VETERANOS DE GUERRA; ONDA DE SUICÍDIOS

 

Veteranos de Guerra: Onda de Suicídios

Carlos A. Lungarzo

Nos últimos quatro posts, contei alguns detalhes da Guerra das Falkland (Malvinas), para dar uma ideia da responsabilidade que assumem os governos que estimulam este tipo de barbárie. Nesta nota, quero falar de algo mais humano: o destino dos meninos que, desmobilizados após a guerra, se tornaram párias de seus sistemas belicistas.

Até os dias de hoje, veteranos da Guerra das Malvinas de ambas as partes continuam se suicidando. Calcula-se que, tanto na Arentina como na GB, o número de suicídios de antigos soldados excede o número dos mortos em combate.

Vencedores e Vencidos

A rendição da Argentina em junho de 1982, teve várias consequências, mas o destino dos jovens que tinham sido recrutados para a guerra não interessou nem aos políticos, nem aos militares, nem à ralé fanática que os tinha oferecido como bucha de canhão. Na Argentina, os únicos que se ocuparam deles foram os ativistas de direitos humanos (como as Mães de Praça de Maio e outros) e os próprios veteranos, que se reuniram em associações para dar-se apoio mútuo. Na GB, houve apoio do estado e de ONGs de direitos humanos, mas o dano já tinha sido muito grande, e não foi possível evitar a onda de suicídios.

Durante a rendição, não houve nenhuma preocupação pela saúde da tropa, mas os prisioneiros argentinos foram tratados pelos vencedores pelo menos respeitando os acordos de Genebra e Haia, embora não com verdadeira humanidade. Um exemplo disto é que um jovem prisioneiro argentino, formado brilhantemente em medicina a uma idade precoce pediu a seus captores que tramitaram um pedido dele para se asilar na GB. Ele argumentava poder ser útil, pelo menos como paramédico, tendo em conta a diferença de qualidade entre a medicina de ambos os países. O capitão do navio onde estava prisioneiro não se interessou por algo tão civil como a saúde e a vida das pessoas. Disse que devolver os prisioneiros era um compromisso de honra do UK. A humanidade estava dissolvida entre a honra dos açougueiros vencedores e os açougueiros vencidos. Os seres humanos podiam ser trocados como balas ou armas.

O governo britânico já tinha negado, alguns meses antes, a entrega a Suécia de um prisioneiro de guerra especial: o sádico torturador e assassino Alfredo Astiz, que o país escandinavo reclamava por crimes contra a humanidade, e o tinha devolvido à Argentina. O problema da GB era a guerra e não os direitos humanos. Esta deferência com criminosos neonazistas se repetiu o dia da rendição.

O major general Jeremy Moore sabia, sem sombra de dúvida, que o general rendido, Menéndez, era um dos piores carrascos da ditadura argentina, cum um curriculum de mais de 5000 assassinatos. Apesar disso, o favoreceu com gentilezas que iam muito além das convenções de guerra. Substituiu, por pedido do vencido, a frase “rendição incondicional” por apenas “rendição”. Também Moore aceitou que os oficiais conservaram suas armas pessoais (pistolas Browning Hi-Power, 9 mm), porque diziam que seus recrutas estavam indignados e queriam linchá-los. O linchamento é sempre uma grande aberração, mas devolver suas armas aos oficiais era autorizá-los a que continuassem matando seus recrutas. Além disso, a cerimônia de rendição foi privada e não pública, para não ofender os torturadores derrotados, e receberam suas bandeiras de volta, um ato simbólico, mas que têm relevância para os militares. Também autorizaram os oficiais a manter suas unidades sob seu controle até chegar à Argentina, prolongando a condição de subordinados dos recrutas.

Devolvidos à Argentina, os combatentes das Malvinas encontraram numerosos problemas para se integrar à sociedade. Os governos e os políticos não tinham interesse neles, e para a grande massa eram apenas bucha de canhão que não funcionou bem e seria descartada.

Havia veteranos de dois estilos, mas é impossível saber sua proporção. Alguns, durante a guerra, se sentiram comovidos pela oportunidade de oferecer suas vidas por algo que entendiam ser “a honra nacional”. O que teriam esperado era serem recebidos como heróis.

Outros atuaram nessa guerra sem saber por que, se aterrorizaram muitas vezes, tiveram surtos, e entenderam que eram manipulados por loucos irrecuperáveis. Estes, que tinham a correta visão da situação, teriam querido ser recebidos como vítimas da insanidade militar, e protegidos pelo carinho da sociedade.

De fato, ambos os grupos, aquele dos que se viciaram no clima de guerra, e aquele dos que foram inocentemente envolvidos por ela, deveriam ter sido tratados como novas vítimas de crueldade militar, e aconchegados pelos governos e a cidadania. Mas nada disso aconteceu.

Suicídios de Veteranos

É uma banal comprovação que qualquer um que participa de uma guerra perde parte significativa de saúde mental. Os que se identificam com os ideais militares talvez não percam essa saúde, porque nunca a tiveram: são os psicopatas que veneram a morte e o sofrimento. Até o general Patton, um protótipo do militar americano, fazia sarcasmo com a ingenuidade dos que querem morrer pela pátria. A ele se atribui esta frase cínica: “Você não deve morrer por sua pátria; faça que o inimigo morra pela dele”.

