Olhar crítico sobre o 1º turno das eleições

Olhar crítico sobre o 1º turno das eleições. Por Frei Gilvander Moreira[1]

Partindo dos dados: a apuração do 1º turno das eleições no Brasil dia 2 de outubro (de 2022) revelou que Lula obteve 48,43% dos votos válidos (57.257.473 milhões de votos), 5,23% a mais que Bolsonaro com 43,2% (51.071.106 milhões de votos). Para Lula ser eleito presidente no 1º turno faltou 1,57% + 1 dos votos válidos. Simone Tebet obteve 4,16% e Ciro Gomes, 3,04%. Houve 20% de abstenção. Lula foi o mais votado em 14 estados e Bolsonaro, em 13 estados. Os eleitos para a Câmara Federal e para o Senado indicam que a partir de 1º de janeiro de 2023 teremos um Congresso Nacional mais à direita, defensor do grande capital. Mas, o PT também cresceu, juntamente com seus aliados. A federação PT-PCdoB-PV elegeu 80 deputados/as (PT com 68, PCdoB com 6  e PV com 6) e o PSOL elegeu 14 deputados federais. Elegeram-se índios, negros, LGBTQIA+, Sem Terra, Sem Teto, um significativo número candidatos comprometidos com as lutas por justiça social, agrária, urbana, ambiental e com a superação das discriminações. Entretanto, O 2º turno será dia 30 de outubro e será disputa acirrada, provavelmente.

Analisar sob todos os aspectos e não recair em análises simplistas ou dualistas é necessário e fazer autocrítica sempre é imprescindível. O resultado do 1º turno demonstra que as fake news – “notícias” mentirosas – continuam causando um estrago brutal no meio do povo, muitas vezes através de tubulação religiosa que carrega ideologia dominante em currais políticos religiosos, onde, em nome de Deus, da Pátria e da Família, há uma indústria produzindo pessoas reacionárias, moralistas, hipócritas, desumanas, preconceituosas. Muita gente continua sendo seduzida por mensagens absurdas, tais como a que alega que “Lula vai fechar igrejas.” Como, se Lula e a Dilma em 13 anos de governo não fecharam nenhuma igreja? Foi Lula que criou a Lei do Dia Nacional da Marcha para Jesus (Lei 12.025). Lula é católico, cristão que tem sensibilidade humana e social.

Diante de problemas complexos, muita gente assume posturas moralistas e fundamentalistas, que as levam a posturas dogmáticas, tais como, “defendo a família e pronto”, “Sou cristã” e “Deus acima de tudo e Família acima de todos”. Triste engano pensar que para defender a família basta dizer “defendo a família”. Apoiar um candidato que fala de forma abstrata ser defensor da família ao mesmo tempo que implementa políticas de morte diariamente significa destruir as famílias no atacado. Ao apoiar de forma irrestrita o agronegócio liberando um exagero de agrotóxicos, que está sendo a causa principal da epidemia de câncer que ceifa a vida de 250 mil pessoas por ano no Brasil, se mata no atacado de muitas formas. Ao restringir a fiscalização do IBAMA[2] e das outras instituições de fiscalização, abre espaço e incentiva a ação criminosa de garimpeiros em territórios indígenas e o desmatamento desenfreado da Amazônia e de outros biomas que só cresce. Com isso secam-se os rios aéreos, que são responsáveis para garantir o regime de chuvas no Sudeste, Centro-Oeste e Sul do Brasil. Na última safra já foi constatado um enorme prejuízo por falta de chuvas no tempo certo. Pisoteia na dignidade humana e mata-se no atacado, ao realizar políticas públicas que impõem a fome a 33 milhões de pessoas. Ao assinar 34 decretos que reforçam o armamentismo na sociedade, ceifa-se a vida de milhares de pessoas porque a violência, o feminicídio e a morte por armas crescem. O atraso em seis meses na compra da vacina da COVID-19 levou à morte quase 700 mil pessoas, sendo que cerca de 400 mil pessoas poderiam estar vivas, se tivessem se vacinado em tempo hábil. Então, é preciso avaliar as pessoas com poder político não apenas pelo que elas dizem, mas principalmente pelo que elas fazem. Ou seja, o tipo de política que elas implementam gera vida ou morte?

