Um tempo para falar sobre o Lula

Por Paula Batista, da redação

Um leitor escreveu para a redação da revista elogiando nosso trabalho, mas questionou que nós não escrevemos sobre a “vergonha” do Governo Lula. Aproveito esse momento de trégua para escrever um pouco sobre isso. Sobre o Lula e seu governo. Uma vergonha ou não, pode ser, mas o leitor que tire suas conclusões. As minhas já vêm de longa data.

E começo dizendo: sinto muito, você se deixou ser enganado pelo marketing político. Para não ficar assim, tão triste, vou mudar o modo de dizer isso: o Duda Mendonça fez realmente um bom trabalho! Conseguiu convencer a maioria da população que o Lula era um cara de esquerda. E o Lula ajudou. Buscou referência em presidentes populistas para se “aproximar” do povo. Ele até fala igualzinho – às vezes erra, mas se esforça -, e muito, para tentar manter isso. Para isso, para não deixar a coisa feia para seu governo, ele até tentou implantar algumas políticas públicas, que não foram muito para frente até agora, mas ele tentou. Com isso, com um pequeno avanço – comparando com os governos anteriores – nas políticas públicas, até dá para dizer que ele faz uma tentativa de enquadrar seu modelo de governo na social-democracia. Mas ainda é só uma tentativa.

Com tudo isso ele, até hoje, só conseguiu uma coisa: deixar a classe média cada vez mais irritada. Para quem não tinha nada, nem via uma luz no fim do túnel, se tenta implantar ações paliativas que se possam chamar de políticas públicas e eles ficam satisfeitos. Para quem tem muito, basta seguir o conselho do Maquiavel e não mexer muito nos impostos deles. Porque se isso acontecer, eles ficarão bravos e vão causar incômodos. Se nada de “ruim” acontecer para eles, eles estarão pouco se lixando. Já a classe média… a classe média, o que fazer com eles? Deixá-los irritados, pensa o Lula.

Deixá-los cada vez mais irritados. E o Lula também se esforçou muito para conseguir isso. Deixou a classe média de “castigo” nos aeroportos por 12, 13, 20, 24 horas na tentativa de pegar um avião, durante 10 meses. Eles até reclamaram, choraram para a televisão, tiraram fotos para os jornais, mas não fizeram muita coisa a respeito, além de reclamar um pouco para os veículos de comunicação e ficou por isso mesmo.

Criou o super simples, que muda o enquadre das micro e pequenas empresas e ferrou todo mundo. Quem pagava 14% de imposto, agora com essa super idéia econômica social-democrata ou de esquerda, passa a pagar 23%. Um bom negócio, segundo a gestão social-democrata ou de esquerda, do Lula. Essa moçada também reclamou um pouco. Fizeram até pequenas passeatas locais, mas também ficou por isso mesmo.

Agora, recentemente, vejo a pesquisa de opinião que mediu a popularidade do governo Lula. E os governistas comemoram. Com toda a crise da aviação a popularidade do Lula baixou um “pouquinho”, mas ainda continua alta, segundo eles. Eu morro de curiosidade, a cada pesquisa, em saber quem foi ouvido e a qual classe pertence. Só para poder avaliar de onde vem essa simpatia, que está demorando para acabar, ou melhor, para acordar.

Se a gente abre os olhos e se pergunta, como é que num governo de esquerda, com uma política econômica de esquerda, possibilita que um banco lucre 4 bilhões em apenas seis meses? A gente não sente que está sendo enganado? Se a classe média, que carrega o país nas costas e está sendo amassada, só vê seus impostos subindo, num governo de esquerda, não sente que está sendo enganada? Se a classe média compra um bilhete de avião, para viajar a trabalho, em férias, etc, vê que está há 14 horas em um aeroporto porque a empresa vendeu bilhetes a mais, o que contraria a lei, não se sente enganada? Se ela reclama para os órgão do governo, que diz que “vão estar analisando”, não se sente enganada? Se a classe média, que paga impostos, vê propagandas lindas da área de saúde e precisa ser atendida em um posto de saúde, e descobre que a propaganda não era muito clara, ou era só para os outros postos de saúde, não para aquele que ela está, não se sente enganada?

