Depressão: o mal do século

fabio nogueiraAconteceu outro suicídio. Lamentável a morte do policial militar Douglas Vieira, de 28 anos, na cidade do Rio de Janeiro. Ele tinha uma vida pela frente, e infelizmente não suportou a pressão. O suicídio ocorre quando a pessoa está no seu limite, ninguém tira a própria vida por que quer ou gosta. São os últimos dos últimos recursos do depressivo. A depressão ainda é vista para algumas pessoas, que não sentem na pele algo parecido, como frescura, falta de caráter ou sem coragem. Para aqueles que pensam assim, não desejo a vocês passarem pela mesma experiência.
Há quatro meses escrevi um texto para o site Fazendo Media, expondo a minha luta para enfrentar esta doença. Tive ajuda e hoje estou em tratamento, a bem da verdade retornei ao tratamento depois de dois anos.
Cada vez que ouço, leio e vejo relatos de alguém com depressão me coloco no lugar dele. Há vários Douglas, Josés, Joãos, Paulos e outros clamando por ajuda neste momento. Não cogite a não ajudá-los, o ombro amigo para o desabafo será bem vindo para aliviá-lo do fardo que está carregando. Não fale nada, ouça. Evite os conselhos emocionais ou algo parecido.
Ironicamente a depressão pode ser classificada como uma doença democrática, pois para ela não há classe social, gênero, raça ou religião. A depressão não tem escolha. No entanto, não a encare sério, busque ajuda de médicos, psicólogos ou algo que você tenha fé. Lembramos que a depressão é o mal do século, o ser está perdendo as expectativas de um amanhã melhor pois o presente é sombrio.Para mais informações sobre o tema, entre no site do Centro de Valorizações a Vida.

Deixe uma resposta