FSM amazônico tem saldo positivo

Por Gustavo Barreto, de Belém

Os movimentos sociais presentes no Fórum Social Mundial 2009 estão se dirigindo neste momento para a Assembléia das Assembléias, que começa por volta das 15h no palco central da Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA). A mobilização é muito grande e a idéia é reunir todos os encaminhamentos das assembléias que ocorreram neste domingo (1) pela manhã. Estas, por sua vez, procuraram resumir os encaminhamentos que foram feitos durante os quatro dias de debates, de 28 a 31 de janeiro.

Apesar dos inúmeros problemas de infra-estrutura, que nos impediram por exemplo de cobrir em tempo real o FSM 2009 (os textos serão divulgados pouco a pouco na próxima semana), o resultado foi muito positivo, pois o clima de integração entre os continentes foi muito intenso.

Grande parte dos debates giraram em torno da questão da destruição ambiental promovida pelo modelo capitalista, que passa por uma crise estrutural. A saída dos capitalistas – com destaque para as grandes corporações – está clara: “reformar” o capitalismo. A saída de todos os participantes também está dada: estamos em meio a uma crise civilizatória e não há como “reformar” um sistema falido, que gera tanta riqueza em pequenas “ilhas” de progresso, ao mesmo tempo em que deixa milhões de seres humanos à margem de direitos básicos como educação e saúde.

Esta perspectiva, algo que poderíamos denominar quase que um “Consenso de Belém”, é importante para que as entidades e cidadãos aqui comprometidos com um novo paradigma de sociedade – que coloca as pessoas acima dos lucros – possam se fortalecer e cada vez mais derrubar os poderes hegemônicos atuais e a própria noção de “hegemonia”.

Lidou-se muito com a idéia de “anti-hegemonia”, com o poder descentralizado das redes, apesar da resistência de muitos dos próprios presentes no evento, alguns poucos que parecem querer substituir um grupo de dominantes por outro, supostamente iluminado, mantendo sim a lógica de opressão de muitos por alguns. A multiplicidade de atores sociais não permite que esta lógica vigore num outro mundo possível e necessário.

Como está quase na hora da assembléia, voltamos depois para escrever mais sobre este evento que, apesar dos problemas inerentes de uma sociedade civil recém-nascida, foi o maior sucesso.

(Em breve todas as fotos que registramos por aqui)

Deixe uma resposta