Estudante agredido por PM em manifestação em Goiás continua internado em estado grave

Por Cinthia Ribas

O estudante Mateus Ferreira, de 33 anos é mais uma vitima da violência policial. O estudante foi sofreu traumatismo crânioencefálico e múltiplas fraturas após levar um golpe de cassetete de um policial militar enquanto participava do ato em apoio à greve geral nesta sexta-feira (28) em Goiás.

Imagens mostram quando Mateus levou o golpe na cabeça e o policial militar que cometeu a agressão saiu correndo. No detalhe percebe-se que o cassetete do policial se quebrou durante a agressão. O estado do estudante dele é grave. Na tarde deste sábado (29) foi submetido à cirurgia.

Para a presidente da CTB Goiás, Ailma Oliveira, a responsabilidade é do governo do Estado e do despreparo da policia militar. Segundo ela, os movimentos sociais sofrem rotineiramente a repressão da PM. “O despreparo ou a vontade de matar porque, infelizmente, a polícia do estado de Goiás tem feito isso sempre que vamos fazer atos democráticos. Somos vítimas de um terrorismo de Estado”, completou a dirigente acompanha a cirurgia de Mateus junto com familiares e colegas do estudante.

De acordo com Ailma, a cidade estava linda e colorida por mais de 40 mil pessoas que manifestavam contra as reformas do governo ilegítimo de Michel Temer, quando a PM apareceu para tumultuar. “Como se vê por vídeos e fotos, o Mateus corria, igualmente a diversas outras pessoas, para escapar da violência, quando foi atingido covardemente por esse policial”.

Mariana Falone, companheira do estudante, denunciou que a mídia tenta desqualificar Mateus. “Ele não era black block. Ele se perdeu do grupo e saiu correndo por conta das bombas. Quando ele caiu depois do golpe também foi agredido no chão por vários policiais que o atingiram na cabeça”, denunciou Mariana, emocionada com o estado do companheiro.

Na ocasião, a Polícia Militar alegou que o estudante foi atingido durante confusão entre os próprios manifestantes, e não por PMs. No entanto, após a proliferação pela Internet da imagem que mostra o estudante sendo agredido, a assessoria de comunicação da PMGO divulgou uma nota afirmando que a corporação “condena veemente todo e qualquer tipo agressão praticada por policias militares no exercício de sua função”.

A Secretaria de Segurança Pública do Estado afirmou que já foi determinada, de forma imediata, a abertura de um inquérito pela Corregedoria da PM com o intuito de “individualizar condutas e apurar responsabilidades”.

O reitor da UFG, Orlando Amaral, afirmou que “cobrará da Secretaria de Segurança Pública a adequada apuração dos fatos e a punição dos responsáveis”. A universidade destacou, em nota, que “é histórica defensora do direito à livre manifestação e condena com veemência atos de repressão que venham a cercear esse princípio democrático”.

Suporte

A família do estudante pede suporte financeiro para poder acompanhar o tratamento dele em Goiânia. De acordo a dirigente cetebista, a CTB-GO coloca todos os recursos disponíveis para ajudar essa família, “que vive esse drama causado despreparo e bom senso”.

Em uma campanha no whatspp, os amigos de Mateus estão fazendo uma vaquinha pra custear passagens de uma possível transferêcia do estudante e também para exames. A família de Mateus vive em Sorocaba (SP).

Seguem dados das contas:

Caixa Econômica ?? CC 22561-0 ag:3000 op: 01 CPF:75370085153 Mariana Falone

ou Banco do Brasil na Conta da Débora Irineu: Cc: 3888-1, ag. 34093-6 Cpf: 03721687108

Fonte: CTB
http://portalctb.org.br/site/noticias/brasil/32415-estudante-agredido-por-pm-em-manifestacao-em-goias-continua-internado-em-estado-grave

Deixe uma resposta