População volta às ruas pela 3ª vez para pressionar por impeachment de Bolsonaro

Por Afonso Bezerra

Protestos se intensificam após divulgação de suposto esquema de corrupção no Ministério da Saúde

Milhares de manifestantes ocuparam as ruas de diversas cidades brasileiras, na manhã deste sábado (03), para protestar contra o presidente Jair Bolsonaro, cobrar vacina para todos e auxílio emergencial no valor de R$ 600,00. As suspeitas de prevaricação na compra das vacinas e privatização das estatais, como Eletrobras, também ganharam destaque nos protestos.

Os atos fazem parte da Campanha Nacional Fora, Bolsonaro, organizada por movimentos populares, entidades, coletivos, partidos de oposição e sindicatos que compõem as Frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo e acontecem na semana em que a oposição e ex-aliados protocolaram um superpedido de impeachment na Câmara dos Deputados.

Os protestos são uma sequência aos atos de 29 de maio e 19 de junho, que demonstraram a enorme insatisfação popular com o governo federal. O desgaste de Bolsonaro provocado por denúncias de corrupção e propina na compra de vacinas provocou a convocação da manifestação deste sábado (3) e um novo ato já está agendado para o dia 24 de julho.

Pernambuco

No Recife, os manifestantes se concentraram na Praça do Derby, na área central da cidade, e seguiram em passeata pela Avenida Conde da Boa Vista. Além de denunciar a má gestão da pandemia do Governo Bolsonaro, houve um protesto contra o suposto esquema de corrupção envolvendo a compra de vacinas, no Ministério da Saúde.

Os manifestantes fizeram uma intervenção usando cédulas de dólar, em alusão ao depoimento do Cabo da PM, Luiz Paulo Domingueti, à CPI da Covid no Senado, confirmando ter recebido uma proposta de propina do servidor do Ministério, Roberto Ferreira Dias. A proposta era de 1 dólar por cada dose comprada.

O senador Humberto Costa, do PT-PE, membro titular da CPI da Covid, participou das manifestações no Recife e comentou a simbologia delas nesta fase da pandemia.

“Este ato é muito importante pela dimensão que ele tem, de ser nacional; pela temática, que é a defesa da democracia no Brasil; e, acima de tudo, de denúncia de todos os erros, equívocos que tem sido cometidos pelo Governo Bolsonaro”.

Ceará

No Ceará, na cidade de Juazeiro do Norte, os manifestantes saíram às ruas logo cedo para protestar contra o presidente. Além disso, foi incorporada à pauta a luta dos indígenas contra o PL490/2020, que ataca os direitos territoriais dos povos originários.

“Estamos juntos aqui nesta manifestação contra o Bolsonaro,  em prol da vida, em prol das vacinas e contra a PL490, para dizer Fora, Bolsonaro”, afirmou o cacique Eduardo, do povo Kariri Quixelo.

Outras bandeiras de luta, como o combate à privatização da Eletrobras e dos Correios, a defesa do meio ambiente, das universidades e dos direitos trabalhistas ocuparam os cartazes dos manifestantes na manhã deste sábado.

Minas Gerais

Em Minas Gerais, na cidade de Ipatinga, os manifestantes se concentraram na Praça 1º de Maio. “Estamos aqui para cobrar comida no prato, emprego e vacinação em massa para o povo brasileiro”, disse Thiago Alves, do Movimento de Atingidos por Barragem(MAB) e Fórum pela Vida do Vale do Aço. Mais de 40 cidades confirmaram atos no estado, como Ouro Preto.

Rio de Janeiro

Com a adesão de novos partidos e de mais movimentos populares, manifestantes voltaram às ruas do Rio de Janeiro neste sábado (3) para protestar contra o governo federal e pedir o impeachment do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Este é o terceiro ato em menos de dois meses a ocupar a larga Avenida Presidente Vargas, uma das principais vias do centro da capital fluminense.

Milhares de pessoas caminharam pela avenida Presidente Vargas, até a Candelária. O deputado federal Marcelo Freixo (PSB-RJ), líder da minoria na Câmara, foi à manifestação. “A gente tá na rua em solidariedade às famílias destruídas pela covid e pelo banditismo bolsonarista. Temos que deter o extermínio”, escreveu nas redes sociais. Atos foram registrados em cidades do interior como Campos dos Goytacazes e Cachoeiras de Macacu.

Mais de 360 atos

Houve registros de atos em cidades do interior do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, do Maranhão e em Belém, no Pará. De acordo com a coordenação da Campanha Nacional Fora, Bolsonaro, aproximadamente 360 cidades estavam com atos agendados para este sábado.

Edição: Vivian Virissimo

Fonte: Brasil de Fato

 

 

 

Deixe uma resposta