Bruno e Macarrão, nossos bodes expiatórios de estimação

Bruno, goleiro do Flamengo. Foto: www.atarde.com.brO caso do goleiro Bruno mostra algo de mais profundo, mais perverso, do que a simples trajetória de um garoto pobre que se perdeu.

Mostra que no sistema, com dinheiro, você tem muitos amigos, muitos “parceiros” e muito poder, exercido diariamente. Sem dinheiro, todos o abandonam e a “solidariedade” some, assim, de repente.

Algo está provavelmente errado com um sistema que possui o racismo, o machismo e o menosprezo por um ser humano – e não a solidariedade – como um valor maior. De “herói”, ele virou para a mídia um mero “produto social” – sociologizado, explicado e, finalmente, descartado.

Nada sobre quem lucra com Elizas e Brunos, impunes e elevados – na própria mídia – a meros mediadores desse sistema desumano. Nada sobre a responsabilidade dos dirigentes do Flamengo, do Estado que não fiscaliza todo o tipo de violência no futebol, dos atravessadores que estão, cada vez, mais ricos.

A culpa é, toda, do Bruno e do Macarrão. Danem-se, dizem em uníssono. E tapam os olhos, tentando esquecer o problema e seus co-responsáveis.

Como estratégia para essa argumentação, nada melhor do que a boa e velha demonização e individualização dos nossos problemas sociais.

Um comentário sobre “Bruno e Macarrão, nossos bodes expiatórios de estimação”

  1. Pingback: Tweets that mention Bruno e Macarrão, nossos bodes expiatórios de estimação | GBlog -- Topsy.com

Deixe uma resposta