Operários da construção pesada da Bahia vão às ruas em campanha salarial

Após concentração no Campo da Pólvora (Fórum Ruy Barbosa ao fundo), os trabalhadores iniciam marcha rumo à Praça da Piedade (Fotos: Jadson Oliveira)

Levando às ruas cerca de três a quatro mil pessoas (segundo estimativas da polícia e dos organizadores), o Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil Pesada da Bahia, como é conhecido o Sintepav (filiado à Força Sindical), lançou na sexta-feira, dia 20, em Salvador, sua campanha salarial deste ano, cuja data-base é em março. A falta ao canteiro de obras na sexta não foi considerada greve ou paralisação, e sim anunciada pela direção sindical como abonada pelos patrões. Eles reivindicam reajuste de 20% (percentual baseado em índices de inflação e de crescimento do setor), cesta básica de R$ 300,00, jornada de trabalho de 40 horas semanais, plano de saúde e mais segurança no trabalho (outros itens abaixo).
A manifestação dos operários, realizada pela manhã, começou com uma concentração no Campo da Pólvora, junto ao Fórum Ruy Barbosa, antiga sede do Tribunal de Justiça e onde funciona a maior parte das repartições do Judiciário. Depois de vários pronunciamentos, o presidente do sindicato, Adalberto Galvão, o Bebeto, entregou um documento com as reivindicações da categoria a representantes do sindicato patronal. Em seguida, eles marcharam pela Avenida Joana Angélica, rumo à Praça da Piedade, na área mais central da capital baiana (esta movimentação está registrada em três vídeos, postados logo abaixo).
Da Praça da Piedade os manifestantes fizeram um pequeno giro pela área circunvizinha, incluindo um trecho da Avenida Sete de Setembro (a artéria principal do centro da cidade), onde fizeram uma parada e discursos em frente à Superintendência do Trabalho e Emprego, órgão do Ministério do Trabalho e Emprego. De volta à Piedade, eles encerraram o ato com uma oração e o Pai Nosso. Em todo o percurso a polícia atuou para controlar o trânsito, mas em muitos trechos, inclusive na Avenida Sete, os carros ficaram impedidos de circular, embora sem qualquer incidente.
A marcha embaixo do viaduto da Escola Nossa Senhora das Mercês. Foto: Jadson Oliveira.

Os trabalhadores mostraram poder de mobilização e grande disposição ao gritar seus variados bordões, a exemplo de “Olê, olê, olá, se não der o do peão a Bahia vai parar” ou “ Eu sou baiano, eu sou guerreiro do povo brasileiro”. No entanto, o discurso predominante dos dirigentes sindicais, como o próprio Bebeto e a presidente da Força Sindical na Bahia, Nair Goulart, indica confiança nos resultados da negociação com os patrões. O argumento básico é que o setor de construção passa por uma boa conjuntura e os trabalhadores têm todo o direito de compartilhar dos êxitos econômicos, através de melhores salários e melhores condições de trabalho.
A direção sindical diz que a média do rendimento dos operários da construção pesada na Bahia está ao redor de R$ 1.000,00, considerada baixa, levando em conta a pujança do setor. Veja que não é qualquer construção civil, trata-se no caso do Sintepav da chamada “construção pesada”: é o pessoal que trabalha na Arena Fonte Nova (reconstrução do estádio de futebol de Salvador para a Copa de 2014), na Ferrovia Oeste-Leste, metrô, parques eólicos, Via Expressa, Via Bahia, Polo Naval e em outras rodovias, pontes e viadutos. (O nome oficial do Sintepav é Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção de Estradas, Pavimentação, Obras de Terraplanagens e Montagem Industrial do Estado da Bahia).
Nivaldo Querino, diretor secretário de Relações Institucionais. Foto: Jadson Oliveira.

A base da entidade abrange mais de 30 mil trabalhadores, segundo informação de Nivaldo Querino, diretor secretário de Relações Institucionais. O boletim oficial do sindicato informa que na Bahia atuam mais de 300 empresas em 301 obras, com “investimentos globais de aproximadamente R$ 20 bilhões”.
O ato de lançamento da campanha foi prestigiado por uma representação do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo, também filiado à Força Sindical. Estiveram presentes em momentos da manifestação o deputado federal Nelson Pellegrino, pré-candidato a prefeito de Salvador pelo PT e a senadora Lídice da Mata (PSB-BA).
Principais reivindicações:
• Reajuste de 20%;
• 40 horas semanais;
• Saúde e segurança do trabalho;
• Pisos salariais unificados nacionalmente;
• Horas extras de segunda a sexta a 80%, sábado a 100%, domingos e feriados a 120%;
• Plano de saúde para empregados e dependentes;
• Cesta básica R$ 300,00;
• PLR (participação nos lucros e resultados) 660 horas anuais;
• Ajuste da tabela salarial de funções;
• OLT – Organização nos locais de trabalho.
(*) Jadson Oliveira é jornalista baiano e vive viajando pelo Brasil, América Latina e Caribe. Atualmente está em Salvador. Mantém o blog Evidentemente (blogdejadson.blogspot.com).

Deixe uma resposta