A classe média agora está se sentindo enganada. O Lula enganou todo mundo com essa história de governo de esquerda, reclamou do FHC, do cara engravatadinho que falava bonito na televisão e que era sociólogo. Agora ele, que tinha barba, falava “como o povo”, não tinha o mesmo estudo que o seu antecessor, ele sim, sabia do que o povo precisava.

Bastou entrar para o poder para o discurso passar a ser o do “eu não sabia”. Ele não sabia da crise da aviação durante dez meses, ele não deve saber que o super simples aumenta a carga tributária das micro e pequenas empresas e que muitas vão fechar (alguém precisa dizer a ele); ele não deve saber, apesar de estar no site de um dos seus ministérios, que mais de seis mil crianças morrem por ano, vítimas de acidentes; ele não deve saber que 80% da população brasileira não tem acesso a medicamentos – quem dirá à saúde – ele não deve saber que as usinas de etanol que ele quer criar – e as que já estão aí – utilizam “mão-de-obra” barata, que são homens nordestinos de 16 a 25 anos, que trabalham durante 8 meses com a cana de açúcar e que ao final desses anos de trabalho (com 25 anos) eles já estão incapacitados para qualquer outra atividade profissional? Ah, ele também não deve saber que esses trabalhadores atuam em condições desumanas, ficam aglomerados e não têm qualquer tipo de auxílio. Queria só ver uma pesquisa de opinião sobre o governo Lula, com todas essas pessoas que estão incluidas nesses assuntos. E olha que esses são só alguns exemplos que o Lula não sabe. Há outros por aqui e por aí.

Mas o Lula não sabe e não quer saber. Não quer saber porque ele abandonou o discurso socialista (esquerda) antes da década de 90. E mesmo assim, ele conseguiu convencer a maioria, que é a classe média, de que ele era de esquerda, mesmo não sendo. E isso por duas vezes, então porque é que precisa saber de algo?

O Lula não precisa saber de nada. Mas nós sim. Então vamos abrir esse espaço com curiosidades sobre o que o Lula sabe ou não sabe. Vamos começar, no próximo post, sobre: “O Lula sabe de quem é a responsabilidade da abertura da pista principal de Congonhas, antes da finalização das obras?” “Afinal, quem autorizou a liberação da pista principal de Congonhas?”. Vamos tentar contar para o Lula, que tem medo de avião, mas que para sua segurança seu avião só voa com os dois reversores funcionando”, o que ele não sabe.

Você pode enviar sugestões de temas, sobre o que o Lula não sabe, para colocarmos aqui, para o email: paula@consciencia.net. A propósito, esse comentário não representa, necessariamente, a opinião da revista. Para maiores informações, reclamações ou concordâncias você pode usar, também, esse email.

Um comentário sobre “Um tempo para falar sobre o Lula”

  1. Boa noite,
    Bom esse seu comentário.
    O Lula não sabe que não se produz conhecimento competitivo sem bibliotecas, laboratórios e ensino de qualidade. Aliás, ele não sabe que restaurante universitári é codição sem a qual o contexto da universidade pública fica impossível. O Lula não sabe que quando as condições se tornam insupotávéis os seres humanos criam saidas. Ele não sabe que ele próprio é um ignorante, não por não ter cursado o colegial universidade, mas por repetir apenas o que a classe dominante sempre quis. Estive com Lula nos palanques. Não me sinto enganado.Éra apenas necessário mostrar o que ele e o grupo dele representa – “O Zé Ninguém” de Reich.
    Mas não será a classe média a maior fornecedora de “Zés e Marias Ninguém”?

Deixe uma resposta