MST e coletivos de favela realizam encontro para fortalecer Comitês Populares no RJ

Por Jaqueline Deister

Ao todo, 40 representantes de favelas da cidade do Rio e Baixada Fluminense participaram do evento

Nesta quarta-feira (15), o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) participou de um encontro, na sede do Instituto Raízes em Movimento, no Complexo do Alemão, localizado na zona norte da capital fluminense, com coletivos de favelas do Rio de Janeiro com o objetivo de fortalecer a articulação dos Comitês Populares de Favelas do estado.

Ao todo, 40 representantes de favelas da cidade do Rio e Baixada Fluminense estavam presentes, além de lideranças de movimentos populares como o coordenador nacional do MST, João Pedro Stédile.

Na avaliação de Stédile, o encontro foi muito produtivo, principalmente pela troca de experiências e a aproximação na relação campo-favela.

“Percebi que eles têm as soluções, sabem o que fazer para melhorar a condição de vida do nosso povo e eles terão um papel fundamental no próximo governo para contribuir com as políticas públicas para resolver o problema da população que vive em favelas de todo o Brasil. Para nós, do MST, foi importante porque fizemos uma celebração da convocatória da plenária campo-favela para discutirmos trocas de experiência, formas de trazer alimentos saudáveis para as favelas, como fazer solidariedade entre as nossas lutas e também envolver a favela no plantio de árvores”, disse o líder do MST.

Alan Brum, coordenador do Instituto Raízes em Movimento, também avaliou positivamente a atividade no Complexo do Alemão.

“O encontro é um marco para a relação campo-cidade e entendo que dessa forma teremos maior capacidade de produzir pautas prioritárias e conseguir maior capacidade de incidência política a partir das eleições deste ano”, afirmou.

De acordo com os organizadores do evento, o objetivo dos Comitês Populares de Favelas é construir uma força social junto ao povo para assegurar a eleição de Lula à Presidência da República e o comprometimento do pré-candidato com um pacote de mudanças estruturais para a população periférica. Entre os principais pedidos da frente está o fim das violações de direitos humanos nas favelas.

O encontro de hoje encaminhou a realização de uma plenária com os moradores de favelas para mobilizar a construção dos comitês pelas mais de mil favelas do estado, a elaboração de uma carta com demandas para Lula e a criação de um fórum permanente de trabalho campo-favela.

O lançamento oficial do Comitê Popular de Favelas no Complexo do Alemão será realizado no dia 24 de junho.
Edição: Eduardo Miranda

Fonte: Brasil de Fato

(16/06/2022)

Deixe uma resposta