Dia Estadual de Conscientização, Mobilização e Combate à Hanseníase promove ações de prevenção da saúde em Duque de Caxias

Morhan é uma entidade sem fins lucrativos fundada em 6 de junho de 1981

Duque de Caxias sedia nesta quarta-feira, 05 de agosto, as ações pelo Dia Estadual de Conscientização, Mobilização e Combate à Hanseníase no Rio de Janeiro. O evento será realizado no Teatro Raul Cortez, na Praça do Pacificador, no Centro, e é aberto a toda a população. A programação terá início às 10h, com apresentação do Teatro Bacurau, do Movimento de Reintegração das Pessoas Atingidas pela Hanseníase (Morhan).

A proposta é utilizar a linguagem do teatro para sensibilizar e conscientizar o público sobre a importância do diagnóstico precoce da hanseníase e da realização do tratamento. Representante do Brasil no Miss World, o principal concurso de beleza do mundo, a paulistana Catharina Choi Nunes, Miss Mundo Brasil 2015, apoia a causa e também estará presente ao evento.

“A hanseníase tem cura, o tratamento está disponível no SUS, mas o medo da discriminação ainda afasta pacientes das unidades de saúde e dificulta o diagnóstico e o tratamento da doença. Isso é perigoso porque o diagnóstico precoce é fundamental para que o tratamento seja iniciado o quanto antes, interrompendo a transmissão da doença e afastando o risco de ocorrência de sequelas”, explica o coordenador nacional do Morhan, Artur Custódio.

Como a transmissão da doença é interrompida 48 horas após o início do tratamento, o Brasil teria todas as condições para eliminar a hanseníase. No entanto, o país concentra o maior número de casos da doença em todo o mundo. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o Brasil é o único país que não está em processo de eliminação da hanseníase – uma das metas dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio. Para a OMS, “estar em eliminação” significa registrar até 10 casos da doença por cada 100 mil habitantes. No Brasil, de acordo com o Ministério da Saúde, em 2014, 31.064 casos novos de hanseníase foram identificados em todo o país, o que corresponde a um coeficiente de prevalência de 15,32  novos casos da doença por cada 100 mil habitantes.

O Dia Estadual de Conscientização, Mobilização e Combate à Hanseníase é uma iniciativa da Gerência Estadual de Dermatologia da Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro. O evento contará com a presença de representantes da prefeitura de Duque de Caxias, de sua secretaria municipal de Saúde e da secretaria estadual de Saúde do Rio de Janeiro, dentre outras autoridades políticas.

Saiba mais sobre hanseníase!

O Morhan mantém uma linha telefônica gratuita, o Telehansen: 0800 026 2001. Tire suas dúvidas!

O que é hanseníase?
A hanseníase é uma doença infecciosa crônica, causada pela bactéria Mycobacterium leprae e pode ser paucibacilar (PB) – quando o paciente apresenta de uma a cinco manchas pelo corpo – ou multibacilar (MB) – quando são encontradas mais de cinco manchas. Quando são paucibacilares, os pacientes não transmitem a doença. Os multibacilares sem tratamento, porém, podem transmitir o bacilo através das secreções nasais ou saliva. Pacientes em tratamento regular e pessoas que já receberam alta não transmitem a doença. O período de incubação, da infecção à manifestação da doença, tem duração média de três anos e a evolução do quadro clínico depende do sistema imunológico do paciente. Por essa característica, a hanseníase é mais comum em populações de baixa renda, desprovidas de condições adequadas de moradia, trabalho e transporte que tendem a contribuir para a disseminação do bacilo da doença para um número maior de pessoas.

Sintomas
Manchas brancas ou avermelhadas sem sensibilidade para frio, calor, dor e tato; Sensação de formigamento, dormência ou fisgadas; Aparecimento de caroços e placas pelo corpo; Dor nos nervos dos braços, mãos, pernas e pés; Diminuição da força muscular.

Diagnóstico
A identificação da doença é essencialmente clínica, feita a partir da observação da pele, de nervos periféricos e da história epidemiológica. Excepcionalmente são necessários exames laboratoriais complementares, como a baciloscopia ou biópsia cutânea.

Tratamento
A hanseníase tem cura e quando tratada em fase inicial não causa deformidades. O tratamento, denominado poliquimioterapia (PQT), é gratuito, administrado via oral e está disponível em unidades públicas de saúde de todo o Brasil. Para pacientes que apresentam a forma paucibacilar (PB) da doença, a duração do tratamento é de seis meses e para os que apresentam a forma multibacilar (MB), o tratamento dura um ano. Concluído o tratamento com regularidade, o paciente recebe alta e é considerado curado.

SERVIÇO
Dia Estadual de Conscientização, Mobilização e Combate à Hanseníase
Data: Quarta-feira, 05 de agosto, a partir das 10h
Local: Teatro Raul Cortez, Praça do Pacificador, Centro, Duque de Caxias
Mais informações: morhan.org.br

Deixe uma resposta