Quando o que muito representa não quer dizer nada

cunha2
Pobre do povo que se farta com um movimento ilusório, que dificilmente irá mudar o rumo das coisas. Pelo contrário, tende a acelerar a situação degradante que os golpistas querem impor ao país e consolidar o golpe.
Eduardo Cunha, o homem que coordena a Câmara e também o governo interino, hoje, estrategicamente renunciou.
Antes de qualquer coisa, Cunha é a prova cabal de que cassação, coerção e prisão no Brasil são ações facciosas e seletivas.
Voltando a renúncia, sua situação realmente era insustentável: são diversas acusações e uma exposição banalizada para o restante do mundo. Mas, antes de partir, negociou tudo com os que lhe devem a ascensão política: Cunha, impedido pelo STF de ir à Câmara, passou a tratar diretamente com interino, no Palácio do Jaburu. A pauta principal, noticiada pela imprensa, era a sucessão do cargo, que deve ser entregue para algum membro da mesma claque.
Como se sabe, Cunha foi posto no cargo, apoiado também pelo PSDB, justamente para engessar o governo Dilma e tocar o golpe.
Saindo, passa-se a impressão de que se faz justiça. Longe disso. Cunha já era para estar na degola faz tempo e só não está porque grande parte da classe política tem rabo preso com ele.
Como medida cautelar, promove-se a renúncia. Uma estratégia maliciosa para que o golpe e seus objetivos se consolidem: Temer ganha uma mentirosa credibilidade, facilitando o trabalho da grande imprensa, que não terá o embuste de Cunha alinhado ao governo e a Câmara poderá tocar as tenebrosas pautas que interessam a 1% da população.
Para que não mele o nefasto trajeto do interino e dos entreguistas, é preciso que a futura situação de Cunha seja pacificada e morra em pouco tempo. Normalmente, é o preço dos ignóbeis acordos: o mais inescrupuloso mete a mão na massa, enquanto os demais dão guarita e proteção.
Vamos juntar o choro de crocodilo de Cunha ao “I protest” de FHC: é o Brasil que ninguém aguenta mais, mas que persiste em comandar, mesmo que de longe.
Foto(*): agenciabrasil.ebc.com.br

Deixe uma resposta