Quando o jornal brinca de novela

Por Rachel Costa, da Revista NOVAE

Tarde de quarta-feira, 15 de outubro, e qual não é minha surpresa quando encontro na TV, ao vivo, por celular, o rapaz que mantém a namorada em cativeiro. Isso, por volta das 15h. Após a primeira entrevista à rede de TV, pipocam outras. A tensão do seqüestro virava circo. Declarações de que estava tudo bem, jornalistas atuando como negociadores, como bom circo, tinha de tudo um pouco.

Ontem, quinta-feira (16), um burburinho se espalhava. Diziam que o rapaz resolvera continuar com a ex-namorada refém até a próxima segunda-feira, 20. Não duvido. Talvez queira falar por telefone nos programas dominicais. Mas confesso que essa entrada da mídia no caso me assusta. Muito. Talvez porque exponha – de modo escancarado – a invasão diária que ela opera, dia a dia, em nossas vidas (…) Leia a matéria completa na NOVAE, clicando no título.

Deixe uma resposta