Mensagem do Papa Francisco, por ocasião do “Angelus”, dia 15/03/2015

papaCaros irmãos e irmãs, bom dia!

O Evangelho de hoje nos traz de volta as palavras de Jesus dirigidas a Nicodemos: “De fato, Deus amou tanto o mundo, a ponto de lhe dar Seu Filho unigênito.” Escutando essas palavras, voltemos o olhar do nosso coração para Jesus crucificado, e sintamos dentro de nós que Jesus nos ama, nos ama de verdade, nos ama tanto assim. Eis a simples expressão que resume todo o Evangelho, toda a Fé, toda a teologia: Deus nos ama com amor gratuito e sem limite. É assim que Deus nos ama. E esse amor Deus mostra, antes de tudo, na criação, como o proclama a Liturgia na Oração Eucarística IV: “Deste origem ao universo, para infundir o Teu amor sobre todas as Tuas criaturas, e alegrá-las com o esplendor de Tua Luz. Na origem do universo, existe apenas o Amor livre e gratuito do Pai.

Santo Irineu, um santo dos primeiros séculos, escreveu: “Deus não criou Adão porque tivesse necessidade do homem, mas para ter alguém a quem pudesse dar Seus benefícios.” É assim, o amor de Deus é assim! Assim prossegue a Oração Eucarística IV: “E quando pela sua desobediência, o homem perdeu a Tua amizade, Tu não o abandonaste ao poder da morte, mas com a Tua misericórdia, de todos vieste ao encontro.” “Vieste com a Tua misericórdia.”

Como na Criação, também nas etapas sucessivas da história da Salvação, destaca-se a gratuidade do Amor de Deus. Deus escolhe o Seu povo, não porque este o mereça. Ele diz assim: “Eu te escolhi justo por seres o menor entre todos os povos.” E quando veio a plenitude dos tempos, não obstante haver o homem mais vezes quebrado a Aliança,Deus, em vez de abandoná-lo, com ele celebrou um vínculo novo no sangue de Jesus. Vínculo da Nova e Eterna Aliança, vínculo que nada mais poderá romper.

São Paulo nos lembra: “Deus, rico em misericórdia” – Nunca esqueçam: Deus é rico de misericórdia – “pelo grande amor com que nos amou, da morte em que estávamos pela culpa, nos fez reviver por Cristo.

A cruz de Cristo é a prova suprema da misericórdia e do amor de Deus por nós. Jesus nos amou até o fim, isto é, não apenas até o último instante de Sua vida terrena, mas até ao limite extremo do Amor. Se, na Criação, o Pai nos havia dado a prova do Seu imenso amor, dando-nos a vida, na morte e paixão do Filho, nos deu a prova das provas: veio a sofrer e morrer por nós. E isto por amor, porque tamanha é a misericórdia de Deus, porque nos ama, nos perdoa. Com a Sua misericórdia, Deus tudo perdoa, e perdoa sempre.

Maria, que é Mãe da Misericórdia, ponha em nosso coração a certeza de que somos amados por Deus, e que ela esteja perto de nós, nos momentos de dificuldade, e nos dê os sentimentos do seuFilho, para que este itinerário quaresmal seja experiência de perdão, de acolhimento e de caridade.

https://www.youtube.com/user/vatican?gl=BR&hl=pt
(Do minuto 0:58 ao minuto 06:57)
Trad. AJFC

Deixe uma resposta