O “jeito” dos militares

João Paulo Gondim, do jornal Fazendo Media

Assim como Frank Sinatra cantou em My Way, o convite para a missa de 7º dia do general Adyr Fiúza de Castro, celebrada em 4 de novembro, na Santa Cruz dos Militares, no Centro do Rio, dizia que o militar havia feito as coisas “do seu jeito”.

Resta saber que jeito foi esse.

Criador do Centro de Inteligência do Exército (CIE) e comandante do Codi e da Polícia Militar do Rio de Janeiro nos anos 70, Fiúza de Castro, leal companheiro de Sylvio Frota – o ministro das mortes de Vladimir Herzog e Manoel Fiel Filho -, em entrevista publicada ao jornal O Estado de S.Paulo em 31 de maio de 1996, opinou sobre a tortura. “Para obter informações, acho válida. Os hipócritas dizem que não, mas todo mundo usa”.

Deixe uma resposta