Simpósio Internacional discute relações médico-científicas entre Brasil e Alemanha

As relações científicas entre os dois países nos séculos 20 e 21 são tema do simpósio ‘Relações médico-científicas entre Brasil e Alemanha: história e perspectivas’, organizado pela Casa de Oswaldo Cruz (COC), o Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde (Icict) e a vice-presidência de Pesquisa e Laboratórios de Referência da Fiocruz, em conjunto com o Bernhard-Nocht Institut für Tropenmedizin. O encontro acontece no auditório do Museu da Vida – Av. Brasil, 4.365, no campus de Manguinhos – entre os dias 23 e 25 de março.

Simpósio Internacional discute relações médico-científicas entre Brasil e Alemanha

O evento encerra o ‘Ano Brasil-Alemanha de cooperação em Ciência, Tecnologia e Inovação’, inaugurado em abril de 2010. Durante o Simpósio, serão inauguradas duas mostras: sobre a participação do Brasil na Exposição de Higiene e Demografia, realizada em Dresden, na Alemanha, há 100 anos, e uma de livros e periódicos científicos alemães, que integram os acervos das bibliotecas da Fiocruz. Os trabalhos apresentados no encontro por profissionais e estudantes das várias áreas do conhecimento devem compor edição temática ou dossiê da revista “História, Ciências, Saúde – Manguinhos”, publicada pela Casa de Oswaldo Cruz, e de livre acesso no portal SciELO.

O Simpósio terá a presença do presidente da Fundação, Paulo Gadelha, do diretor do Instituto de Medicina Tropical Bernhard Nocht de Hamburgo, Rolf Horstmann, Volker Roelcke – diretor do Instituto de História da Medicina da Universidade de Giessen,  dos historiadores Martin Norberto Dreher e René Gertz, da Unisinos e PUC-RS, e Karen Lisboa, da Unifesp, entre outros.

Na avaliação de Magali Romero Sá, pesquisadora titular da Casa de Oswaldo Cruz e organizadora do Simpósio, “a realização do evento é uma grande oportunidade para que sejam trocadas experiências, estreitadas relações e parcerias e explorados futuros rumos e diretrizes para o desenvolvimento de pesquisas em colaboração. O evento configura ainda uma rara oportunidade para os estudantes interagirem com os especialistas nas diferentes áreas de conhecimento abordadas no simpósio”, completou.

O Simpósio Internacional
Destinado a profissionais e estudantes das diversas áreas das ciências humanas, médicas e biológicas, reunirá participantes do Brasil, das Américas e da Europa. O objetivo é analisar diversos aspectos das trocas médicas e científicas entre Alemanha e Brasil no passado, presente e no futuro. O evento é parte das celebrações do ‘Ano Brasil-Alemanha em Ciência, Tecnologia e Inovação’ – lançado em abril de 2010 em São Paulo. Neste período diversas atividades foram promovidas nos dois países, visando soluções sustentáveis e inovadoras.

A ligação de Oswaldo Cruz com a Alemanha e o Instituto de Hamburgo ficou mais estreita a partir do sucesso do XIV Congresso Internacional de Higiene e Demografia, organizado na cidade de Berlim, em setembro de 1907, quando foi conquistada a medalha de ouro pelos relevantes trabalhos realizados na campanha contra a febre amarela e pelas pesquisas desenvolvidas em Manguinhos. Criada por Oswaldo Cruz em 1909, a revista Memórias do Instituto Oswaldo Cruz publica artigos científicos nacionais e estrangeiros na área das ciências biomédicas. Primeiro periódico científico da América Latina, divulgaram os trabalhos de seus cientistas em português e alemão, idioma hegemônico na comunidade científica internacional até a Primeira Guerra Mundial.

