Projeto conta história do ossário clandestino construído em SP durante ditadura militar

Na próxima terça-feira, 1º de setembro, entre 18h e 20h, o IVH estará ao vivo nas redes sociais para lançar o projeto "Vala de Perus: uma biografia"

Na próxima terça-feira, 1º de setembro, entre 18h e 20h, o IVH estará ao vivo nas redes sociais para lançar o projeto "Vala de Perus: uma biografia"

Na próxima terça-feira, 1º de setembro, entre 18h e 20h, o Instituto Vladimir Herzog (IVH) estará ao vivo nas redes sociais para lançar o projeto “Vala de Perus: uma biografia”, no qual o jornalista Camilo Vannuchi conta a história do ossário clandestino construído no Cemitério Dom Bosco, em São Paulo, para ocultar vítimas da Polícia Militar, dos esquadrões da morte e do sistema de repressão durante a ditadura militar.

Nos anos 1970, a vala pode ter sido o destino de dezenas de desaparecidos políticos (foram encontradas 1.049 ossadas) e somente cinco deles foram identificados até agora.

Será um encontro para marcar os 30 anos da abertura da Vala de Perus, episódio histórico da luta por memória, verdade e justiça na cidade de São Paulo. Para marcar a data e a publicação do primeiro capítulo do livro, o IVH realiza um evento ao vivo com a presença virtual de protagonistas desta história.

Teremos depoimentos de Toninho Eustáquio, Caco Barcellos, Luiza Erundina, e participação ao vivo de outros atores fundamentais nesta história, como Iara Xavier, Amelinha Teles, Suzana Lisboa, Ivan Seixas, Tereza Lajolo, Gilberto Molina, Rogério Sottili, Eugênia Gonzaga, Carla Borges, Soraya Smailli, Carla Osmo, Juliana Cardoso, Ana Claudia Carletto e Lucas Paolo Vilalta.

A transmissão será feita pelo Facebook e pelo YouTube do IVH, com retransmissão do grupo Jornalistas Livres.

SERVIÇO
Live de lançamento do projeto “VALA DE PERUS: UMA BIOGRAFIA”
Data: 1º de setembro, das 18h às 20h, com transmissão ao vivo no Youtube Facebook do IVH e retransmissão do Jornalistas Livres.

Um comentário sobre “Projeto conta história do ossário clandestino construído em SP durante ditadura militar”

Deixe uma resposta