O estranho incêndio do Hospital Universitário da UERJ

O estranho incêndio do Hospital Universitário da UERJA imprensa televisiva continua achando que seus telespectadores são idiotas mimados que não sabem discernir entre realidade e fantasia. O incêndio no Hospital Universitário da UERJ, o HUPE, seguiu pontualmente — e grosseiramente — o ritual de manipulação comum em grandes telejornais:

01. Imagens fortes de fogo, rostos do desespero etc etc etc. Uma continuação do que se vê nos filmes de ação das emissoras. Momentos de ação, comuns em qualquer incêndio. Agora vamos tentar achar conteúdo.

02. Possíveis motivos para o início do incêndio: Não se sabe, se você busca pela mídia. Ninguém nem quis questionar. Chama-se “Jornalismo de quinta categoria” o nome disso. “Péssimas condições” era uma explicação apressada, porém aceita até mesmo — infelizmente — pela infeliz nota da Associação de Docentes. Ninguém quis saber de ouvir bombeiros, pessoas no local. Ninguém. Por que um incêndio teria começado 5h da manhã no almoxarifado, um local novo? Fiação elétrica? Ninguém quis perguntar. As imagens eram boas demais e já valiam o troquinho do dia.

03. A grande manchete era de que uma senhora morreu. Pessoas morrem todos os dias nos hospitais, pelos mais diversos motivos. A mídia se importa? Não. Os profissionais de saúde reclamam diariamente sobre as condições de trabalho — faltam materiais, é certo, pois falta investimento. E falta investimento porque falta vontade política para valorizar a saúde. A mídia segue este assunto? Não. Correu atrás das imagens para celebrar as chamas de mais um hospital público — faz bem pro bolso, entre um comercial de um plano de saúde e outro de uma seguradora privada.

04. O Professor Rodolfo Acatauassú Nunes, diretor do Hospital Pedro Ernesto, foi completamente ignorado. Ele observou que nos últimos quatro anos foram investidos R$ 50 milhões em obras e na aquisição de equipamentos para a unidade — o que é verdade. Ainda falta, e muito — e esses depoimentos poderiam ser coletados diariamente com os médicos e demais profissionais de saúde. A mídia o faz? Não. E viva nosso troquinho dos reclames.

05. A UERJ está em disputa com o HUPE — poucos sabem — desde que Rodolfo assumiu a Direção. O que ocorre é que o Reitor Ricardo Vieralves é um dos piores que a Universidade já teve em toda a sua história, enquanto Rodolfo Acatauassú é um dos Diretores mais honestos que o HUPE já conheceu – independentemente de suas posições políticas.

No início de 2010, o Reitor Vieralves defendeu a autonomia completa do HUPE — tanto os profissionais do Hospital quanto a sociedade civil era contra (saiba detalhes em http://bit.ly/LQa6ha ). A disputa persiste – a visão de políticos contra a visão de especialistas, como sempre.

06. Muitos médicos do HUPE confirmam que o Professor Rodolfo Acatauassú moralizou a gestão do Hospital, que não enfrenta denúncias de corrupção em sua gestão — o mesmo não se pode falar de repetidos incêndios suspeitos e que ficaram sem esclarecimento, esses sim sucessivos.

07. O sofrimento das pessoas hoje é o sofrimento de médicos, funcionários, residentes e pacientes que, há anos, contam apenas com sua força de vontade, tentando tirar água de pedra a partir de recursos ínfimos oriundos do Governo do Estado e da Reitoria da UERJ, que são os verdadeiros responsáveis pela situação.

08. Fica, afinal, a sugestão de averiguar os reais motivos do incêndio, antes de fazer qualquer avaliação apressada — visto que até agora os laudos não apontam falha no sistema elétrico ou coisa do tipo.

A questão perturbadora que fica no ar: O almoxarifado estava em um prédio novo, com todos os critérios de segurança contra incêndios — aprovados pela Vigilância Sanitária e pelo Corpo de Bombeiros. Como foi possível, então, que isto acontecesse? Ninguém quis saber.

2 comentários sobre “O estranho incêndio do Hospital Universitário da UERJ”

  1. Foi dito por todos os jornais que não havia aprovação nenhuma do Corpo de Bombeiros no prédio, não havia inspeção por parte dos bombeiros há mais de dez anos. Quem é que está com preguiça de apurar? é vc ou é a mídia?

  2. Oi Felipe. A minha apuração tem como resultado o texto acima, que levantou suspeitas sobre o caso. E a sua? A mídia, né, que repetiu a versão oficial? Entendi…

Deixe uma resposta