Historiadora protesta contra preço das passagens e falta de cinemas e teatros

A historiada Natana Magalhães, de 27 anos, mora em Duque de Caxias. Ela morou durante três anos na Lapa e em Santa Tereza, por serem locais mais próximos do estudo e do trabalho. Em entrevista ao Vozes das Comunidades, Natana fala sobre a vida na Baixada hoje. Os habitantes dessa região aguardam pelas obras de extensão das linhas do metrô, que atualmente só chega ao bairro da Pavuna. “Não existe nem previsão para que isso aconteça, apenas promessas”, reclama.

Ela também denuncia o aumento no custo dos transportes. “Falo como usuária das linhas de ônibus intermunicipais e comuns. Aqui, na Baixada, o transporte é abusivamente caro. Duque de Caxias está muito perto da cidade do Rio de Janeiro e as tarifas dos ônibus intermunicipais são excessivas. Algumas linhas chegam a cobrar R$ 8,00 por uma passagem”, observa. Essa situação também prejudica o acesso ao lazer.

“O prefeito de Caxias acabou com a meia passagem nos domingos e feriados, um benefício para quem trabalha a semana inteira e quer ter também um transporte que o conduza às suas atividades de lazer”, afirma Natana. Segundo ela, cinemas e teatros ficam concentrados no centro, e o alto preço das passagens impede que trabalhadores se apropriem de espaços de arte e cultura.

Leia também: UPP aumenta problemas na Baixada Fluminense

Um comentário sobre “Historiadora protesta contra preço das passagens e falta de cinemas e teatros”

  1. Pingback: UPP aumenta problemas na Baixada Fluminense | Vozes das Comunidades

Deixe uma resposta