Não basta a gente constatar os problemas, é preciso buscar as causas que estão gerando os problemas. O resultado do 1º turno das eleições demonstra que parte do povo está como ovelhas sem pastores/as. Muita gente está sendo seduzida por mentiras repassadas por falsos pastores, falsos padres, enfim, líderes religiosos fundamentalistas, porque a Igreja Católica e outras igrejas abandonaram a Opção pelos Pobres, ao contrário do “bom samaritano” (Lc 10,25-37), se distanciaram dos pobres, e temos hoje mais de 90% das comunidades periféricas sendo “atendidas” apenas por igrejas (neo)pentecostais, que apenas propõem consolo e autoajuda e via de regra alimentam posturas moralistas, fundamentalistas e criminalizadoras das políticas sociais. Só com trabalho de base, no corpo-a-corpo, estabelecendo relações de amizade, de amor, de solidariedade e de compromisso com os pobres, nas suas necessidades e causas, poderemos orientar os rebanhos prisioneiros hoje por líderes religiosos hipócritas, verdadeiras matilhas de lobos travestidos de bons samaritanos.

A historiadora Alenice Baeta alerta e nos interpela: “O fascismo é uma das faces mais violenta, triste e crítica do capitalismo em crise, regado pela fome, morte, guerras, desinformação e insensatez em sua forma mais vil. Cem anos após o início da primeira onda fascista no mundo europeu, que o devastou, o que aprendemos mesmo? Simplesmente a abrir os livros de história e ver as antigas fotos, fatos e catástrofes humanas brutais. Precisamos encarar a realidade. O fascismo com uma nova roupagem saiu de nossos livros e do nosso imaginário como algo do passado e avança sobre nós agora com novo formato, usando as novas tecnologias que impõem tsunamis de fake news na veia das pessoas e a tal pós-modernidade a seu favor, iludindo e confundindo novamente milhões de homens e mulheres em várias partes do mundo. A nossa geração precisa entender de verdade o que isso significa e suas consequências gravíssimas para a humanidade, em especial para o povo trabalhador, superexplorado e violentado, vítima da própria manipulação que sofre da elite que quer tê-lo como massa de manobra e subserviente como “gado”. Isto explica o número de votos em candidatos fascistas, que representam a elite mais tosca que impõe necropolítica, que quer manter os seus privilégios e o controle das riquezas e dos bens naturais do planeta, ainda que o façam o destruindo dia após dia, até o fim dos tempos.”

Com o slogan “Deus, Pátria e Família”, o fascismo se espalhou na Europa com Mussolini, Hitler e Franco, sendo estes eleitos pelo povo cegado. Aprendamos com a história do fascismo que nos diz que muitos ditadores e tiranos foram eleitos usando e abusando do nome de Deus e acenando de forma hipócrita para as pessoas religiosas. No nazifascismo europeu milhões de pessoas foram assassinadas – mais de 6  milhões de judeus, ciganos, camponeses, homossexuais etc., – em nome de “raça pura”, pensamento único, uniformização da sociedade a partir dos que estão no poder tiranizando a maioria do povo e tecendo relações sociais escravocratas. Fascismo é ovo de serpente e não deve ser chocado.

Fica evidente mais uma vez que apostar as principais energias em política institucional e em eleições e arrefecer o compromisso com as lutas concretas por direitos da classe trabalhadora e camponesa superexplorada é um erro político gravíssimo. Sem lutas concretas por direitos e cada vez mais massivas não conseguiremos jamais superar a onda de extrema-direita que está varrendo muitos países mundo afora. Só defendemos na prática e de forma efetiva a vida se criarmos as condições objetivas que viabilizem o respeito à dignidade da pessoa humana e de toda a biodiversidade.

Quem foi eleito na onda moralista e fundamentalista subiu “vertiginosamente”, mas pode cair de repente e/ou revelar sua insignificância política, como o palhaço Tiririca, que sendo exímio humorista, na Câmara Federal não conseguiu ser um político com alguma importância, pois estava fora da sua praia. Como balão de ar, muitos eleitos pela sedução de mentiras das redes virtuais não têm consistência, pois estão recheados de contradições que podem irromper de forma inesperada também a qualquer momento. Quem foi eleito buscando adquirir foro privilegiado porque está temendo ter que responder nas raias da Justiça pelos inúmeros crimes que cometeu terá sempre telhado de vidro e pode cair a qualquer momento.

