Por que o Brasil passa fome? Eventos discutem reforma agrária e soberania alimentar

A 8º Jornada Universitária em Defesa da Reforma Agrária (JURA) e o 11º Abril Vermelho serão realizados virtualmente entre os dias 19 de abril e 5 de maio.

Os eventos, que acontecem de forma unificada, têm como objetivo debater temas relacionados à reforma agrária, como soberania alimentar, luta pela terra, agrotóxicos, meio ambiente e direitos humanos. A programação do Abril Vermelho também inclui a realização de ações concomitantes em diversos estados.

O tema da 8ª JURA e do 11º Abril Vermelho é um questionamento: “Por que o Brasil passa fome?”, escolhido em decorrência da piora da desigualdade social e da insegurança alimentar no Brasil.

Um levantamento divulgado pelo Food for Justice – Power, Politics and Food Inequality in a Bieconomy, da Universidade Livre de Berlim, em parceria com pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e da Universidade de Brasília (UnB), mostrou que 13,6% dos brasileiros com mais de 18 anos passaram ao menos um dia sem refeição, entre os meses de agosto e outubro de 2020.

A pesquisa, realizada com 2 mil pessoas entre novembro e dezembro de 2020, mostrou que a insegurança alimentar chegou a 59,4% dos domicílios brasileiros.

A programação terá oito espaços organizados por coletivos e movimentos sociais de todo o estado de São Paulo: o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST), o Levante Popular da Juventude, o Núcleo de Agroecologia Apetê Caapuã (NAAC), o DCE Livre UFSCar, o DCE Livre da USP, o Centro Acadêmico Luiz de Queiroz (CALQ), o Centro Acadêmico Armando de Salles Oliveira (CAASO), a Frente em Defesa da Democracia Luiz Hirata, o Serviço de Atendimento Jurídico Universitário (SAJU) e a Secretaria Acadêmica Pró-Ambiental (SAPA).

Entre os convidados do evento estão João Paulo (dirigente nacional do MST), Júlia Aguiar (diretora de Universidades Públicas da UNE), Islândia Bezerra da Costa (da Associação Brasileira de Agroecologia), Paulo Petersen (da Articulação Nacional de Agroecologia), Larissa Bombardi (autora do livro “Atlas Geográfico do Uso de Agrotóxicos no Brasil e Conexões com a União Europeia”), Carla Bueno (militante do MST e coordenadora do projeto Plantando Árvores, Colhendo Alimentos Saudáveis) e Leila Denise (da coordenação nacional do Movimento dos Pequenos Agricultores).

A inscrição do evento é gratuita e pode ser feita através deste formulário. Ao final, haverá emissão de certificados. Os espaços vão contar com intérprete de Libras.

Veja a programação completa:

Transmissão online 19/04 – 19h: Por que o Brasil passa fome? O campo e a cidade na luta pela vida.

Transmissão online 22/04 – 19h: Está tudo muito caro: a política de preços e soberania alimentar.

Oficina no Zoom 24/04 – 15h: Cuidar de plantas, cuidar de gente: como fazer sua horta em casa.

Transmissão online 27/04 – 19h: Se o campo não planta a cidade não janta: agroecologia como ferramenta política.

Debate no Zoom 28/04 – 19h: Estudantes em luta por direitos: Educação e a questão agrária.

Transmissão online 29/04 – 16h: Aula Aberta: Histórico da Associação Brasileira de Reforma Agrária (ABRA).

Transmissão online 30/05 – 19h30: Abril Vermelho: 11 anos de defesa da Reforma Agrária.

Debate no Zoom 05/05 – 19h: A luta continua: saídas populares para a democratização da terra

Edição: Poliana Dallabrida

Fonte: Brasil de Fato

Deixe uma resposta