Sobreviver a situações adversas exige um olhar para o passado

Sobreviver a situações adversas exige um olhar para o passado.

Se eu me esquecer do que fiz para superar as dificuldades ou traumas que enfrentei para chegar até aqui, estarei abrindo uma possibilidade para que a história se repita.

Ao contrário, o fato de eu relembrar o que fiz para enfrentar e superar o que me fez sofrer, me põe em contato com a minha capacidade resiliente.

A educação libertadora supõe um encontro integral com toda a nossa caminhada.

Sabemos então que regimes ilegais, totalitários, abusivos, mentirosos, genocidas, têm uma vida curta.

Não estão apoiados na verdade nem na justiça. Muito menos no amor, que a lei universal que sustenta todo e mantêm a vida.

Inevitavelmente a verdade vem a tona.

Se houve ou não ditadura no Brasil, na Argentina, no Chile, não é uma questão de opinião nem de ideologia ou partidismo.

São fatos. Aconteceram. Milhares de pessoas morreram sem terem cometido nenhum delito. Foram torturadas. Milhares morreram e seus corpos foram escondidos pelos genocidas.

Por que lembrar? Para não repetir.

Hoje o Brasil está em mãos da delinquência política institucionalizada. Como refazer o estado de vigência do direito e da justiça?

Praticando integralmente o que aprendemos ao longo da vida.

Agir de acordo com os valores supremos que orientam e dão sentido à nossa vida.

O valor supremo da vida é o amor. Isto é inquestionável.

Não podemos nos esconder, nos acovardar. Basta um juiz, uma juíza, e uma atividade judiciaria atida ao que determina a Constituição e a Declaração Universal dos Direitos Humanos, da qual o Brasil é signatário, para que seja removido o atual regime.

Todo mundo irá ganhar. Educar é o caminho.

Um dia é muito tempo. Não há tempo a perder!

Não nos divorciemos do nosso passado. Nas dores superadas está a chave para agirmos novamente em direção àquilo que nunca morre. É o amor.

Vamos lá!

A estrada mais longa começa no primeiro passo!

Nosso é o tesouro que nenhum ladrão pode roubar!

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta