Sociedade civil quer manter Aterro do Flamengo como local da Cúpula dos Povos

Os organizadores da Cúpula dos Povos (15 a 23 de junho) reafirmam em nota pública divulgada nesta quarta-feira (14) o objetivo de manter o Aterro do Flamengo como sede do evento, que será paralelo à Rio+20 e reunirá dez mil pessoas no Rio de Janeiro.

As redes, movimentos e organizações sociais que compõem o Comitê Facilitador da Sociedade Civil para a Rio+20 afirmam que “há oito meses o Comitê negocia com o governo municipal, com o governo federal e com o Comitê Nacional de Organização da Rio+20 (CNO) o espaço de realização da Cúpula: o Aterro do Flamengo, na Zona Sul do Rio de Janeiro”.

Além de aproximar a Cúpula dos Povos da sociedade como um todo, diz a nota, o objetivo é resgatar o Aterro do Flamengo como espaço simbólico, pois há 20 anos foi palco do Fórum Global durante a Rio-92.

Em relação à possibilidade de transferência da Cúpula dos Povos para a Quinta da Boa Vista, na Zona Norte do Rio, o Comitê Facilitador da Sociedade Civil para a Rio+20 afirma que “frente às dificuldades de acomodação na cidade, também vem negociando com o governo e o CNO a montagem de acampamentos e alojamentos alternativos para acolher os representantes dos movimentos socioambientais do Brasil e do mundo que participarão do evento”.

Os organizadores da Cúpula dos Povos, no entanto, reafirmam que suas prioridades são “preservar e valorizar o patrimônio público, bem como garantir a integridade do evento, mantendo acomodações e atividades em áreas próximas, no entorno do Aterro do Flamengo”.

Deixe uma resposta