Mensagem do Papa Francisco

“Ângelus” – Dia 15.08.2021

Hoje, Solenidade da Assunção da Bem Aventurada Virgem Maria ao Céu, o Magnificat se destaca na Liturgia. Este cântico de louvor é como uma fotografia da Mãe de Deus. Maria “exulta em Deus, pois olhou para a humildade de Sua serva”.

A humildade é o segredo de Maria. Foi a humildade que atraiu o olhar de Deus sobre ela. O olhar humano procura sempre a grandeza e se deixa atrair pelo que é aparência. Deus, ao contrário, não vê aparências, Deus olha no coração e se encanta com a humildade: a humildade do coração encanta a Deus. Hoje, olhando para Maria assunta, podemos dizer que a humildade é o caminho que leva ao Céu. A palavra “humildade” deriva do termo latino “humus”, que significa “terra”. É paradoxal: para chegar ao alto, no Céu, é preciso ficar embaixo, como a terra! É Jesus quem ensina isto: “quem se humilhar será exaltado”. Deus não nos exalta por conta dos nossos talentos, das riquezas, pela bravura, mas em virtude da humildade. Deus se enamora da humildade. Deus exalta quem se abaixa, quem serve. Maria, com efeito, não atribui a si mesma senão o título de serva: é a serva do Senhor. Nada mais diz de si, não procura outra coisa para si.

Então, hoje podemos perguntar-nos a cada um de nós, no nosso coração: como me ponho diante da humildade? Busco ser reconhecido pelos outros, me exibir  ou penso em servir? Sei escutar como Maria ou só quero ficar falando e obter atenção? Sei fazer silêncio como Maria ou estou sempre a fofocar? Sei dar um passo atrás, apaziguar brigas e discussões ou sempre tento apenas me destacar? Pensemos nesta pergunta: como me ponho diante da humildade?

Em sua pequenez, Maria é a primeira a ganhar os céus. O segredo do seu sucesso está justamente em reconhecer-se pequena, em reconhecer-se necessitada. Com Deus, só quem reconhece que é um nada é capaz de tudo receber. Só quem se esvazia de si é preenchido por Ele. E Maria é cheia de graça justamente por conta da sua humildade. Também para nós a humildade é sempre um ponto de partida, é o início de nossa fé. É fundamental que sejamos pobres de espírito, isto é, que tenhamos necessidade de Deus. Quem se sente cheio de Deus não dá espaço a Deus – e quantas vezes nos sentimos cheios de nós mesmos – mas quem se mantém humilde, obtém do Senhor grandes coisas.

O poeta Dante define a Virgem Maria “humilde e a mais alta das criaturas”. É belo pensar que a criatura mais humilde e mais alta da história, a primeira a ganhar os céus com todo o seu ser, corpo e alma, passou sua vida principalmente em casa, na humildade da vida doméstica. O dia a dia da Cheia de Graça não tinha muita coisa extraordinária. Era um cotidiano vivido no silêncio: para o olhar externo, nada de retumbante. Mas o olhar de Deus sempre permaneceu sobre ela, encantado com a sua humildade, com a sua disponibilidade, com a beleza do seu coração jamais maculado pelo pecado.

Eis uma grande mensagem de esperança para cada um de nós. Para você que vive semelhante cotidiano, cansativo e, por vezes, difícil. Maria lembra a você hoje que Deus te chama também para este destino glorioso. Não são belas palavras, é a verdade. não é um final feliz habilmente criado, uma ilusão ou um falso consolo. Não, é a realidade pura, viva e verdadeira como Nossa Senhora assunta ao Céu. Hoje nós a festejamos com amor de filhos, vamos festejá-la alegres, mas com humildade, animados pela esperança de estarmos um dia com ela, no Céu!

E agora rezemos para que ela nos acompanhe no caminho que desde a terra leva ao Céu. Que ela nos recorde que o segredo deste percurso está contido na palavra humildade, não esqueçamos desta palavra. E que a pequenez e o serviço são os segredos para alcançarmos a meta, para chegarmos ao Céu.

Trad: AJFC

Digitação: EAFC

Deixe uma resposta