Equador recebe US$ 3,6 bi da ONU para suspender exploração de petróleo na Amazônia

BBC Brasil e Agência Brasil via OperaMundi

O governo do Equador se comprometeu com a ONU (Organização das Nações Unidas) a suspender o projeto de exploração de reservas de petróleo, que ficam dentro de uma área de proteção ambiental na Amazônia. Em troca, o governo do presidente equatoriano, Rafael Correa, receberá aproximadamente 3,6 bilhões de dólares financiados por países ricos.

Pelos termos do acordo firmado ontem (3/8), as reservas ficam no Parque Nacional de Yasuní e devem permanecer intactas por pelo menos uma década.

A ONU estuda propor acordos parecidos a outros países, entre eles, Guatemala, Vietnã e Nigéria. As informações são da agência BBC Brasil. Os cerca de 3,6 bilhões representam metade do que o Equador poderia ganhar com a venda do combustível. De acordo com o governo equatoriano, os campos têm capacidade para produzir 846 milhões de barris de petróleo.

Leia mais:
A história da Amazônia ainda não é documentada
Brasil, EUA e Peru se unem para estudar malária na Amazônia
Brasil fará convênio com Equador para proteger Arquipélago de Galápagos
Interoceânica rasga Amazônia com garimpo e desmatamento entre Brasil e Peru

A representante do PNUD (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento), Rebeca Grynspan, afirmou que é a primeira vez que um país se compromete com um acordo desse tipo. “A assinatura do acordo é uma medida audaciosa, vanguardista e histórica. Esse é o primeiro país do mundo a fazê-lo, mantendo permanentemente a fonte de carbono embaixo da terra, com um mecanismo efetivo e verificável”, disse.

Preservação

Segundo o governo do Equador, a iniciativa deve evitar que 407 milhões de toneladas de carbono sejam lançadas na atmosfera. A Alemanha, Holanda, Noruega e Itália estão entre os países que mostraram interesse em contribuir com o fundo que pagará o Equador. A reserva de Yasuní, onde ficam os campos de petróleo, está entre as regiões com maior biodiversidade do mundo.

Com uma área de 10 mil quilômetros quadrados, a reserva abriga diversas espécies, algumas das quais só estão presentes na região. O local também abriga grupos indígenas. O petróleo é o maior produto de exportação do Equador, mas grupos de defesa do meio ambiente afirmam que a exploração tem causado danos à região amazônica.

Siga o Opera Mundi no Twitter

Deixe uma resposta