A febre da imprensa brasileira

Birra política se sobrepõe à saúde pública e cidadãos saem perdendo no caso da febre amarela. Por Gustavo Barreto.

Epidemia [substantivo feminino]
1 Rubrica: medicina.
doença ger. infecciosa, de caráter transitório, que ataca simultaneamente grande número de indivíduos em uma determinada localidade (Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa)

Birra [substantivo feminino]
1 ato ou disposição de insistir obstinadamente em um comportamento ou de não mudar de idéia ou opinião; teima, teimosia (Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa)

É perfeitamente possível dizer que há no Brasil, atualmente, um surto de febre amarela na imprensa brasileira. Como demonstro no caso de um importante jornal paulista, felizmente (ou infelizmente), este “surto” se restringe à imprensa brasileira e a alguns jornalistas brasileiros. Colocada sob a óptica de um microscópio, a imprensa de grande circulação parece conter em sua genética um arranjo que a destina a provocar o medo e a desinformação em casos de crises de saúde pública e, mais especificamente, no recente caso das notificações de febre amarela no Brasil.

Na capa do jornal Folha de S. Paulo da última segunda-feira (14/1/2008), ao melhor estilo Folha, um ministro de Estado “nega” – colocado na primeira linha (veja na imagem), em “Ministro vai à TV e nega” – uma “epidemia” de febre amarela – colocado como frase na segunda linha: “epidemia de febre amarela”. Acima, uma imagem de desabrigados da forte chuva que atingiu o litoral paulista, que casa à primeira vista com os dizeres “Ministro vai à TV e nega epidemia de febre amarela”. Não usarei nenhuma habilidade lingüística para demonstrar como esses elementos gráficos foram importantes na construção da capa – basta acompanhar o conteúdo que o jornal vem insistindo em dar preferência nos últimos dias.

O tom da reportagem tenta claramente desmentir o ministro, como se percebe logo no primeiro parágrafo: “No dia em que o número de notificações de casos suspeitos de febre amarela subiu de 15 para 24, o ministro José Gomes Temporão (Saúde) foi à TV fazer um pronunciamento em cadeia nacional para dizer que “não existe risco de epidemia”. O ministério confirmou que, dos 24 casos suspeitos notificados pelas secretarias estaduais de saúde, 5 foram descartados e outros 2, confirmados. ”

As aspas em “não existe risco de epidemia” é contraposta à relação que fazem ao “dia em que o número de notificações de casos suspeitos (…) subiu de 15 para 24”.

Depois, continua com a birra com o governo dando um espaço de destaque a um “renomado infectologista da USP” que disse que “(…) ninguém pode dizer que não existe risco [de febre amarela urbana] quando doentes vêm de áreas silvestres para lugares com Aedes”, enquanto deixa no canto da página uma notinha que confirma exatamente o que sustenta o Ministério da Saúde: “Os casos de febre amarela confirmados até agora não são motivo para alarme na opinião de infectologistas do Incor, da Unicamp e do Fleury. Para eles, a preocupação deve mesmo ser apenas de pessoas que vão viajar para regiões afetadas.” David Uip, que também é infectologista e diretor-executivo do InCor (Instituto do Coração) – e nem por isso mereceu uma entrevista – tocou na ferida: “A gente precisa ter a responsabilidade de baixar a bola agora e não causar pânico”.

Exatamente o que a Folha de S. Paulo, de modo irresponsável, não fez nesta segunda (14/1). E outros dois igualmente renomados médicos tinham a mesma opinião. Se ouvissem mais, teriam mais opiniões semelhantes.

Trocando em miúdos, o jornal Folha de S. Paulo, abrindo mão do jornalismo sério e que serve ao cidadão, de modo que tome a melhor atitude no cotidiano, está de birra com o governo, como lhe é comum. Nesse caso, está dando sua pequena contribuição ao caos na saúde pública.

Outro exemplo foi a entrevista com Drauzio Varella na mesma edição (14/1). Varella é uma excelente fonte, pois além de conhecedor do assunto (é médico cancerologista), foi um dos dois sobreviventes em 2004 quando três pacientes morreram.

O repórter começa a birra: “Dá para falar em surto?”

Varella é claro e diz que não, não dá. “O que acontece é um fenômeno de imprensa. E isso é clássico na história das epidemias. Toda vez que surge uma, os governos negam. E a imprensa vai atrás, no rastro da doença. Estamos vivendo uma situação normal.”

O repórter insiste na birra: “O senhor não vê esses casos como um alerta?”

Varella tenta ser mais objetivo: “Não vejo mesmo”. E dá uma dimensão do real problema que trazem jornais como a Folha de S. Paulo: “O problema dessas fases de pânico é que muita gente que não precisa vai tomar a vacina. O sujeito está em São Paulo e vai ao Guarujá e quer se vacinar. Aí cria-se um problema social, engrossam-se as filas. E o sujeito que precisa não vai tomar. Eu acho até que essa preocupação com a febre amarela silvestre vai aumentar o número de casos porque os médicos vão fazer mais o diagnóstico.”

