Em discurso à Assembleia Geral, Guterres diz que 2021 é um ano de oportunidades

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, descreveu 2020 como um “annus horribilis” (ano horrível, em latim), devido à pandemia da COVID-19, a emergência climática e outras ameaças globais.  Apesar disso, ele pediu que os estados-membros transformem 2021 em um “annus possibilitatis” (um ano de possibilidades, em latim), com oportunidade e esperança. Ele discursou na Assembleia Geral.

O chefe da ONU destacou as prioridades para o ano: resposta à pandemia, recuperação da crise de saúde, combate às mudanças climáticas e a perda de biodiversidade, redução da pobreza e desigualdade, promoção dos direitos humanos, da igualdade de gênero e da paz e segurança, apelo por um cessar-fogo global,  a ameaça das armas nucleares, a importância das tecnologias digitais e a necessidade de repor a governança global e fortalecer o multilateralismo.

Agenda 2030 – O secretário-geral lembrou que a Agenda 2030 é o caminho para alcançar todos esses objetivos e pediu um reinício da Década de Ação para alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável até 2030.

Sobre mudança climática, o secretário-geral disse que os estados-membros devem cumprir “seus compromissos” até novembro, quando ocorrerá a Conferência da ONU sobre Mudança Climática, a COP-26, marcada para Glasgow, no Reino Unido.

Os países têm várias metas. Entre elas, formar uma coalizão de neutralidade de carbono para cobrir 90% das emissões de gases de efeito estufa e submeter Contribuições Nacionais Determinadas ambiciosas.

Os estados-membros também devem arcar com o financiamento de 100 bilhões de dólares para os países em desenvolvimento adotarem políticas de transição de combustíveis fósseis e alinhar políticas fiscais e econômicas com a neutralidade de carbono.

Racismo e neonazismo – Sobre a resposta à pandemia, o secretário-geral repetiu a necessidade de ter uma distribuição global de vacinas.  Segundo ele, se o mundo deixar o vírus “se espalhar como um incêndio, ele inevitavelmente sofrerá mutações, tornando-se mais transmissível, mais mortal e, eventualmente, mais resistente às vacinas, pronto para voltar”.

Guterres destacou a luta pela justiça racial, dizendo que a desigualdade nessa área “ainda permeia instituições, estruturas sociais e o cotidiano.” Segundo ele, todos devem se “levantar contra a onda de neonazismo e supremacia branca.”

Ao mencionar a igualdade de gênero, ele declarou que “a economia formal só funciona porque é subsidiada pelo trabalho não-remunerado das mulheres.”

Multilateralismo – Guterres pediu que a comunidade internacional retorne ao “bom senso” para evitar uma grande fratura que dividiria o mundo em dois. Segundo ele, o mundo não pode resolver seus maiores problemas quando as maiores potências estão em conflito.

Fonte: Nações Unidas – Brasil

Deixe uma resposta