Vannuchi aceitará proposta indecente de Jobim?

1930. As tropas insurgentes de Getúlio Vargas vêm do RS para tentarem tomar a capital federal (Rio de Janeiro). Os efetivos leais ao presidente que elas querem depor, Washington Luiz, esperam-nas na cidade de Itararé, divisa entre SP e PR. Canta-se em prosa e verso aquela que será a mais formidável e sangrenta das batalhas.

Mas, nem um único tiro é disparado: antes, o presidente bate em retirada, entregando o poder a uma junta governativa.

Ironizando, o grande humorista Aparício Torelly escreve que, como nada lhe reservaram no rateio de cargos governamentais entre os vencedores, ele próprio se outorgaria a recompensa:

“O Bergamini pulou em cima da prefeitura do Rio, outro companheiro que nem revolucionário era ficou com os Correios e Telégrafos, outros patriotas menores foram exercer o seu patriotismo a tantos por mês em cargos de mando e desmando… e eu fiquei chupando o dedo. Foi então que resolvi conceder a mim mesmo uma carta de nobreza. Se eu fosse esperar que alguém me reconhecesse o mérito, não arranjava nada. Então passei a Barão de Itararé, em homenagem à batalha que não houve”.

Uma batalha que não houve é o desfecho para o qual, a crermos na Folha de S. Paulo desta 2ª feira (11), os ministros Nelson Jobim (Defesa) e Paulo Vannuchi (Direitos Humanos) estariam encaminhando a divergência sobre se a Comissão Nacional da Verdade investigará apenas as atrocidades cometidas pelos carrascos da ditadura militar ou vai oferecer um contrapeso propagandístico à direita militar, incluindo os atos de resistência praticados pelas vítimas:

“O governo articula uma solução de meio termo para a questão nevrálgica do terceiro Programa Nacional de Direitos Humanos: em vez de acrescentar ao texto do programa a investigação da esquerda armada durante a ditadura militar (1964-1985), como querem as Forças Armadas, seria suprimida a referência à ‘repressão política’ na diretriz 23, que cria a Comissão da Verdade.

“Ou seja, a questão seria resolvida semanticamente, sem especificar a apuração de excessos de nenhum dos dois lados. O texto passaria a prever a apuração da violação aos direitos humanos durante a ditadura, genericamente, sem especificar de quem e de que lado.

“Essa proposta está sendo colocada pelo ministro da Defesa, Nelson Jobim, e poderá ser aceita pelo ministro de Direitos Humanos, Paulo Vannuchi, que aposta numa ‘solução de meio termo’.”

Como não sou humorista nem participo da política oficial, só me resta dizer que transformar tudo numa Batalha de Itararé será uma afronta à dor dos torturados e à memória dos assassinados; e lembrar ao companheiro Vannuchi que ambiguidade e ambivalência não salvarão sua honra.

O que Jobim propõe, em última análise, é uma fórmula que implicitamente repetirá o descalabro da anistia de 1979, colocando no mesmo plano as bestas-feras de um governo golpista e os cidadãos que arriscaram sua vida e sua sanidade física e mental para confrontar uma tirania atroz.

A redação imprecisa não evitará que se produza exatamente aquela situação que, na entrevista publicada no domingo (10), Vannuchi afirmou ser motivo suficiente para ele pedir exoneração do cargo: a transformação do PNDH-3 “num monstrengo político único no planeta, sem respaldo da ONU nem da OEA”.

Torço para que o jornal da ditabranda esteja mentindo mais uma vez e que nem sequer passe pela cabeça de Vannuchi ceder à manobra de Jobim.

Pois a manchete da Folha quase me fez vomitar.

5 comentários sobre “Vannuchi aceitará proposta indecente de Jobim?”

  1. Mas que tirania atroz foi essa? Você estava onde durante o período do governo militar? Em Cuba, URSS, Camboja, Coreia do Norte? Pois nenhum cidadão normal e decente deste País avalia este período desta forma.

    Mauricio

  2. Você quer MESMO saber onde eu estava, Maurício?

    Em abril/1970 eu estava na PE da rua Barão de Mesquita, sede do DOI-Codi/RJ, quase enfartando aos 19 anos de idade, tais as torturas que sofria e das quais a censura impedia que os cidadãos normais e decentes tomassem conhecimento

    Tiveram de me entupir de calmantes e cessar os tormentos durante alguns dias, pois a morte do jovem estudante Chael Charles Schreier no pau-de-arara repercutira pessimamente no mundo inteiro e eles não queriam matar outro jovem estudante (eu tinha 19 anos) logo em seguida.

    E em junho/1970 eu estava na PE da Vila Militar (RJ), tendo meu tímpano estourado para sempre (três cirurgias não adiantaram) pelo cabo Polvorelli, um dos torturadores de uma equipe que mais tarde seria flagrada pelo próprio Exército praticando contrabando.

    O principal oficial dessa unidade crapulosa, o capitão Guimarães, pediu baixa e logo se tornaria um chefão do jogo do bicho e do bingo no RJ; e o cabo Polvorelli é hoje seu guarda-costas.

    É essa escória que você defende, Maurício?

  3. E você, Mauricio, onde estava?

    É lamentável que, sabe-se lá por que, de forma desumana ainda existam brasileiros que,voluntaria ou involuntariamente, queiram varrer para debaixo do tapete toda a podridão do regime militar que agora está vindo à luz.

  4. Celso, conheço sua história, você foi uma das vítimas desta infeliz polarização de parte da sociedade brasileira. O que questiono são as posições generalistas e parciais de parte ressentida da opinião pública com relação ao período. Não acredito que essas abomináveis violências que você exemplificou eram aprovadas pela grande maioria das Forças Armadas. Como deixei claro nas minhas posições, devemos separar o joio do trigo, verificar e expor para todos interessados os excessos ocorridos no período por quem quer que seja e, caso a justiça assim considere, que sejam punidos. É revoltante verificar que havia “militares” desta estirpe, porém não concordo com as colocações exageradas e genéricas que parecem ter o objetivo de manchar as Forças Armadas. Nisto eu não concordo. Entretanto respeito sua história, pois juntamente com as de muitos brasileiros (militares e civis) que viveram este período, nos dá a convicção que devemos nos unir mais para termos um País melhor.

    Mauricio

Deixe uma resposta