Houve uma avalanche de fake news disseminada para milhões de pessoas. Cadê o STF[3] e o TSE[4] para coibirem isso de forma preventiva? E o abuso da máquina pública e do orçamento secreto que irrigou gigantes currais eleitorais?

Se o inominável vencer no 2º turno, ele poderá indicar mais dois ministros para o STF e com o Senado mais conservador à direita os nomes indicados serão confirmados. E poderá inclusive fazer “impeachment” de ministros do STF. Assim teremos os três poderes na prática unificados. Eis o caminho para a tirania e para morte final da democracia. Neste cenário, quem vai perder muito? O povo e toda a comunidade de vida, porque a Amazônia continuará sendo devastada e a violência social alimentada por políticas de superexploração do povo.

Entretanto, como dizia Carlos Drummond de Andrade, em 1968, nos anos de chumbo, no poema Quando: “… Então é hora de recomeçar tudo outra vez, sem ilusão e sem pressa, mas com a teimosia do inseto que busca um caminho no terremoto”, com a convicção de que “quem cultiva a semente do amor segue em frente e não se apavora”, como nos lembra a canção “Tá escrito”, feliz inspiração de Alexandre Assis, Carlos Rodrigues e Gilson Bernini. Sigamos firmes e irmanados/as na luta pela democracia, o que passa necessariamente pela eleição de Lula como presidente do Brasil. Sigamos com fé no Deus da vida e pés no chão! Sem tempo para melancolia de esquerda, como dizia Walter Benjamin – “isso é luxo para existencialista europeu.” Vamos para a luta até depois da vitória!

04/10/2022.

Obs.: As videorreportagens nos links, abaixo, versam sobre o assunto tratado, acima.

1 – Ato Interreligioso em BH/MG em defesa da democracia, da vida, pela paz e contra golpistas/opressores

2 – Carta da Democracia e as Eleições no Brasil, com o advogado Antonio Carlos Kakay

3 – A Democracia funciona quando existe respeito aos direitos humanos. Por frei Gilvander – 12/4/2021

4 – Vote pela democracia, pela justiça, paz e pela vida! Por frei Gilvander – 1ª Parte – 11/11/2020

5 – Luta contra mineração no 27º Grito dos Excluídos, em Itabira, MG, no Palavra Ética na TVC-BH

6 – 27º Grito dos Excluídos, de Itabira, MG, no Palavra Ética da TVC-BH: Fora, Bolsonaro! 07/09/2021

7 – Fernando Francisco de Gois, outro Cristo/Servo de Deus no meio dos excluídos, em São Félix/MT agora

8 – 5ª Romaria das Águas e da Terra da bacia d rio Doce, Conceição do Mato Dentro/MG. Com Frei Gilvander

9 – Milhares no 28º Grito dos Excluídos em BH/MG: “Fora, Bolsonaro! Lula, Lá! Resgate de direitos, já!”

 

[1] Padre da Ordem dos Carmelitas; doutor em Educação pela Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais (FAE/UFMG); licenciado e bacharel em Filosofia pela Universidade Federal do Paraná (UFPR); bacharel em Teologia pelo Instituto Teológico São Paulo (ITESP; mestre em Exegese Bíblica pelo Pontifício Instituto Bíblico, em Roma, Itália; agente e assessor da Comissão Pastoral da Terra/MG (CPT), assessor do Centro Ecumênico de Estudos Bíblicos (CEBI) e das Ocupações Urbanas; prof. de Teologia bíblica no Serviço de Animação Bíblica (SAB), em Belo Horizonte, MG; colunista de vários sites; e-mail: gilvanderlm@gmail.com  – www.gilvander.org.br  – www.freigilvander.blogspot.com.br       –       www.twitter.com/gilvanderluis         – Facebook: Gilvander Moreira III

 

[2] Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais.

[3] Supremo Tribunal Federal.

[4] Tribunal Superior Eleitoral.

Deixe uma resposta