O repórter, acredite, insiste na birra: “Então há subnotificação…”

Varella tenta ser ainda mais claro: “Fui cuidado por médicos da melhor competência, todos professores da USP, gente com muita experiência. Nenhum deles tinha visto sequer um caso de febre amarela.”

Finalmente o repórter muda de assunto. Ao responder se não daria pra erradicar a febre amarela, ele ironiza: “É impossível. Só se se puser fogo em todas as florestas, matar todos os macacos.” Sobre a vacinação em massa, que a imprensa insiste em colocar em questão, juntamente com o “renomado” infectologista da USP, Varella sentencia: “Está errado. Não é a medida mais inteligente.”

No dia 11 de janeiro, o Ministério da Saúde liberou nota técnica (leia aqui) sobre o assunto que foi solenemente ignorada por este jornal paulista. Em vez de informar aos seus leitores sobre as informações técnicas contidas ali, o jornal continuou com sua birra, tentando fazer acontecer uma epidemia urbana na marra:

> Mulher é internada em São Paulo com febre amarela (12/1/2008)
> Argentina: Turistas formam filas para vacinação (12/1/2008)
> Aeroporto e postos de SP têm filas de vacinação (12/1/2008)
> SP tem fila de até 4 h para vacina contra febre amarela (13/1/2008)
> Espanhol morre com suspeita da doença em GO (13/1/2008)

Na matéria de capa desta terça (15/1) – “GO confirma 2a morte por febre amarela neste ano no Brasil” – a Folha escreve: “O número de notificações ao Ministério da Saúde subiu ontem para 26 – eram 15 até sexta-feira e 24 até domingo. Desses, 17 estão sob investigação, três já foram confirmados e seis, descartados”.

O que os editores deste jornal chamam, então, de “notificações”? Se seis estão descartados, porque incluí-los no total de 26? E se apenas 3 estão confirmados, porque não deixar claro que 17 são casos suspeitos e 3 efetivamente de febre amarela? Tudo para confirmar a birra, visto que aparentemente ninguém na redação da Folha leu – três dias depois de divulgada – a nota técnica a que me referi – exceto a sucursal de Brasília, que citou um dos últimos parágrafos, referente à notificação internacional que o Ministério da Saúde fez em 21 de dezembro de 2007. Com mais uma matéria, no entanto, que não contém dados técnicos, apenas políticos: “Brasil fez alerta internacional sobre doença”.

Confirmando novamente a observação do jornalista Aloysio Biondi de que reside, em geral, nas últimas quatro linhas das matérias da grande mídia as informações mais importantes, a Folha publica (bem escondidinho, looonge da primeira página): “Especialistas ouvidos pela Folha dizem que os três casos confirmados e os outros 17 sob investigação não configuram nem epidemia nem surto da doença. “São casos isolados”, explicou o epidemiologista Pedro Tauil, da Universidade de Brasília. Tauil disse que epidemia é um aumento inusitado de casos da doença, e surto é um tipo de epidemia localizada em que os casos têm relação entre si.”

O problema não chegou nem perto de se tornar uma epidemia, mas tamanha foi a insistência da imprensa que o ministro da Saúde foi obrigado a ir à TV para negar a suposta epidemia inventada pela repetição de mensagens de pânico.

Que jornalismo tem que ser de oposição ao poder, todos sabemos. Que tem que ser independente, igualmente. Mas que ignore informações técnicas e prejudique o seu público, ao criar birras políticas com quem quer que seja, inadmissível. Não se pode colocar acima do interesse público e da saúde pública as disputas mesquinhas entre o governo e aqueles que querem sua caveira – principalmente nesse caso, pois febre amarela é uma doença de pobre, conforme explicou Varella. Não é esse, continuo a acreditar, o papel de qualquer imprensa, seja esta grande, média ou pequena.

Gustavo Barreto é jornalista científico e estudante de Comunicação na UFRJ. (http://medicinaesociedade.blogspot.com/)

Um comentário sobre “A febre da imprensa brasileira”

  1. Sou o jornalista Mhário Lincoln do Brasil. Nosso correspondente em Portugal, Rui Mendes, leu e enviou esta matéria para que a reproduzíssimos em nosso Portal MHÁRIO LINCOLN DO BRASIL (ano passado foram mais de 500 mil acessos). Particularmente gostei imensamente do texto. Por isso, peço-lhe que, se possível e de forma espontânea, como todos os outros comentaristas, integre nosso portal ou autorize a republicação de seus ótimos textos. Por favor, envie uma foto.
    Acesse: http://www.mhariolincoln.jor.br
    e-mail: mhario@globo.com

Deixe uma resposta