Chefe da OMS alerta para um “fracasso moral” da vacinação contra COVID-19

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Ghebreyesus, alertou nesta segunda-feira (18) para a necessidade de se distribuir a vacina contra a COVID-19 de forma equitativa.   

O chefe da agência discursou ao Conselho Executivo da OMS dizendo que “o mundo está à beira de um fracasso moral catastrófico e o preço desse fracasso será pago com vidas e meios de subsistência nos países mais pobres do mundo”.

Até o momento, mais de 39 milhões de doses da vacina foram administradas em pelo menos 49 países de alta renda. Segundo Tedros, na Guiné-Equatorial, um país de baixa renda, apenas 25 doses foram distribuídas até o momento.

Ao lembrar as pandemias de HIV e H1N1, Tedros afirmou que a comunidade internacional tem a oportunidade de mudar a história desta vez.

Para ele, “é certo que todos os governos desejam priorizar a vacinação de seus profissionais de saúde e idosos, mas não é certo que adultos jovens e saudáveis em países ricos sejam vacinados antes de profissionais de saúde e idosos em países mais pobres”.

Segundo ele, “haverá vacina suficiente para todos”, mas agora é o momento de “trabalhar como uma família global para priorizar os que correm maior risco de doenças graves e morte, em todos os países”.

Solução

Nos últimos nove meses, o Acelerador ACT e o COVAX criaram as bases para a distribuição e implantação equitativas de vacinas.

As iniciativas compraram 2 bilhões de doses, de cinco produtores, e têm opções para adquirir mais 1 bilhão de doses. A OMS pretende iniciar as entregas em fevereiro.

Tedros afirmou, no entanto, a promessa de acesso equitativo corre sério risco. Alguns países e empresas continuam priorizando negócios bilaterais, elevando os preços. No ano passado, 44 acordos bilaterais foram assinados e pelo menos 12 já foram firmados este ano. E a maioria dos fabricantes deu prioridade à aprovação nos países ricos, em vez de enviar dossiês completos à OMS.

Tedros disse que essa situação “cria exatamente o cenário que a COVAX foi projetada para evitar um mercado caótico, uma resposta descoordenada e uma contínua interrupção social e econômica”.

O chefe da agência afirmou que “a equidade da vacina não é apenas uma obrigação moral, mas sim uma obrigação estratégica e econômica”.

Segundo um estudo recente, a alocação equitativa cria pelo menos US$ 153 bilhões em benefícios econômicos para os 10 maiores países de alta renda. Até 2025, esse valor sobe para US$ 466 bilhões, mais de 12 vezes o custo total do Acelerador ACT.

Esse ano, o tema do Dia Mundial da Saúde, marcado em 7 de abril, é desigualdade em saúde.

Tedros Ghebreyesus pediu que, até essa data, a vacinação tenha começado em todos os países.

Fonte: Nações Unidas – Brasil

(19-01-2021)

Deixe uma resposta