Carta aberta sobre as cotas na UFRJ

Ao contrário do que pretendem afirmar alguns setores da imprensa, o debate em torno de políticas afirmativas e de sua implementação no ensino universitário brasileiro não pertence à UFRJ, à USP ou a qualquer setor, “racialista” ou não, da sociedade. Soma-se quase uma década de reflexões, envolvendo intelectuais, dirigentes de instituições de ensino, movimentos sociais e movimento estudantil, parlamentares e juristas.
Atualmente, cerca de 130 universidades públicas brasileiras já adotaram políticas afirmativas – entre as quais, a das cotas raciais – como critério de acesso à formação universitária. Entre estas instituições figuram a UFMG, a UFRGS, a Unicamp, a UnB e a USP, que estão entre as mais importantes universidades brasileiras.
Em editorial da última terça-feira, 17 de agosto, intitulado “UFRJ rejeita insensatas cotas raciais”, o jornal O Globo assume, de forma facciosa, uma posição contrária a essas políticas afirmativas. O texto desmerece as ações encaminhadas por mais de cem universidades públicas e tenta sugestionar o debate em curso na UFRJ. Distorcendo os fatos, o editorial fala em “inconstitucionalidade” da aplicação do sistema de cotas, quando, na verdade, o que está em pauta no Supremo Tribunal Federal não é a constitucionalidade das cotas, mas os critérios utilizados na UnB para a aplicação de suas políticas afirmativas.
Na última década, enquanto a discussão crescia em todo o país, a UFRJ deu poucos passos, ou quase nenhum, para fazer avançar o debate sobre as políticas públicas. O acesso dos estudantes à UFRJ continua limitado ao vestibular, com uma mera pré-seleção por meio do ENEM, o que significa um processo ainda excludente de seleção para a entrada na universidade pública. Apesar disso, do mês de março para cá, o debate sobre as cotas foi relançado na UFRJ e, hoje, várias decisões podem ser tomadas com melhor conhecimento do problema e das posições dos diferentes setores da sociedade em relação ao assunto.
Se pretendemos avançar rumo a uma democracia real, capaz de assegurar espaços de oportunidades iguais para todos, o acesso à universidade pública deve ser repensado. Isto significa que é preciso levar em conta os diferentes perfis dos estudantes brasileiros, em vez de seguir camuflando a realidade com discursos sobre “mérito” (como se a própria noção não fosse problemática e como se fosse possível comparar méritos de  pessoas de condição social e trajetórias totalmente díspares) ou sobre “miscigenação” (como se não houvesse uma história de exclusão dos “menos mestiços” bem atrás de todos nós).
Cotas sociais – e, fundamentalmente, aquelas que reconhecem a dívida histórica do Brasil em relação aos negros – abrem caminhos para que pobres dêem prosseguimento aos seus estudos, prejudicado por um ensino básico predominantemente deficiente. Só assim os dirigentes e professores das universidades brasileiras poderão continuar fazendo seu trabalho de cabeça erguida. Só assim a comunidade universitária poderá avançar, junto com o país e na contra-mão da imprensa retrógrada, representada por O Globo, em direção a um reconhecimento necessário dos crimes da escravidão, crimes que, justamente, por ainda não terem sido reconhecidos como crimes que são, se perpetuam no apartheid social em que vivemos.
Rio de Janeiro, 19 de agosto de 2010
Assinam os professores da UFRJ:
 Alexandre Brasil – NUTES
Amaury Fernandes – Escola de Comunicação
André Martins Vilar de Carvalho – Filosofia/IFCS e Faculdade de Medicina
Anita Leandro – Escola de Comunicação
Antonio Carlos de Souza Lima – Museu Nacional
Beatriz Heredia – IFCS
Clovis Montenegro de Lima – FACC/UFRJ-IBICT
Eduardo Viveiros de Castro – Museu Nacional
Denilson Lopes – Escola de Comunicação
Elina Pessanha – IFCS
Fernando Alvares Salis – Escola de Comunicação
Fernando Rabossi – IFCS
Fernando Santoro – IFCS
Flávio Gomes – IFCS
Giuseppe Mario Cocco – Professor Titular, Escola de Serviço Social
Heloisa Buarque de Hollanda – Professora Titular, Escola de Comunicação/FCC
Henrique Antoun – Escola de Comunicação
Ivana Bentes – Diretora, Escola de Comunicação
Katia Augusta Maciel – Escola de Comunicação
Leilah Landim – Professora – Escola de Serviço Social
Leonarda Musumeci – Instituto de Economia
Lilia Irmeli Arany Prado – Observatório de Valongo
Liv Sovik – Escola de Comunicação
Liz-Rejane Issberner – FACC/UFRJ-IBICT
Marcelo Paixão – Instituto de Economia
Marcio Goldman – Museu Nacional
Marildo Menegat – Escola de Serviço Social
Marlise Vinagre – Escola de Serviço Social
Nelson Maculan – Professor titular da COPPE e ex-reitor da UFRJ
Olívia Cunha – Museu Nacional
Otávio Velho – Professor Emérito, Museu Nacional
Paula Cerqueira – Professora Instituto de Psiquiatria
Paulo G. Domenech Oneto – Escola de Comunicação
Renzo Taddei – Escola de Comunicação
Roberto Cabral de Melo Machado – IFCS
Samuel Araujo – Escola de Música
Sarita Albagli – Professora PPG-FACC-UFRJ/IBICT
Silvia Lorenz Martins – Observatorio do Valongo
Suzy dos Santos – Escola de Comunicação
Tatiana Roque – Instituto de Matemática
Virgínia Kastrup – Instituto de Psicologia
Silviano Santiago, Professor emérito, UFF

