaneis).

Ninguém na história recente brasileira esteve mais pronto para isso do que Lula. Lidere a Democracia, Lula! Ponha os militares golpistas no seu lugar: a lata de lixo.

Ninguém aqui espera rompantes revolucionários. É preciso ser sereno e firme, ao mesmo tempo. Lula sabe o caminho, e a sociedade democrática deseja esse caminho.

Não é possível contemporizar com militares que abandonam seus postos, baixam as armas do batalhão presidencial e permitem que as hordas fascistas destruam as instalações da República. Esse Exército da desordem não serve ao Brasil.

Acabou!

** como um símbolo do novo momento que se inicia, friso a importância do nome escolhido por Lula para comandar a intervenção no DF: Ricardo Capelli é civil, foi presidente da UNE, militou no PCdoB, ocupou cargos no governo do Maranhão e é o braço direito de Flavio Dino no Ministério da Justiça. Em 2018, Temer escolheu o general Braga Netto para intervenção no Rio. Lula não tentou buscar um nome nos quadros das FFAA ou da PM do DF. Nomeou Capelli, um bom sinal de que a relação com os fardados não será mais de submissão.

*Jornalista desde 1990. Passou por Folha, TV Cultura, Globo e Record; e hoje apresenta o “Boa Noite 247”. Vencedor dos Prêmios Vladimir Herzog e Embratel de Jornalismo, é também Mestre em História Social pela USP. Blogueiro, integra a direção do Centro de Estudos Barão de Itararé.

Fonte: Brasil 247