ONU desmente presença de combatentes em escola atacada por Israel em Gaza

Na foto (AP), criança bombardeada por Israel em escola da ONU é levada para hospital próximoDa Folha Online. Na foto (AP), criança bombardeada por Israel em escola da ONU é levada para hospital próximo.

Nesta quarta-feira, a ONU (Organização das Nações Unidas) desmentiu a afirmação do governo israelense de que havia combatentes palestinos do grupo radical islâmico Hamas na escola da faixa de Gaza administrada por uma de suas agências humanitárias que foi alvo de um ataque de tanques nesta terça-feira (6). No ataque, mais de 40 morreram.

“Depois de uma investigação preliminar, temos 99,9% de certeza que não existiam ativistas nem atividades militares na escola”, afirmou Chris Gunness, porta-voz da Agência das Nações Unidas para a Ajuda aos Refugiados Palestinos (UNRWA). Leia mais clicando aqui.

Nesta quarta-feira, Israel interrompe por três horas, até às 16h (12h, no horário de Brasília), os bombardeios contra alvos do Hamas na faixa de Gaza. A grande ofensiva militar israelense, iniciada no último dia 27, já deixou mais de 600 mortos e cerca de 2.500 feridos.

A possibilidade de uma trégua continua distante com a recusa de Israel em aceitar a proposta internacional por um cessar-fogo e a declaração do líder do Hamas, Moussa Abou Marzouk, de que o grupo rejeita uma trégua permanente com Tel Aviv.

O ataque israelense contra a escola foi um dos mais polêmicos desde o início da grande ofensiva militar contra alvos do Hamas na região. Segundo Israel, combatentes palestinos haviam se posicionado no local para disparar morteiros contra suas tropas. A ONU afirma que a escola estava sendo usada para abrigar civis refugiados dos confrontos entre Israel e Hamas.

“Pedimos uma investigação independente. Se as leis da guerra foram violadas, os culpados terão que comparecer à Justiça”, acrescentou.

Segundo fontes médicas palestinas, 43 pessoas morreram e mais de cem ficaram feridas no ataque. A ONU afirma que 30 civis morreram e 55 ficaram feridos.

Duas outras escolas haviam sido atacadas na noite de segunda-feira na cidade de Gaza em bombardeios que deixaram ao menos cinco palestinos mortos. Leia mais clicando no título.

Palestina que perdeu 10 familiares no bombardeio de Israel à escola da ONU em Jabalya, na última terça-feira, chora durante funeral (Hatem Moussa/AP Photo). Clique na imagem acima para ver outras imagens.

Deixe uma resposta