Copa e olimpíadas: hora de fazer diferente.

O povo está em festa. O presidente, o governador e o prefeito do Rio comemoram. Em 2014 uma Copa e em 2016 uma Olimpíada na cidade. Não venho aqui contrariar a alegria geral, mas simplesmente propor uma reflexão séria, pois só de pensar nestes eventos minha espinha gela como quem sente o prenúncio de uma guerra.
Penso na área de (In)Segurança Pública do ponto de vista de quem conhece um pouco do seu dia a dia por dentro. E pelo o que vimos na experiência dos Jogos Panamericanos no Rio, quando a “paz” foi garantida na base do tiro, quando presenciamos uma chacina covarde no Complexo do Alemão, fruto de uma política de enfrentamento, imagino o que nos espera por aí.
Na minha quase irrelevante opinião, vamos ter um banho de sangue, vai morrer gente: polícia, bandido, morador, muita gente mesmo. E acho que até lá a população carcerária deva aumentar em 50 %, pensando por baixo e tentando ser otimista.
Quero reforçar que não sou da turma do contra, penso mesmo que estes eventos possam acarretar uma série de benefícios para o país. Creio sim que o esporte é uma alternativa viável e que nós somos ricos na produção de atletas e podemos crescer mais e mais neste setor, tirando muitos garotos das ruas e da ociosidade com projetos esportivos.
Porém, é preciso desde já, pensar alternativas menos dolosas para a população. Porque sair invadindo favela, exterminando gente e empurrando os nossos problemas para o Sistema Carcerário pode resolver a questão nas aparências, para gringo ver, mas teremos um problema ainda maior para administrar depois de tudo isso.
Certamente as regiões onde acontecerá esta “limpa” vão ser a Zona Sul, Centro, Linha Vermelha, Linha Amarela, Jacarepaguá, Barra da Tijuca e Tijuca. Isso vai empurrar as facções criminosas para a Zona Norte e a Baixada Fluminense, que não são pontos turísticos e não participarão destes eventos colossais.
Bilhões serão investidos e boa parte deste investimento irá para a compra de armas, blindados, aumento de efetivo policial, construção de mais cadeias. Ou seja, mais prisões e confrontos, o que até hoje não tem resolvido absolutamente nada por aqui. E o povo, coitado, assiste a tudo no meio da linha de tiro, contente porque tem festa na praia, carnaval e futebol aos domingos. É a velha fórmula mágica de contenção de massas: dê a eles pão, circo e cachaça.
O Governo do Estado do Rio prometeu colocar nas ruas mais dez mil policiais até 2016. Mais armamentos, mais mortes, mais extorsão e consequentemente mais corrupção. Aliás, a polícia se alimenta da corrupção: a maioria de seus carros roda com peças provenientes de ferro-velho, de carros roubados e desmontados. Ou seja, a segurança pública depende do crime e flerta com o mesmo diariamente.
E o criminoso que se acha bandido, transgressor do sistema, não tem ainda a consciência de que, na verdade, ele é apenas a mercadoria que alimenta toda essa engrenagem.
Teremos quatro anos decisivos e a oportunidade de fazermos diferente desta vez, buscando uma política pacificadora de verdade, investindo estes bilhões em cultura, infra-estrutura, educação, lazer, emprego, saúde e cidadania nas periferias e no cárcere.
Quanto a mim, não estou parado. Tento levar este debate para dentro do cárcere propondo ao preso que reflita. Porque quem vai sair perdendo nessa, como sempre, são os mesmos: a comunidade, os pobres, a favela, seus familiares, amigos e filhos.
Mas, deixando utopias de lado e fincando os pés no chão, sou apenas um e sozinho, quase nada posso fazer e espero sinceramente que outras pessoas e instituições comecem a pensar, debater e agir a respeito o quanto antes. São muitas vidas em jogo, num jogo sem troféu, glória, heróis e sem medalhas.
(*) Rafael Kalil é músico e promove shows, cineclubes e debates para a população carcerária do Rio de Janeiro.

8 comentários sobre “Copa e olimpíadas: hora de fazer diferente.”

  1. Irmãozinho, nem sei o que dizer… mas me orgulho muito de ser sua amiga e parceira, porquê são raros os dispostos a fazer o ‘serviço sujo’… e na boa, escolher população carcerária pra se dedicar, com todo o talento que vc. tem… é, no mínimo, louvável! Deus te abençoe e te acompanhe sempre, porquê sua missão é dureza! Haja coragem!

  2. Nobre Rafael:
    Você não é uma voz uníssona em toda essa desvairada e quase histérica comoção Regional pelo RIO 2014/2016, faço parte desse quase microscópico coro que grita: Isso não é bem assim….
    Congratulo-me com você pela coragem textual de dizer aquilo que a grande maioria empolgada com a gritaria não consegue ouvir, e pior, nem enxergar. Abraços

  3. Parabens Guri
    Eu ja tinha dito para a tua mae que fiquei muito admirado com o traalho que estas envolvido, sinto muito orgulho de ter um primo que nem tu. Parabens cara, e continue escrevendo com esta emocao e forca
    Teu primo 2o.
    Carlinhos

  4. No dia em que saiu o resultado sobre o pais que sediará a Olimpiada em 2016, fiquei extremamente preocupada com essa questão mesmo Kalil infelizmente se ninguem fizer nada o sangue vai jorrar nas comunidades no Rio de Janeiro será a tal ” PAZ ” a qq custo muitos inocentes pagarão com suas vidas para o país ter o privilégio de ser o primeiro latino americano a sediar um evento deste porte!LAMENTAVEL nossas necessidades são tão maiores que a realização de uma Olimpíada mas vamos continuar com a alienação total das pessoas!!!!!!!

  5. FALENCIA TOTAL!!!!!!!!!!
    O unico segmento do Estado que ainda entra na favela é a policia e entra de forma sempre violenta e opressora e assim o tal Estado resolve né? gostaria de saber o que? e vão resolver dessa forma mesmo para 2014/2016!!!!!!!!!

Deixe uma resposta