Juízes, tribunais e golpe

baldezOs senhores ministros do Tribunal maior desta nossa eminente magistratura estão indignados com o aposto que lhes dão os democratas às continuadas decisões, desde as práticas do senhor Gilmar Mendes às de nível inferior, muito bem significadas nos atos do juiz Moro.
Segundo esses senhores togados, a mera referência abstrata à previsão constitucional do impeachment é suficiente para afastar da Presidência da República uma honrada mulher independentemente de qualquer fato e de sua revelação no processo através das respectivas provas. Basta a esses ilustres senhores o uso da toga para arrogarem-se donos do saber jurídico.
Pois não há outra expressão para bem dizer o que se faz contra Dilma Rousseff: é golpe sim. E não se diga que só há golpe quando se tenha participação militar, como aconteceu com o golpe contra Getúlio Vargas, que redundou em sua morte, e contra João Goulart. Não se esqueça de que nessas duas situações a liderança foi sempre do empresariado, sob o comando do jornalista fascista Carlos Lacerda contra Getúlio e do banqueiro Magalhães Pinto contra Jango.
Ressalte-se, enfim, que tudo que se tentou contra Juscelino Kubitschek foi abortado pelo grande e inesquecível militar Henrique Douffles Lott.
Hoje, contra Dilma Rousseff, democraticamente eleita, e contra o ex- presidente Lula quem se apresenta como estranha liderança é o senhor Gilmar Mendes, acompanhado pelo Juiz Moro. Ao diabo o direito. É como se dissessem “o direito sou eu e não me chamem de golpista, pois sou eu que usa toga”. Como se lhes bastasse a toga…
Sobre Gilmar Mendes e sua toga, o ilustre jornalista Maurício Dias, citando o sempre lembrado democrata Moacir Werneck de Castro, em texto publicado na Carta Capital de 13 de abril de 2016, destaca pontos relevantes de sua biografia no artigo “O Gilmar de sempre”, cuja leitura, com todo o respeito, recomendamos.
Caríssima Presidenta Dilma, sempre lembrando a fundamental Pasionaria, resista Presidenta.
Ao fim, eles não passarão.
* Miguel Baldez é procurador aposentado do Rio de Janeiro e assessor de movimentos populares.

Deixe uma resposta