Prefeitura de Niterói não explica seleção da lista do Aluguel Social e ataca Conselho Comunitário

Local de pagamento do Aluguel Social, na quadra da Viradouro, em Niterói. Foto: APN.
Local de pagamento do Aluguel Social, na quadra da Viradouro, em Niterói. Foto: APN.

Nem o pagamento do Aluguel Social conseguiu acalmar a situação dos milhares de desabrigados de Niterói depois das fortes chuvas do início de abril. Além das reclamações do baixo valor estipulado (R$400,00), o principal problema está na falta de transparência na confecção da lista das pessoas com direito ao benefício. Muitos cidadãos reclamavam não entender por que pessoas da mesma comunidade, com casos semelhantes, que haviam feito o mesmo cadastramento não recebiam o mesmo tratamento. Ao tentar interceder pelos desabrigados, o Conselho Comunitário da Orla da Baía de Niterói (CCOB) foi destratado pelo representante da prefeitura que, aos gritos, se negou a atendê-lo.
– Por que meus vizinhos foram contemplados e eu que estou na mesma situação e fiz as mesmas coisas não vou receber? – questiona Luciana Ribeiro, moradora da Caixa d’Água, no Caramujo, hoje abrigada na Igreja Batista do bairro.
Os relatos na fila revelavam problemas de diferentes origens, mas todos contados com muita angústia e sofrimento de pessoas que há mais de um mês perderam seus lares, amigos e familiares. Alguns não conseguiram receber o benefício na quarta porque, de acordo com a ordem estabelecida pela prefeitura, deveriam ter pego o dinheiro na terça, mesmo com a explicação de que não sabiam ou só haviam conseguido ir até a quadra da Viradouro, local do pagamento, no dia posterior.
Outros desabrigados não estavam na listagem e apresentaram o protocolo de solicitação de vistoria da defesa civil para receberem a ajuda. Mas a prefeitura foi taxativa ao dizer que seria necessário o laudo da defesa civil para dar entrada no benefício. Outros tinham o laudo, preencheram diversos cadastramentos e mesmo assim não foram contemplados. Os representantes do poder executivo local ainda informaram que os primeiros atendidos seriam aqueles que estavam em abrigados em escolas, os outros deveriam aguardar a publicação de nova lista. Na listagem, consta pessoas identificadas apenas pelo primeiro nome, não tem o abrigo, o número de CPF e nem sequer o sobrenome.
– O prefeito Jorge Roberto Silveira consegue somar a demora na tomada de providências com a incrível falta de transparência na gestão pública. Ninguém sabe os critérios que nortearam a construção dessa lista do aluguel social. Eles dizem que os abrigados em escolas serão atendidos primeiro, mas tem um monte de gente na listagem que não consta em nenhum abrigo. As pessoas estão sem casa, solicitam a visita da defesa civil, eles não aparecem e o cidadão ainda é culpabilizado ficando sem o benefício? E quem se refugiou na casa de um parente, de um amigo, muitas vezes em locais extremamente precários? Precisa ocupar uma escola para receber o auxílio da prefeitura? – questiona Rafael Duarte, diretor do CCOB Niterói, que esteve presente ontem na quadra da Viradouro.
Rafael complementa explicando o ataque verbal que sofreu do representante da prefeitura: “o pior ainda é a truculência do poder público. O senhor Cláudio Cardoso, depois de muita demora para vir atender a minha solicitação, apareceu no lado de fora da quadra passando por cima de mim, esbravejou e disse que se recusa a falar com o Conselho Comunitário, que era para eu procurar a Secretaria de Assuntos Comunitários. Esse era o apontado pelos funcionários como responsável da prefeitura pela coordenação do pagamento do aluguel social. E o mais grave é que não apresentou nenhuma solução concreta para as pessoas.”
Duarte acredita que a sexta, 7 de maio, data fixada pela prefeitura para os casos omissos, promete muita confusão tamanho é o desespero das pessoas. Vários pessoas estão com medo de perder emprego por ter que ficar saindo na hora de trabalho, outras afirmaram não ter dinheiro nem para pagar o ônibus. Pelo que foi informado ontem (05/05), a prefeitura não terá uma resposta concreta para as pessoas abrigadas em casas de amigos e familiares. Essa incerteza vem aumento o grau de sofrimento em pessoas já tão fragilizadas.
O Conselho Comunitário fará uma reunião hoje (06) com o Ministério Público para buscar um apoio presencial da instituição nessa sexta na quadra da Viradouro. A Comissão de Direitos Humanos da Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro também confirmou presença. A CCOB convoca todas os movimentos sociais, organizações de direitos humanos e voluntários da cidade a comparecerem no dia 7, às 9h30min, para ajudar no processo de pressão pela resolução imediata do pagamento do aluguel social dos desabrigados de Niterói.
(*) Reportagem publicada originalmente na Agência Petroleira de Notícias (APN).

Um comentário sobre “Prefeitura de Niterói não explica seleção da lista do Aluguel Social e ataca Conselho Comunitário”

  1. OI TB!!!! EU PERDI MINHA CASA NO DESLIZAMNETO DE TERRA NO MÊS DE ABRIL 2010 ESTOU ABRIGADA NA CASA DE MINHA MÃE JÁ FIZ O CADASTRAMENTO DO ALUQUEL SOCIAL E ATÉ HOJE NÃO TIVE NENHUMA RESPOSTA EU MORAVA NA ESTRADA DA CACHOEIRA( PROXIMO A GARAGEM DA MIRAMAR LINHA ONIBUS 32) VARIAS PESSOAS E FAMILARES TAMBEM AQUARDAM UMA RESPOSTA NESTE MESMO BAIRRO EM 14/12/2007 PERDI MINHA IRMÃ SOBRINHO E CUNHADO SOTERRADOS MUITAS PESSOAS AINDA ESTÃO CORRENDO RISCO DE VIDA EM SUAS CASAS QUE FORAM INTERDITADAS PRECISAMOS DE AJUDA POS NÃO SABEMOS O QUE FAZER…..OBRIGADO

Deixe uma resposta