Entrega da medalha Chico Mendes homenageia lutadores do passado e do presente.

Por Pablo Lopes e equipe Vozes das Comunidades

No dia 01 de abril na Associação Brasileira de Imprensa (ABI) foi entregue a medalha Chico Mendes a personalidades e entidades ligadas aos direitos humanos. Essa homenagem é uma iniciativa do Grupo Tortura Nunca Mais e outros coletivos. Os primeiros homenageados foram Cícero e Regina do MST, mortos no início do ano em Campos. Foram homenageados também desaparecidos políticos, entre eles alguns da guerrilha do Araguaia, uma sequestrada política, as Mães de Maio, a Comissão Pastoral da Terra (CPT) do Acre que foi representada por uma de suas militantes ameaçados de morte, Patrícia de Oliveira, da Rede contra a Violência e o cineasta Silvio Tendler.

Outras personalidades ligadas aos Direitos Humanos estiveram presentes, como Anita Leocádia Prestes, filha de Olga e Luiz Carlos Prestes, Marcelo Freixo, deputado Estadual ameaçado de morte e responsável pela CPI das milícias, Dr. Modesto (advogado de presos políticos), além de representantes de ONGs e partidos políticos.

Após ser ouvido e tocado o Hino Nacional, houve uma missa em homenagem à Cícero e Regina. Depois, foram relatadas as histórias dos militantes desaparecidos. As falas das Mães de Maio e da CPT do Acre foram as mais fortes, assim como a de Silvo Tendler foi animadora e desafiadora.

As Mães de Maio pediram “a desmilitarização das polícias”, falaram que vivemos em uma “ditadura continuada” e que a comissão que irá verificar os crimes na época da ditadura – dita comissão da verdade – tem que lutar por “justiça”, pois se a “justiça não ocorrer, o manto da impunidade vai se manter”.

E a representante da CPT do Acre denunciou a “impunidade dos crimes no campo” não só porque o “estado é ausente” mais porque o “agronegócio aumenta com a ajuda do estado”.

Silvo Tendler lembrou os cineclubes de favelas, de Marighella e que “podermos perder tudo, menos a coragem.

Mas a palavra de ordem que melhor resume o evento é: PELA VIDA, PELA PAZ, TORTURA NUNCA MAIS.

Deixe uma resposta