Sentido da política

Os governos deveriam agir para garantir a preservação e o pleno desenvolvimento da vida da cidadania. Isto, que pode parecer uma obviedade, necessita ser relembrado. Ou seja, os governos não devem ser o lugar da gestão de interesses particulares, corporativos ou setoriais.

Há de haver na sociedade um espaço em que todas as pessoas tenham iguais direitos e sejam tratadas sem qualquer tipo de discriminação. Uma outra obviedade que precisa ser relembrada.

Nos dias de hoje, o que temos, o que se vê, é um desvio total da função do estado. Grupos contrários aos mais elementares direitos da pessoa vêm usando o lugar da gestão pública para obtenção de benefícios pessoais ou classistas.

Esta desfiguração chega às pessoas como um total menosprezo pela vida. A política passa a ser uma palavra desprezível. Sinônimo de impunidade para todo tipo de delitos. No entanto, pode ser o contrário. Pode ser o exercício do crescimento na diferença.

O estímulo ao convívio enriquecedor de manifestações culturais de diferentes origens. Promover a participação cidadã na política vêm sendo um objetivo proclamado e praticado pelas Nações Unidas, o Papa Francisco, e um sem-número de entidades e movimentos civis.

Não se trata somente da política partidária, mas também das ações cidadãs que promovem os direitos humanos, sociais e laborais. O exercício da atividade educativa e artística, o esporte, as habilidades manuais como o artesanato, criam nas pessoas sentimentos de bem-estar.

Redescobrimos o valor do jogo, da brincadeira, o prazer de criar. Percebemos que a nossa vida tem outros sentidos do que o de meramente produzir ou ganhar dinheiro. A política se refaz desde dentro para fora, desde a pessoa para a comunidade e na comunidade. E daí para a sociedade mais abrangente, para a humanidade.

Deixe uma resposta