OMS prevê aumento de casos da COVID-19 com suspensão de medidas de restrição

O chefe da Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou na segunda-feira (29) que alguns países que lutam contra a pandemia de COVID-19 e estão adotando uma “abordagem fragmentada” para suprimir o vírus mortal “enfrentam um caminho longo e difícil pela frente”.
Tedros Adhanom Ghebreyesus disse em coletiva de imprensa na sede da OMS em Genebra, que “são esperados surtos quando os países começarem a levantar restrições”.
Mas ele observou que os países com “sistemas implementados para aplicar uma abordagem abrangente, devem poder conter essas crises localmente e evitar reintroduzir restrições generalizadas”.

‘Nunca é tarde’

No entanto, continuou ele, “estamos preocupados com o fato de que alguns países não usaram todas as ferramentas à sua disposição e adotaram uma abordagem fragmentada. Esses países enfrentam um caminho longo e difícil pela frente”.
“Mas uma das lições da pandemia é que, independentemente da situação em que um país esteja, ela pode ser revertida”, acrescentou, injetando uma nota de otimismo a países como os Estados Unidos, que viram casos aumentarem acentuadamente no Texas, na Flórida e no Arizona nos últimos dias. “Nunca é tarde.”

Mais de 500 mil mortes

Mais de 10,3 milhões de casos de COVID-19 já foram relatados à OMS e mais de 506 mil mortes. Na semana passada, o número de novos casos diários ultrapassou 160 mil, disse o chefe da OMS, acrescentando a perspectiva assustadora de que 60% de todos os casos até agora no mundo foram relatados apenas no mês passado.
“Nunca nos cansaremos de dizer que a melhor maneira de sair dessa pandemia é adotar uma abordagem abrangente”, acrescentou Tedros.
“Encontre, isole, teste e cuide de todos os casos, rastreie e coloque em quarentena todos os contatos, dê equipamentos e treinamento aos profissionais de saúde e eduque e capacite as comunidades a se protegerem.”
“Não é apenas testar. Não é apenas promover o distanciamento físico. Não é apenas rastrear os contatos. Não é apenas usar máscaras. É (necessário) fazer tudo isso.”
Em março, Itália e Espanha foram o epicentro da pandemia, mas ambos os países “controlaram suas epidemias com uma combinação de liderança, humildade, participação ativa de todos os membros da sociedade e implementação de uma abordagem abrangente”, disse Tedros.
“A maneira mais rápida de sair dessa pandemia é seguir a ciência e fazer o que sabemos que funciona: a abordagem abrangente.”
Fonte: Nações Unidas – Brasil
(03-07-2020)

Deixe uma resposta