Sobre mídia e política

0,5 – O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) acaba de rejeitar ação do PSDB contra o Instituto Sensus, que em meados de abril divulgou pesquisa de opinião em que os candidatos Dilma e Serra aparecem tecnicamente empatados. Na ocasião, a mídia da direita aproveitou para desqualificar o instituto. Agora, vamos ver se essa direita é, ao menos, republicana, e dá o mesmo espaço para o contraditório. Trecho da matéria veiculada no sítio do TSE: “Ao rejeitar a aplicação da multa, o ministro salientou que o pedido de correção do nome do contratante da pesquisa foi feito previamente e de forma espontânea pelo instituto Sensus. Ressaltou ainda, que não foi constatado que a alteração tenha trazido qualquer benefício ao instituto ou prejudicado alguém. O relator informa ainda que não houve qualquer impugnação contra a mudança de contratante feita pelo instituto”. Leia a íntegra em http://agencia.tse.gov.br/sadAdmAgencia/noticiaSearch.do?acao=get&id=1300487.
1 – Leio aqui no Fazendo Media diversos protestos populares, que se sucedem no Rio de Janeiro e em Niterói desde a tragédia no Bumba, no Morro dos Prazeres e outras áreas do estado, da incapacidade de o poder público abrir mão de interesses privados e trabalhar para o público (alguns dizem que a culpa é da chuva, talvez os mesmos que não vejam razão para tanto barulho). A passeata de protesto, em Niterói, que levou quase duas mil pessoas às ruas da cidade no dia 15; a resistência dos moradores do morro dos prazeres contra as ameaças de despejo forçado; a manifestação em frente à Prefeitura do Rio, no dia 30. E também o encontro internacional de atingidos pela Vale, que depois de privatizada pelo governo tucano aumentou muito a voracidade – que se traduz basicamente em agressões ao meio-ambiente e no despejo violento de populações de vários países do mundo. Onde as corporações de mídia?
2 – Eleições: Rodrigo Vianna reproduz matéria do sítio Vermelho com análise das bases parlamentares dos candidatos petistas e tucanos, entre 2002 e 2010. O resultado é que os petistas triplicaram o apoio de deputados federais, enquanto os tucanos perderam apoio. Na leitura do Vermelho, o cenário sugere uma inclinação do centro à esquerda. Íntegra em: http://www.rodrigovianna.com.br/outras-palavras/a-correlacao-de-forcas-em-2002-2006-e-2010-base-lulista-triplicou-e-centro-se-inclinou-para-esquerda.
2.1 – José Serra tem se intitulado o “pós-Lula”, como se isso pudesse evidenciar alguma coisa além de sua soberba. Pós-Lula será quem vier depois de Lula. Quem vencer as eleições, qualquer que seja o vencedor. Quando Serra ou seus coordenadores de campanha afirmam que ele é o único “pós-Lula”, estão dizendo que Serra é o único capaz de vencer. A outra conotação possível nesse discurso é a tentativa de evitar o embate direto com o presidente que tem entre 70% e 80% de apoio popular. Serra aposta que o povo não vai ser capaz de associar que Dilma é a candidata de Lula. O tucano acha que com essa postura o eleitor não vai entender que Dilma representa a continuidade do governo Lula. Talvez por isso os órgãos de imprensa do governo paulista, estou me referindo aos jornalões de lá, não deram destaque para o fato de que aumentou em 40% o número de pessoas mortas por policiais no estado. É a polícia de Serra, que não fica só na agressão contra professores.
3 – O jornalista Pedro Pomar, editor da Revista Adusp, publicação da Associação dos Docentes da USP, encabeça a chapa de oposição que disputa a eleição da Fenaj (Federação Nacional dos Jornalistas), que acontece nos dias 27, 28 e 29 de julho. O colunista do Fazendo Media, Mario Augusto Jakobskind, está na chapa. Elaine Tavares, diretora do Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina, concorre à secretaria-geral da entidade. A repórter da Caros Amigos, Lúcia Rodrigues, disputa o departamento de relações internacionais na chapa oposicionista. A situação, no poder há vários mandatos, tem em seus quadros jornalistas que ocupam postos de decisão em corporações de mídia. Leia entrevista com Pedro Pomar em http://carosamigos.terra.com.br/index_site.php?pag=revista&id=&iditens=578.

Um comentário sobre “Sobre mídia e política”

Deixe uma resposta