Pinheirinho: É nessas horas que o jornalismo da grande mídia mostra a cara

Pinheirinho: Mais um pouco da estranha mania do governo de SP de tratar direitos humanos como crime.
Vamos aos fatos, facilmente apurados:
1. Decisão federal, segundo qualquer fonte jurídica (OAB, MP etc), prevalece. Ação é ilegal.
2. Moradia é direito fundamental, está na Constituição Federal de 1988, e os ocupantes não constituem ameaça à vida do empresário bilionário Naji Robert Nahas e nem aos moradores da região.
3. Os ocupantes não são “sem teto”. As 1.600 famílias possuem teto, está evidente, e poderiam ser legalizadas. Os governos poderiam, por exemplo, indenizar o proprietário e resolver um problema crônico de assentamento humano na região. É mais barato, mais inteligente e elimina possibilidade de conflitos.
4. O interesse de 9.600 pessoas prevalece, em qualquer Estado de Direito decente, sobre o direito à propriedade de um empresário que faliu sua empresa.
No entanto, ao acessar meios da grande “imprensa”, você verá:
1. Danem-se as opiniões contrárias. Ordem dos editores é falar em “ordem de despejo” e pronto.
2. Proibido falar a palavra “moradia” ao falar de Pinheirinho.
3. Nunca direcionar matérias com o foco do direito humano à moradia. São “invasores”, se quebrarem alguma coisa “vândalos”, e obrigatoriamente “sem teto”.
4. Proibido citar Naji Nahas. Ao dar os números, usar as estatísticas da Prefeitura, que “elimina” milheres de moradores e fala em 1.500 pessoas. No máximo, tratar como pessoas, nunca como “seres humanos”.
Alguém poderia citar a bibliografia jornalística que incentiva esse tipo de cobertura?
Agradeço e aguardo as indicações.

7 comentários sobre “Pinheirinho: É nessas horas que o jornalismo da grande mídia mostra a cara”

  1. Vc quer a bibliografia? Eu lhe digo. O nome do livro e Minha Vida, escrito na primeira metade do sec XX por um alemao. Este e o livro de cabeceira deles.

  2. Pingback: Reintegração de posse em Pinheirinho « Gutemblog

  3. Pingback: Reintegração de posse em Pinheirinho « O Indexador

  4. Pingback: Pinheirinho e a cobertura da mídia | Altamiro Borges

Deixe uma resposta