Simpósio terá mostras
Exposição de livros e periódicos alemães pertencentes à Biblioteca de Manguinhos depositados na Seção de Obras Raras Assuerus H. Overmeer localizada no Castelo da Fiocruz (Castelo Mourisco). O acervo possui cerca de 70 mil volumes, sendo oito mil livros e 60 mil periódicos dos séculos 17 ao 20. Entre as obras destacam-se Historia Naturalis Brasiliae (1648), de William Piso e George Marggraf, considerado o primeiro tratado sobre história natural brasileira e Flora Brasiliensis (1840-1906), de Karl Friedrich Philipp von Martius, além de coleções de periódicos, abrangendo de um a dois séculos como ‘Flora oder Allgemeine Botanische Zeitung’, desde 1819, e ‘Virchows Archiv für Pathologische Anatomie und Physiologie und Klinische Medizin’, desde 1847.

Histórico – Exposição de Higiene e Demografia (Dresden – 1911)
Grande evento de divulgação científica e propaganda sanitária sobre temas relacionados à higiene, a Primeira Exposição Internacional de Higiene de Dresden ocupou uma área de 320 mil metros quadrados e foi visitada por um público estimado em cinco milhões e meio de pessoas, de maio a outubro de 1911. O Brasil foi o único país americano a construir um pavilhão próprio em Dresden, projetado por Luiz de Moraes, o arquiteto de Manguinhos.

Nesse pavilhão, além do farto material relativo à doença de Chagas, outros também foram expostos, relacionados à luta contra as doenças na capital federal e em cidades distantes do país, aos estudos de protozoologia e entomologia do Instituto Oswaldo Cruz, e à fabricação de produtos biológicos de uso humano e veterinário. O Serviço Sanitário de São Paulo e o Instituto Butantan também expuseram no pavilhão brasileiro, que ainda contava com uma sala de cinema em que se exibiram filmes sobre o Serviço da Febre Amarela e sobre a doença de Chagas.

Sobre a Casa de Oswaldo Cruz
Criada em 1985, a unidade técnico-científica da Fundação Oswaldo Cruz dedicada à preservação da memória da instituição e às atividades de pesquisa, ensino, documentação e divulgação da história da saúde pública e das ciências biomédicas no Brasil. Possui o acervo mais expressivo do país sobre os processos políticos, sociais e culturais da saúde: fotografias, filmes, documentos e peças museológicas, entre outros itens.

Edita a revista História, Ciências, Saúde – Manguinhos, presente em indexadores como Thomson Reuters, Medline e Scielo. Oferece cursos de mestrado e doutorado em história das ciências e da saúde e os cursos de especialização em divulgação da ciência, da tecnologia e da saúde e em preservação e gestão do patrimônio cultural das ciências e da saúde. Também é responsável pelo Museu da Vida, criado em 1999 como um espaço de integração entre ciência, cultura e sociedade, que recebe um público de 200 mil pessoas por ano.

Sobre a Fiocruz
Criada em 25 de maio de 1900, a Fundação Oswaldo Cruz tem como missão promover a saúde e o desenvolvimento social, gerar e difundir conhecimento científico e tecnológico, bem como ser um agente da cidadania. Vinculada ao Ministério da Saúde, a mais destacada instituição de ciência e tecnologia em saúde da América Latina, está localizada no bairro de Manguinhos, na Zona Norte do Rio de Janeiro. Ocupa uma área de 800 mil m², onde estão localizadas nove de suas 15 unidades técnico-científicas, bem como todas as unidades de apoio técnico-administrativas.

Outras seis unidades situam-se nas cidades do Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Salvador, Recife, Manaus e Curitiba.  A Fiocruz também está presente em todo o território brasileiro, seja através do suporte ao Sistema Único de Saúde (SUS), na formulação de estratégias de saúde pública, nas atividades de seus pesquisadores, nas expedições científicas ou no alcance de seus serviços e produtos em saúde.

Serviço do Evento

Simpósio Relações médico-científicas entre Brasil e Alemanha: história e perspectivas’
Data: 23 a 25 de março de 2011.
Local: Auditório do Museu da Vida
Endereço: Av. Brasil, 4365 – Manguinhos

Comunicação Social
Fábio Iglesias – coordenador
Haendel Gomes – assessor de imprensa
E-mail: haendelg@gmail.com
Fones: (21) 3865-2230 / (21) 3865-2243

Deixe uma resposta