Revista alerta para golpe direitista. Chávez e Cristina, inspiradores?

Por Francisco das Chagas Leite Filho
“…a leitura de um dos mais qualificados arautos da direita golpista. Merval Pereira não se confunde com Carlos Lacerda, mas na semana passada avisou não ser o caso de isentar Dilma das denúncias de corrupção, presentes e passadas”. 
A revista Carta Capital abre capa esta semana para o Instituto Millenium, think tank brasileiro , com capital transnacional, como o foram o Ibad e o Ipes, na conspiração contra o presidente João Goulart, em 1964. Ele estaria lançando as bases para um golpe de Estado, desta vez de escala continental, já que suas inspirações seriam os movimentos da argentina Cristina Kirchner e o venezuelano Hugo Chávez. Em “A velha cara da nova direita – Do Milenium aos jovens reacionários, o Brasil volta, ao passado, o jornalista Leandro Fortes penetra nos segredos deste novo laboratório golpista, e dando nomes e funções de ” um batalhão de 180 “especialistas”, profissionais de diversas áreas, entre eles os jornalistas José Nêumane Pinto, o historiador Roberto Damatta e o economista Rodrigo Constantino”.
” A tropa é comandada” – diz matéria de capa – “pelo jornalista Eurípedes de Alcântara, diretor de redação da revista Veja, publicação onde, semanalmente, o Millenium vê seus evangelhos e autos de fé renovados. Alcântara é um dos dois titulares do Conselho Editorial da entidade. O outro é Antônio Carlos Pereira, editorialista de O Estado de São Paulo… A dupla de jornalistas representa dois dos quatro conglomerados de mídia que formam a bússola ideológica da entidade, a Editora Abril eo Grupo Estado. Os demais são a Organizações Globo e a Rede Brasil Sul (RBS)”.
Carta Capital que dedica grande parte de suas páginas ao assunto, ainda conclui: ” Em 2010, graças à adesão maciça de empresários e doadores antipetistas em geral, a arrecadação do Millenium dobrou. A receita no ano eleitoral foi de um milhão de reais, dos quais 65% vieram de doações de e, com superavit de 153,9 mil reais.mpresas privadas. O número de funcionários remunerados quase dobrou… e as contas fecharam no azul” Leandro Fortes ainda divide o instituto em três categorias, dando foto e nomes ods responsáveis: 1) Os ” Especialistas”: Giambiagi, o argentino das contas pública; Lamounier, o figurino dos anos 1960 no século XXI; Villa (Marco Antônio), o ” intelectual” preferido da mídia; 2) os economistas: Franco (Gustavo, ex-presidente do Bando Central de FHC) e Fraga (Armínio, também presidente do BC da época FHC e financista internacional ligado a Georges Soros; e 3) Os comediantes: Madureira, o principal jornalista da turma: Mainardi (Diogo), “sua covardia o levou a se esconder na Itália; e Azevedo (Reinaldo, principal articulista da Veja On Line), “hilário”. A reportagem ainda não está disponibilizado no site da Carta Capital, mas,no editorial, intitulado ” Aonde eles pretendem chegar”, o diretor da revista Mino Carta dá algumas indicações:

Há qualquer coisa no ar que me excita negativamente e me induz a pensamentos sombrios, algo a recordar tempos turvos, idos e vividos. É a lembrança de toda uma década, espraiada malignamente entre o suicídio de Getúlio Vargas e o golpe de 1964, aquele executado pelos gendarmes da casa-grande, e exército de ocupação. Dez anos a fio, a mídia nativa vociferou contra líderes democraticamente eleitos e se expandiu em retórica golpista logo após a renúncia de Jânio Quadros.
 
Muita água passou debaixo das pontes, embora algumas delas levem o nome de ditadores e até de torturadores, mas o tom atual desfraldado à larga pelos barões midiáticos e seus sabujos não deixa de evocar um passado que preferiria ver enterrado. Talvez esteja, de alguma forma, mesmo porque as personagens têm outra dimensão. Os propósitos são, porém, semelhantes, segundo meus intrigados botões. Acabava de lhes perguntar: qual será o propósito destes comunicadores, tão compactamente unidos no ataque concentrado ao PT no governo? Qual é o alvo derradeiro?
 
A memória traz à tona Jango Goulart e Leonel Brizola, a possibilidade de uma mudança, por mais remota, e os alertas uivantes quanto ao avanço da marcha da subversão. Os temas agora são outros, igual é o timbre. Além disso, na comparação, mudança houve, a despeito de todas as cautelas e do engajamento tucano, com a eleição de Lula e Dilma Rousseff. Progressos sociais e econômicos aconteceram. O ex-presidente tornou-se o “cara” do povo brasileiro e do mundo, a presidenta, se as eleições presidenciais se dessem hoje, ganharia com 70% dos votos.
Percebe-se, também, a ausência de Carlos Lacerda. Ao menos, o torquemada de Getúlio e Jânio lidava melhor com o vernáculo do que os medíocres inquisidores de hoje. Medíocres? Toscos, primários, sempre certos da audiência dos titulares e dos aspirantes do privilégio, em perfeita sintonia com sua própria ignorância. Contamos, isto sim, com o Instituto Millenium. Há quem enxergue na misteriosa entidade, apoiada inclusive com empresários tidos como próximos do governo, uma exumação do Ibad e do Ipes, usinas da ideologia fascistoide que foi plataforma de lançamento do golpe de 64.
Até onde vai a parvoíce e onde começa o fingimento? É possível que graúdos representantes do poder econômico não se apercebam das responsabilidades e alcances da sua adesão ao insondável Millenium? Ou estariam eles incluídos na derradeira prece de Cristo na cruz: perdoe-os, Pai, eles não sabem o que fazem? Que o golpismo da mídia da casa-grande seja irreversível é do conhecimento do mundo mineral. Causa espécie o envolvimento de personalidades aparentemente voltadas aos interesses do País em lugar daqueles da minoria.
….E à presidenta, que CartaCapital apoiou e apoia, recomendamos a leitura de um dos mais qualificados arautos da direita golpista. Merval Pereira não se confunde com Carlos Lacerda, mas na semana passada avisou não ser o caso de isentar Dilma das denúncias de corrupção, presentes e passadas. Está clara a intenção de aplicar à presidenta a tese do domínio do fato”.
(*) Fonte: Cafenapolítica.

3 comentários sobre “Revista alerta para golpe direitista. Chávez e Cristina, inspiradores?”

  1. Se alguém verdadeiramente acredita nessa matéria é um idiota completo. Teoria conspiratória é coisa de imbecil. Esses “conspiradores” nada mais fazem do que criticar posições éticas e ideológicas do governo. Por não convergirem com interesses de alguns, são logo tachados de reacionários, elitista etc.

  2. Concordo plenamente com Mino Carta por quem tenho profundo respeito. Fico muito preocupada pois não desejo,ou melhor temo,viver os anos de ditadura que desgraçadamente passamos. A direita não dorme de olho no pre-sal e está desesperada par pegar o governo de volta para se locupletar como sempre fizeram e dane-se o povo e o país. Parabéns Mino. Um abnraço.

  3. Delírio puro! As eleições transcorreram na mais absoluta ordem, Haddad ganhou em SP, está todo mundo feliz,! Que pena, não? Que pena que essas “previsões sombrias” não se concretizaram. Patéticos, simplesmente patéticos!

Deixe uma resposta