Restabelecer a democracia real é preciso!

Na proximidade da data em que foi perpetrado o golpe de estado de 1964, não podemos deixar de dizer algumas palavras, com o intuito de reavivar a memória.

Os países e os povos se recuperam dos golpes, às vezes. É preciso muito trabalho para reconstruir o que foi destruído.

Nem sempre se pode voltar a ter o que se perdeu. Argentina, Chile, Bolívia, Brasil, Uruguai, passaram por ditaduras.

O mais difícil é refazer a confiança das pessoas na democracia, no sistema legal, a obediência as leis, a esperança de um futuro melhor com lugar para todos e todas.

Justamente isto é o que precisamos recordar nestes dias, em que o Brasil mais uma vez está nas mãos da delinquência política de ultradireita.

O Neonazismo. O nome não importa demasiado, e importa, e muito. As palavras esclarecem ou confundem.

Os regimes baseados no ódio, no roubo, na mentira, na discriminação contra maiorias e minorias, na tortura, no sequestro, no desaparecimento de pessoas, podem e devem ser combatidos pelo conjunto da cidadania.

A partir de 2016, este regime veio destruindo todas e cada uma das conquistas sociais e laborais que com muito trabalho tinham sido alcançadas.

A mentira como política de estado, a enganação, a propina, o desprezo pela vida, se instalaram e continuam no poder.

A população paga caro para se alimentar ou passa fome, não têm mais programas de construção de moradias populares, a educação está aos pedaços, a saúde nem se fala.

É o retorno a 1964. A ditadura voltou por debaixo dos panos, e, bem dizendo, na cara de todo mundo.

Temos a possibilidade de restabelecer o regime constitucional quebrado em 2016. Acabar com o roubo institucionalizado e com o desemprego, a fome e a deseducação.

O grande movimento social e nacional encabeçado por Lula e o PT é o caminho. Você é importante! Não deixe de somar. A vida de todos e todas nós está em jogo.

Não se trata apenas de trocar de presidente. É a chance que temos de voltar a ser um país decente, respeitado e respeitador das convenções internacionais de Direitos Humanos e das leis do Trabalho.

Deixe uma resposta