Ainda há tempo para a salvação

fabio nogueira“_ Fracassei em tudo na vida…..Tentei alfabetizar as crianças, não consegui (…) Mas, meus fracassos são minhas vitórias. Detestaria estar no lugar de quem me venceu” – Darcy Ribeiro
O aviso de rebelião numa penitenciária em Manaus, capital do Estado do Amazonas, foi dado com dois anos de antecedência. Chegou aos ouvidos do governador e secretário de segurança, mas ambos ficaram mudos, surdos e cegos. Valeu a máxima do mercador: entrou por um ouvido e saiu por outro. A carnificina aconteceu e sessenta presos morreram na guerra de duas facções.
A frase do professor Darcy Ribeiro no início do texto pode ser estranha para quem não lida com a educação, ou lida com ela sem levá-la a sério. Há anos o professor lutava para salvar o Brasil por meio da educação e nos alertava sobre o risco do país passar a construir mais presídios e menos escolas. Novamente ficamos mudos, surdos e cegos. E a história é sempre a mesma.
Ainda vivo o professor Darcy Ribeiro ganhou um sopro de esperança quando um de seus sonhos foi concretizado: a construção dos Centros Integrados de Educação Pública (CIEP), colégios públicos de qualidade em horário integral para as crianças. Darcy Ribeiro não era somente um professor/político,era um progressista que tinha como um de seus sonhos ver o país livre do analfabetismo e direitos iguais para todos. No entanto, num país com uma imprensa golpista e políticos retrógrados projetos progressistas não são vistos com bons olhos. Na lógica deles, a educação é vista como investimento muito caro para o país.
O pensador Darcy Ribeiro nos deixou há quase vinte anos e suas palavras continuam atuais. Acredito que nos deixou com desgostos, porque testemunhou o seu maior sonho virando pesadelo e aos poucos agonizando até a morte.
Editorial da mídia golpista insistia em afirmar que os CIEPs eram caros e o dinheiro gasto neles não teriam retorno. Ótimo! A falácia venceu, a ignorância é o melhor investimento. O país está perdendo a guerra contra as bestas do atraso intelectual. Estávamos no caminho certo para sairmos da zona do analfabetismo.
Hoje, estamos pagando um custo caríssimo. Ao invés de construir escolas, estamos construindo mais presídios com a quarta maior população carcerária do mundo e assistindo o espetáculo dos horrores de modo passivo e sem reação. O acontecimento traz à tona o livro de José Murilo de carvalho, Os Bestializados. Leiam e saberão o motivo da minha inquietação.
Infelizmente o massacre no Presídio Anísio Jobim não vai mudar em nada o sistema penitenciário brasileiro. Assistiremos outras barbáries com o mesmo perfil de presos pobres, moradores de favelas e semianalfabetos. Se ir mais fundo, a média de idade desses presos coincide com a criação do CIEP. Haverá mais carnificinas e o sentimento de indignação dará lugar à frieza, indiferença e ao ódio. Não quero perder a capacidade de ficar indignado e perder o sentimento. A naturalidade da morte e a banalização da violência por parte de nós chamados “seres” racionais poderá ser “normal”.
Posso afirmar que a sociedade tem sua parcela de culpa nesta onda de criminalidade em todo país. Posso garantir isto, porque se tivéssemos abraçado a causa de Darcy Ribeiro e outros educadores como Paulo Freire, estaríamos poupando as vidas de milhares de brasileiros e construindo muito menos presídios país afora. Escolhemos o lado fácil e confortável da Estória. Isto mesmo Estória com E. Matamos e colamos na vala comum o sonho de milhares de educadores brasileiros.
Não posso esquecer da frase que até hoje continua pertinente em minha cabeça, do professor da UFRJ ,Paulo Baía. Ele resume o meu entendimento: “_ O Estado não é omisso. O Estado É PERVERSO”
Para quem entendeu, um pingo é letra .
Fabio Nogueira -Estudante de história d Universidade Castelo Branco e Militante da Educafro
Email: historiadorfabioucb.49@outlook.com

Deixe uma resposta