Mas a saúde mental e física dos veteranos das Malvinas sofreu proporcionalmente mais do que aconteceu nas guerras mais conhecidas do século 20. Em realidade, ambos os lados lutavam por uma causa absurda, e deve ter sido insuportável o impacto de compreender que aquilo era uma enorme fraude. Com efeito, o único sentido legítimo que podia ter a defesa da GB teria sido a proteção aos falklanders, mas isso não era o que realmente importava ao governo conservador e ao tradicional aparato militar britânico. A defesa das ilhas foi deflagrada pelo delírio patriótico, e pelo sentimento místico.

É óbvio que a vida dos habitantes é prioritária, e a única solução humana era negociar a liberdade dos falklanders (que poderiam ter sido instalados rapidamente na Escócia) pela soberania reclamada durante 149 anos pela Argentina, encerrando aquela ladainha. Não sabemos se a Argentina teria aceitado, pois o ódio que alimentou sua ação militar foi superlativo, mas a GB deveria ter intentado se, como proclamaram muitas vezes os governos, os interesses dos ilhéus eram fundamentais. A GB arriscou a segurança dos habitantes, que eram praticamente reféns dos argentinos, e até foi responsável pela morte de três mulheres.

Do lado argentino, influíram na depressão dos veteranos as lembranças das torturas aplicadas pelos superiores, os dois meses de fome, frio, vento, doenças e abandono, a desnutrição e as mutilações ocorridas em combate. Para os mais militarizados deve ter sido terrível a sensação de derrota, mas a maioria dos ex recrutas lembram mais que outras coisas a brutalidade do exército, o sem sentido dos objetivos bélicos, o terror das explosões e os tiros, a morte dos amigos, o alcoolismo dos oficias, e os rumores de que o governo e a mídia roubavam as doações populares destinadas a eles. Além desses traumas, muitos experimentam moléstias orgânicas permanentes, invalidez e desemprego, muito maiores que em qualquer outra faixa da sociedade.

Os problemas sofridos pelos soldados britânicos são parcialmente diferentes, mas a existência de trauma de guerra, mutilações e desemprego é similar. Talvez na GB influa mais que na Argentina a sensação de sem sentido, já que o tema das ilhas sempre foi alheio ao cotidiano britânico. Além disso, o surto de suicídio em ambos os países mostra que a vitória não traz nenhuma vantagem, salvo às elites sanguinárias que as planejam e executam.

Em 2002, Denzil Connick, dirigente de uma das agrupações de veteranos britânicos, informou a BBC, que já o número de antigos recrutas que se tinham suicidado desde o fim da guerra ultrapassava o número de baixas bélicas: os suicídios eram 260 e as baixas britânicas 255. Nesse mesmo ano, fontes inglesas indicavam o suicídio de 265 veteranos argentinos (Vide). Um estudo feito por uma ONG argentina em 1999 mostrava que a metade dos ex combatentes pensava com certa frequência em suicídio. Em 2005, a estimativa de suicídios entre veteranos argentinos era de 350, e nos dias atuais, porta-vozes das ONGs de ex combatentes acreditam que o número ultrapasse os 440.

A maioria dos observadores acredita que uma guerra como esta não se repetirá. É provável. Todavia, é preocupante a forma oportunista em que os governos da região estão alimentando o rancor, pese a que as opiniões dos habitantes desses países que escrevem na internet parece pouco entusiasta com esta febre de chauvinismo continental.

Recentemente foi declarado um boicote dos trabalhadores argentinos do transporte contra todo navio de “qualquer tipo e tamanho”, que seja de nacionalidade britânica ou possuído por britânicos, mesmo que esteja registrado sob outra bandeira. Esta não é uma provocação risível como as anteriores, mas uma represália ilegal que poderá trazer complicações.

Temos a má sorte de viver num mundo dominado em sua maior parte por idiotas e paranoicos. Mas, em compensação, temos duas vantagens: (1) as coisas já foram piores; (2) os povos engolem as manobras de seus patrões cada vez menos.

2 comentários sobre “VETERANOS DE GUERRA; ONDA DE SUICÍDIOS”

  1. Somente cabe deplorar que existam guerras. A das Malvinas foi uma das mais cruéis de que se tenham tido notícias. Creio que não nos cabe somente censurar as guerras e o militarismo, mas também tentarmos corrigir, como humanidade, o que leva a que alguém mate. Isto não é uma crítica ao artigo, cujo autor me merece todo o respeito, e sim uma reflexão para todo ser humano. Assistmos todo dia a cenas, na TV e na rua, em que vemos cómo a vida, esse bem tão precioso, tem perdido valor. Morre-se e mata-se com uma facilidade espantosa. É aí onde penso que, como humanidade, temos uma vasta tarefa pela frente. Na Argentina está impune o genocídio perpetrado pelas classes dominantes entre 1976 e 1983. O repressor Videla diz que faria tudo de novo. Cómo pode haver traidores fratricidas tão desprezíveis, tão à margem do que é humano. Eles mandaram à morte milhares de jovens soldados argentinos sem treinamento, para se manterem no poder. Agora a manobra se repete.

Deixe uma resposta