Cubanos reverenciam os oito estudantes de medicina fuzilados há 141 anos

A manifestação dos estudantes iniciou-se com concentração nas escadarias e imediações da Universidade de Havana (Fotos: Jadson Oliveira)

De Havana (Cuba) – Os cubanos não esquecem seus mártires. Como acontece todos os dias 27 de novembro de cada ano, na última terça-feira, em Havana, milhares de estudantes universitários e secundaristas, tendo à frente os integrantes da Universidade de Ciências Médicas, desfilaram das escadarias da histórica universidade até a esplanada da Ponta do Castelo do Morro, passando pela Avenida San Lázaro. Estavam homenageando os oito alunos de Medicina fuzilados há 141 anos (27 de novembro de 1871) pelos colonialistas espanhóis, num ato de extrema truculência.
A manifestação começou por volta das 3 horas da tarde, com a concentração nas escadarias e imediações da Universidade de Havana, no bairro mais conhecido como Vedado. Os nomes dos oito mártires e mais colegas de curso foram gritados e reverenciados pela multidão: “Presente!” Depois do pronunciamento de Tomás Díaz, da direção da Federação dos Estudantes Universitários, a FEU, que estava comemorando 90 anos de lutas, e de manifestações culturais – sempre se ouvindo canções de Silvio Rodríguez, uma espécie de Chico Buarque cubano (ou um Geraldo Vandré dos tempos da ditadura) -, a enorme e ruidosa tropa do estudantado desceu a San Lázaro, encabeçada por uma banda militar e os passos marciais de uma pequena guarda também militar.
No trajeto da marcha, campanha pelos “cinco heróis antiterroristas cubanos”, presos políticos nos Estados Unidos

Foram cerca de três quilômetros de palavras de ordem, de vivas ao líder Fidel Castro e a Raúl Castro, atual presidente, contra o bloqueio econômico e de exaltação aos “Cinco”, isto é, aos “cinco heróis antiterroristas cubanos”, que foram presos e cumprem pesadas condenações nos Estados Unidos por terem se infiltrado em organizações terroristas de Miami para tentar evitar atentados contra a ilha (assunto romanceado pelo brasileiro Fernando Morais em “Os últimos soldados da guerra fria”). Uma das músicas mais ouvidas no trajeto foi A Internacional, hino dos comunistas que exalta o internacionalismo.
O cortejo seguiu pela avenida, que é vizinha e paralela ao famoso Malecón – o charmoso cais da capital cubana sempre cheio de gente e casais de namorados nas tardes “habaneras” –, e foi até a Ponta do Castelo (o local fica bem próximo do Castelo do Morro, uma fornida fortaleza construída pelos espanhóis, hoje um grande museu, onde se organiza anualmente, por exemplo, a tradicional Feira do Livro).
Mausoléu dos oito mártires assassinados pelo império colonial espanhol na Ponta do Castelo do Morro

Foi “en la Punta” onde se deu o fuzilamento dos futuros médicos e onde foi erigido o mausoléu em honra deles: oito jovens com a idade de 16 a 21 anos, dotados de inclinações patrióticas e acusados de profanarem o túmulo de um jornalista espanhol afinado com os ditames do império colonial (eles teriam feito atos irreverentes, como arrancar uma flor da tumba do jornalista). O cruel episódio, que reflete a sanha colonialista da época, tem lances extremos como o fato de três dos oito entrarem por sorteio na lista dos condenados. Outro detalhe: um dos três teria faltado às aulas no dia do suposto delito, estava com a família na província de Matanzas.
Seus nomes: Carlos de la Torre, Alfonso Álvarez, Pascual Rodríguez, Eladio González, Ángel Laborde, José de Marcos Medina, Anacleto Bermúdez y Carlos Verdugo. Em homenagem a eles, estiveram na manifestação, além de representantes da FEU, dirigentes da universidade, do Partido Comunista Cubano, da União dos Jovens Comunistas e da Federação dos Estudantes do Ensino Médio (FEEM).
(*) Jadson Oliveira é jornalista baiano e vive viajando pelo Brasil, América Latina e Caribe. Atualmente está em atualmente está em Cuba, após quatro meses de Venezuela e passagem por São Paulo. Mantém o blog Evidentemente (blogdejadson.blogspot.com).

2 comentários sobre “Cubanos reverenciam os oito estudantes de medicina fuzilados há 141 anos”

  1. É impressionante o fato deles terem força para a mobilização mesmo passando fome diariamente devido à incompetência do governo de Fidel. São verdadeiros guerreiros!

Deixe uma resposta