Eleição também é mercadoria. Como tal, fetichista se apresenta

Eleição também é mercadoria. Como tal, fetichista se apresenta

No início,  o PT era prudente

No tocante à questão eleitoral

Mesmo a ele lhe dando algum aval

Alertava bem mais a sua gente

Em eleição se tornando reticente

A seus membros, então, ele orienta

A eleição assumir, em dose lenta

O Brasil tem história que arrepia

Eleição também é mercadoria

Como tal, fetichista se apresenta

 

Dependendo qual seja a conjuntura

Desde que muito bem avaliada

É possível enfrentar esta empreitada

Como peça de “bela” ditadura

Sem visar a uma vida fecunda, futura

Mero adorno de luxo ela ostenta

De qualquer compromisso logo se isenta

O sistema, de vez, o contraria

Eleição também é mercadoria

Como tal, fetichista se apresenta

 

Quando vence, a esquerda raramente

Se mantém no governo, se assume

Neste caso, o governo não é o cume

A conquista que logra não se sente

Pois vem logo a desfeita de outra gente

O estado protege e apascenta

Deixa intacta a estrutura e sua ementa

A esquerda consente o que angaria

Eleição também é mercadoria

Como tal, fetichista se apresenta

 

Longos 34 anos, eis que faz

Da campanha eleitoral constituinte

Que é louvada em prosa, com requinte

Boa parte já nem se lembra mais

E nem mesmo de lição se vai atrás

Do cordel que lancei, assim comenta

Uma estrofe que parece estar atenta

E citá-la adiante ousaria

Eleição também é mercadoria

Como tal, fetichista se apresenta

 

“Já estamos em tempo de eleição

Ferramenta que aponta em dois sentidos

Quase sempre contrária aos oprimidos

Também pode valer contra o barão

Quando o pobre percebe que o tostão

Que em troca de votos é derramado

É o suor do povão que foi roubado

Nós devemos pegá-lo porque é nosso

E no dia votar sem ter remorso

Só em pobre que está do nosso lado”

 

Dezessete eleições se seguem a esta

Largo tempo propício a um balanço

Desafio oportuno aqui lanço

O que sobra para o povo desta “festa”?

Sem negar alguns ganhos que ela atesta

O tesouro dos ricos alimenta

Pros “de baixo”, porém, a marcha é lenta

Negativo é o saldo, lembraria

Eleição também é mercadoria

Como tal, fetichista se apresenta

 

Em dezenas de casos abraçados

Por milhares de bravos militantes

Em campanhas sem conta atuantes

Concentrando sua força neste lado

Acabaram em falta com o legado

Desafio central pouco se enfrenta

Militância tornou-se desatenta

Prioridade, então, inverteria

Eleição também é mercadoria

Como tal, fetichista se apresenta

 

Mesmo sem descartar as tais campanhas

Sem assumi-las, porém, como centrais

Mas, seguindo as pautas axiais

O projeto popular não se barganha

Nem tão pouco da elite segue a manha

O melhor para sua classe é o que tenta

De sua luta fazendo-se ferramenta

Sua causa maior não negocia

Eleição também é mercadoria

Como tal, fetichista se apresenta

 

Militância comporta pauta imensa

Criar núcleos, também coordená-los

Conhecer, tratar bem todos os calos

Evitando ambiente de descrença

Aparando as arestas, desavenças

O processo formativo acalenta

Dissipando dos núcleos a tormenta

De mudança, ambiente novo cria

Eleição também é mercadoria

Como tal, fetichista se apresenta

 

Se do tempo empregado em eleição

A metade, se desse com a base

E não mais para campanhas tanto vaze

Nosso esforço, por certo, não será vão

E o trabalho de base, em construção

Do contrário, ilusão nos arrebenta

E o projeto dos sonhos mais se ausenta

Reverter este rumo nos salvaria

Eleição também é mercadoria

Como tal, fetichista se apresenta

 

Mil razões nos assistem para alertar

Os partidos vigentes têm esquema

Que da ética se afastam para o caos

Existindo exceção elementar

Mas, somente para a regra confirmar

Consciência do povo se atormenta

Deste vício a esquerda não é isenta

E o sistema de todos tripudia

Eleição também é mercadoria

Como tal, fetichista se apresenta

 

Cada vez entre nós crescem os sinais

De que outra política é necessária

Que liberte do Império quem é pária

A justiça buscando, sempre mais

E trilhando caminhos rumo à paz

Cultivando a ética é que se enfrenta

Ocorrências tão graves de tormenta

Pela base somente se (re)inicia

Eleição também é mercadoria

Como tal, fetichista se apresenta

 

Deixe uma resposta