O GLOBO QUER SANGUE

O jornal O GLOBO quer sangue. Em manchete neste domingo (20), afirma: “Alemão: tráfico faz feira de drogas a céu aberto”. A “reportagem”, toda ela baseada em informações da polícia, é um louvor à violência. O jornal abre a página 17 com uma foto, feita de longe, de várias casinhas, como numa visão geral do Complexo do Alemão, e a inscrição: “Cidadela do tráfico”. Imagem e texto conduzem à interpretação de que todos os que moram ali são potencialmente bandidos, o que justificaria mais uma ação violenta da polícia. Essa informação, no entanto, bate de frente com os fatos, pois os números da própria Secretaria de Segurança Pública (SSP-RJ) mostram que os moradores do Alemão envolvidos com o tráfico não chegam a 1% da população (em 2007, o próprio GLOBO deu que, segundo a SSP-RJ, eram 450 traficantes para uma população de aproximadamente 100 mil pessoas). No subtítulo, O GLOBO afirma que vários traficantes expulsos de favelas ocupadas por UPPs migraram para o Alemão, onde teriam montado um “shopping” de drogas, com vendas “a céu aberto”. Grande novidade… Qualquer um que já tenha ido a esta parte da favela sabe que há comércio varejistas de drogas ali. Novidade mesmo seria se o jornal fizesse uma reportagem sobre a venda no atacado, mostrando como armas e drogas chegam nesses espaços populares. Quem fica com a grana pesada? São os bandidos de bermuda e chinelo? Para o Globo, sim. Na “matéria” deste domingo afirma-se que traficantes que vivem ali construíram casas “com confortos comuns a qualquer moradia de classe média – algumas até com piscina e hidromassagem”, trecho malandro que leva leitores a acreditarem que esses são os verdadeiros donos do negócio. De mais a mais, a “reportagem” é uma súplica para que mais violência seja cometida nessa parte da cidade, densamente povoada, diga-se. Em 2007, quando da mega-operação que deixou 19 mortos num só dia, o mesmo GLOBO publicou diversos textos legitimando a ação da polícia, para quem todas as mortes haviam ocorrido em confronto – versão que posteriormente foi desmentida por peritos enviados pelo governo federal. O episódio passou a ser conhecido como “Chacina do Pan”, em razão dos Jogos Pan-Americanos que foram realizados no Rio de Janeiro naquele ano. No final, O GLOBO consegue as aspas que consagram seu objetivo. É o próprio secretário de Segurança Pública, José Mariano Beltrame, quem afirma, deixando claro a ação iminente: “Vai ter trauma, vai ter baixa, mas será uma ação definitiva”.

11 comentários sobre “O GLOBO QUER SANGUE”

  1. Pingback: Tweets that mention http://fazendomedia.org/?p=4156utm_sourcepingback -- Topsy.com

  2. O Globo que sangue e quer fazer sangrar quem cruzar por su caminho.
    lá no blog: Dungax Globo
    Globo é forçada a publicar carta dizendo que não está contra a seleção.

  3. Este Jornal esta sem credibilidade, As Organizações Grobo tem na vinheta o “Brasil passa aqui”, sim eles trabalharam para o Brasil ser o que é hoje.

  4. Esses bandidos da globo querem continuar a vender jornal e ter audiencia à custa do sangue dos pobres.
    Mas esta história está mudando, com os jornais onlline na web [como o Vermelho, http://www.vermelho.org.br e a telesul, http://www.telesurtv.net] além dos blogs e sítios como o FM, quase niguem mais compra os nojentos e sangrentos jornaloes da elite.
    E é bom informar que o jornalao dos marinho quer mesmo é aumentar o narcotráfico em nosso país, pois estao a serviço do imperialismo dos EUA, que sao os verdadeiros narcotraficantes mundiais e os verdadeiros beneficiários do dinheiro do tráfico.
    Os varefistas do traficos [que sao os pobres da favela] pagam com seu sangue e suas vidas, enquanto os baroes da elite nacional e gringa lavam o dinheiro em paraísos fiscais e gozam a vida adoidado …

  5. Pingback: Escrevinhador

  6. Essa corja da globo quer continuar a vender jornal e ter audiencia à custa do sangue dos pobres.
    Mas esta história está mudando, com os jornais online na web [como o Vermelho, www. e a telesul, http://www.] além dos blogs e sítios como o FM, quase ninguem mais compra os nojentos e sangrentos jornaloes da elite.
    E é bom informar que o jornalao dos marinho quer mesmo é aumentar o narcotráfico em nosso país, pois estao a serviço do imperialismo dos EUA, que sao os verdadeiros narcotraficantes mundiais e os verdadeiros beneficiários do dinheiro do tráfico.
    Os varegistas do traficos [que sao os pobres da favela] pagam com seu sangue e suas vidas, enquanto os baroes da elite nacional e gringa lavam o dinheiro em paraísos fiscais e gozam a vida adoidado

  7. A lógica do terrorismo de Estado no Rio de Janeiro é midiático-militar, e, paramilitar. Todos os governos que se sucederam desde o último governo Brizola, estiveram sob a pauta desta máfia que domina o Rio de Janeiro como um território geopolítico privilegiado. Ai daquele que tentar sair desta linha de terror e ações encobertas: sofrerão ameaças de morte, sobretudo na área de segurança, como foi, no caso, ao então nomeado Luis Eduardo Soares para ceder à ascensão de Álvaro Lins, como foi em todo o período Garotinho/Rosinha, governos literalmente seqüestrados, tal qual este atual governo Cabral. Ocorre que, como o cativeiro envolve grande projeção midiática de apoio ao governo pautado, com um caminho promissor na carreira política, não há denúncia, e o governo seqüestrado passa a amar o cativeiro e colaborar, voluntariamente, com os objetivos políticos dessa máfia midiático-militar, e, paramilitar. A “guerra às drogas” promovida em todo o continente latino-americano pela DEA/CIA é o dispositivo que dá o suporte nesta guerra suja em nosso país. O objetivo central é promover uma GUERRA FALSA e garantir blindagem às máfias que ganham no atacado de armas e drogas, desviando o foco para um cenário no comércio varejista das drogas nas favelas, que são amplamente escravizados pelas máfias policiais, o que se garante, pelo trabalho sujo, uma política de contra-insurgência em todo o continente.
    Sendo o “tambor do Brasil”, o Rio de Janeiro é um território privilegiado para fazer repercutir, como caixa da ressonância, e se promover a cultura fascista e militarização na América do sul e América latina. Uma espécie de extensão do PLANO COLÔMBIA.
    Há problemas locais. Porém, estão condicionados à estratégia maior de poder que aqui é exercido por esta máfia midiático-militar, e, paramilitar. Penso que esta questão envolve a soberania e a segurança Nacional. O tal governo “paralelo”, não está no varejo da favela, mas, e sobretudo, na máfia atacadista transversal ao aparelho de Estado. São sucessivos governos seqüestrados e covardes. O caso é gravíssimo!

  8. Trabalho na região, pessoal, não justifica atacar o local de trabalho e de residência de muita gente que não é envolvida com nenhum crime, mas nunca ouvi alguém dizer, já que o confronto é errado, como lidar com os traficantes, que, diga-se de passagem, podem ser conhecidos ou próximos dos moradores, mas também são seus opressores. Sempre vejo muita gente falando contra o massacre e a violência, o que é certo porque a função da polícia deveria ser prender os traficantes e agir de acordo com a lei, com mandados etc. mas se nada for feito a coisa vai aumentar e muito.

Deixe uma resposta