Críticas a remoção de comunidades repercutem no Rio

Matéria na Folha no último sábado (30) mostra que puxão de orelha internacional relativo às remoções de comunidades do Rio de Janeiro repercutiu, em tese, no Comitê Olímpico Internacional. O que demonstra o grau de desenvolvimento da nossa democracia.

O prefeito continua mentindo e as instituições nacionais não conseguem dar conta do ataque contra os pobres da cidade. Lembrando que a relatora das Nações Unidas, Raquel Rolnik, disse que o problema atinge diversas capitais brasileiras. Leia abaixo.

RIO-2016

COI diz que inspecionará remoção de moradores

Desapropriações para obras são criticadas

SÉRGIO RANGEL
DO RIO

O COI (Comitê Olímpico Internacional) vai fiscalizar as remoções feitas no Rio pelos três níveis de governos para as obras dos Jogos-2016. A informação foi dada ontem pelo francês Gilbert Felli, diretor-executivo da entidade, em reunião no Rio.

Na terça-feira, ONU e Anistia Internacional criticaram a política adotada no Brasil para as desapropriações. A relatora especial da ONU para a Moradia Adequada, Raquel Rolnik, acusou autoridades de cidades-sedes da Copa de 2014 e do Rio, que receberá a Olimpíada, de praticarem desalojamentos forçados, que poderiam violar os direitos humanos.

Felli disse que pediu ao governo a lista de desapropriações na cidade e que o comitê inspecionará as ações. “Não queremos deixar a impressão de que o COI não se preocupa com isso. Na reunião de quinta, pedimos a relação de todas as desapropriações e vamos levantar o que acontece em todos os casos.”

Para o secretário-geral da Anistia Internacional, Salil Shetty, o Rio não respeita o processo legal para a retirada de pessoas de áreas que sofrerão intervenção.

O prefeito Eduardo Paes disse que as desapropriações são de responsabilidade do município e que não há irregularidades nas ações. “Continuaremos fazendo as desapropriações com respeito. Todas são feitas com medidas judiciais, avaliação pericial e incremento do valor. Isso acontece tanto com pobres como com ricos.”

(Original da FSP em 30/04/2011)

Deixe uma resposta