5 comentários sobre “Carta aberta sobre as cotas na UFRJ”

  1. Isso tudo porque o Rio, graças a Deus, ainda é a capital cultural do país; imaginem o que temos nos arredores, onde moro e vejo BEM de perto; verdadeiros sitemas de coronéis, tal qual as novelas antigas da Globo…

  2. A política de cotas para afrodescendentes nas universidades brasileiras é corretíssima! Com certeza é a forma mais eficaz de incluir a imensa população afrodescendente nas universidades após 400 anos de exclusão. Alem de promover a igualdade entre os cidadãos, é também uma forma de fazer justiça àqueles que por 300 anos foram a principal (ou a única) força de trabalho construtora deste País.
    A globo pertence aos EUA, é uma empresa do seu imperialismo capitalista, que está aqui para ajudá-los a manter sua colonizaçao e saque sobre nosso país e nosso povo. Essa corja é um posto avançado da CIA em terras tupiniquins, que usa seu poder midiático para interferir nos destinos do nosso país.
    Para isso eles tem os congressistas lobistas bem pagos e a sua mídia golpista.
    Isto está cada vez mais evidente …

  3. Cotas Sim!
    O erro está em as cotas ser para negros, na verdade o aluno negro pobre e o aluno branco pobre tem a mesma qualidade de ensino, tem a mesma má colocação no mercado.
    O correto é Cotas para alunos de Escolas Públicas, pelo menos 70%, e os outros 30 concorrência geral (alunos da publica que não entrarão nos 70% e alunos da Escola Privada).
    – Gorotinho que estudou a vida toda na escola Privada com professor e piscologo pra cada neurônio, concorrer com aluno de escola sem professor e sem giz é covardia. quer sair na frente? ganhe uma vaga dos 30% ou então vá pra Universidade Privada.
    Depois de isso funcionando ai é hora do Governo colocar qualidade no ensino fundamental e médio publico, não dá pra fazer isso primeiro, porque são muitos anos atrás das privadas, e o tempo é curto… mas é claro que isso nunca vai acontecer, porque o filhinho do Deputado fulano de tal, quer ser médico, e na Privada é muito caro, o seu salário de fazer nada no gabinete do papai é muito pouco pra pagar universidade, comprar carro importado, viajar todo mês…

  4. A UFRJ,sempre correu do debate colocando o seu batalhão de choque a frente,isto é:Yvonne Maggie e Cia.
    Essa universidade nunca adotará as cotas raciais por medo de uma elite conservadora que nela o habita.Será com muita luta e persistencia que quebraremos esse siglo.
    Queremos cotas!!!

Deixe uma resposta