Dom Auza leva aos espanhóis pesar do Papa pelos mortos de Covid-19

Na segunda-feira (16/11), na abertura da Assembleia Plenária da Conferência Episcopal Espanhola (CEE), que se realiza em modo telemático, com a participação física de 38 bispos em Madrid, e a participação virtual dos restantes membros do Episcopado – para garantir a segurança e evitar um possível contágio –, o núncio apostólico na Espanha e no Principado de Andorra, dom Bernardito Auza, levou as condolências do Papa Francisco a todos os espanhóis que perderam seus entes queridos durante a pandemia da Covid-19.

“Trago a todos o sentimento de proximidade, a saudação e bênção do Papa, que tenho a honra de representar na Espanha, especialmente para os doentes desta pandemia, bem como as condolências e a certeza das orações de sufrágio de Sua Santidade a todas as famílias que sofreram a perda dos seus entes queridos”, afirmou dom Auza.

A exemplo de Francisco, reforçar o trabalho pastoral

Recordando “a atitude exemplar do Santo Padre cuja atividade não cessou”, mesmo neste difícil contexto da Covid-19, o núncio encorajou os bispos espanhóis a reforçar o seu trabalho.

Em particular, o arcebispo quis expressar o seu reconhecimento, como legado pontifício, aos sacerdotes e pessoas consagradas, bem como aos voluntários, que empenhados em sua missão, procuraram uma forma criativa de chegar aos fiéis, neste tempo de pandemia, e as suas condolências por aqueles sacerdotes que, em seus cuidados e apoio sacramental, foram infectados, não superaram a doença e morreram.

Reconhecimento e gratidão aos profissionais de saúde

Recordou com profundo sentido de gratidão os profissionais da saúde, médicos e enfermeiros, e todos os grupos profissionais que todos os diais nos prestam os seus serviços indispensáveis. “Seus esforços merecem o reconhecimento de toda a sociedade – afirmou – ao qual temos a satisfação de nos unir.”

“Esta situação de duração incerta vai passar. É por isso que o Papa nos recorda este princípio: com criatividade cuidar da hora presente, mas para amanhã reservar tempos melhores, porque isso nos ajudará. Cuidem de vocês mesmos pelo futuro que virá e, quando chegar, lembrem-se que o que aconteceu lhes fará bem”.

Deixar-se contagiar pelo amor

Em Seguida, o prelado filipino fez votos de que “este pensamento possa encorajar o trabalho indicado na agenda desta Assembleia”.

Citando o Papa, dom Auza convidou os membros da Conferência Episcopal Espanhola a “se deixarem contagiar pelo amor, não pelo vírus”, e assegurou as orações do Pontífice, “a fim de que o trabalho deles possa encorajar a generosidade do coração”, recordando a “tarefa que Cristo confiou aos Santos Apóstolos e a seus sucessores, de fazer homens e mulheres saírem das sombras atávicas lançadas pela experiência da sua vulnerabilidade, para que, sempre conscientes da sua liberdade, não fiquem à mercê de um amanhecer sombrio, nem percam o controlo das rédeas num futuro incerto”.

Fonte: Vatican News

Deixe uma resposta