Em marcha por um outro mundo

caminhada
A marcha da última segunda-feira (25) abriu oficialmente as atividades do Fórum Social Mundial da Grande Porto Alegre, este ano distribuído por sete cidades da região: Porto Alegre, Canoas, Gravataí, Sapucaia do Sul, São Leopoldo, Novo Hamburgo e Sarapiranga.
Milhares de pessoas percorreram as ruas de Porto Alegre sob sol forte, colorindo a cidade com suas bandeiras. O movimento estudantil, militantes de partidos políticos e as centrais sindicais foram em peso. A carreata da Central Única dos Trabalhadores (CUT) cobriu de vermelho as ruas do centro da cidade, enquanto os integrantes da União Geral dos Trabalhadores (UGT) e da Força Sindical animavam a festa com carro de som e bateria de escola de samba.
pre_sal
Em número bem reduzido, mas não menos animado, o “Movimento Revolucionário” fez bastante barulho cantando “nem a direita, nem o PT, revolução, trabalhadores no poder”. Já a campanha “O petróleo tem que ser nosso” conseguiu unir manifestantes de todas as idades, comprovando que o assunto é de interesse geral: segurando as faixas que pediam a reestatização da Petrobrás, havia de estudante secundarista a petroleiro aposentado.
A bandeira arco-íris do movimento GLBT virou um enorme tapete flutuando pelas principais avenidas da cidade. Muitos eram os grupos que pediam o fim da homofobia. Militantes pela democratização da comunicação também estavam presentes e com a faixa “RBS mente, assim como toda a mídia do Rio Grande do Sul”, arrancaram risadas e sinais de consentimento de quem estava nas calçadas.
mulheres
O movimento de mulheres deu um show a parte! Vestidas de roxo e lilás, com cartazes que exigiam respeito às homossexuais, o direito ao aborto e a emancipação da mulher, elas cantaram e batucaram em latas de tinta durante todo o percurso, carregando a faixa “Seguiremos em marcha até que todas sejam livres”
No Fórum Social Mundial o descontentamento com a situação atual e a mobilização para transformá-la foi tão forte, que ficou a certeza de que um novo mundo não é somente possível. Ele é urgente e necessário.

Um comentário sobre “Em marcha por um outro mundo”

Deixe uma resposta