Parentes de vítimas da violência fazem manifestação no centro do Rio

Painel com os nomes de vítimas na porta da igreja Candelária, no centro do Rio. Foto: Eduardo Sá.

Familiares de vítimas da violência no Rio fizeram na última sexta feira (17) uma manifestação em frente a Igreja da Candelária, no centro da cidade, para que as dezenas de mortes no estado não caiam no esquecimento. Um painel com 10 metros de comprimento e 4 de altura, com os nomes de diversas vítimas foi exposto em frente à igreja, além de cartazes e flores em homenagem aos mortos.
Segundo Adriano Amieiro, um dos organizadores do evento e irmão da engenheira Patrícia Amieiro, desaparecida há dois anos, essa atividade será realizada anualmente no início de dezembro. Ele disse que durante o ano ocorreram oito reuniões para definir metas em prol da união desses familiares de vítimas.
“A gente teve dificuldade para a liberação do evento, ficamos um mês tentando, mas a prefeitura cedeu o espaço. Todo ano a gente vai estar fazendo o dia em memória das vítimas da violência, já foi encaminhado para projeto de lei e o objetivo principal do painel é homenagear as vítimas da violência. E cobrar das autoridades aqueles que não tiveram seus casos resolvidos e os casos que foram esquecidos pela imprensa vão estar sempre aqui unidos. É um marco na nossa cidade, que eu acredito que vá se expandir por todo o Brasil”, disse.
Adriano atentou para o fato de que os familiares querem justiça e esse dia será sempre de cobrança às autoridades. Segundo ele, muitos inocentes moradores de comunidades pobres morrem e seus familiares não têm a mesma oportunidade em relação à justiça.
O presidente do Movimento Rio de Paz, Antonio Carlos Costa, acredita que hoje no Rio o momento é de esperança, mas ao mesmo tempo de apreensão por causa dos avanços com as Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) e a necessidade de mais investimento financeiro e humano para sua sustentação.
“As UPPs são uma grande vitória do governo do estado do Rio, contudo ficamos apreensivos porque para dar sustentabilidade a um projeto como esse será necessário fazer muito investimento, tanto financeiro quanto humano. Vamos ter que aumentar o efetivo das nossas policias e o salário delas, e exercer uma supervisão muito próxima e efeciente para que alguns policiais não se corrompam nessas áreas, uma vez que o tráfico de drogas continua operando. Nós não sabemos também qual será a reação do narcotráfico nos próximos meses”, afirmou.
De acordo com Costa, somente neste ano, segundo as estatísticas oficiais, ocorreram aproximadamente 27 mil mortes violentas. Ele destacou que se somarmos policiais civis mortos, policiais militares, latrocínio, lesões corporais seguidas de morte, dentre outros crimes, o cenário seria de guerra civil no Rio.
“Se pegarmos os últimos 10 anos nós vamos chegar a marca aproximada, se formos incluir os desaparecidos, as tentativas de homicídio que resultaram em óbito e não foram lançadas em homicídio doloso, de 100 mil mortes violentas”, advertiu.
O representante do Movimento Rio pela Paz espera que a mudança ocorra através da valorização do trabalho policial, e além das Forças Armadas e policiais entrarem nessas comunidades é fundamental que os moradores sejam atendidos com políticas públicas de acesso à educação, lazer, saneamento básico, dentre outros serviços. Para ele, o tráfico deve ser “cada vez menos convidativo para o menino que não encontra sentido em passar o mês inteiro trabalhando para receber um salário que não é condizente com a dignidade humana”.
“O estado está diante de um mega desafio, é um problema antigo, não estou querendo defender o governo, mas temos que ser justos: é um problema crônico, endêmico, não é apenas um problema de segurança pública, porque esse quadro é resultado de muita desigualdade social, do abandono dessas comunidades”, concluiu.

Um comentário sobre “Parentes de vítimas da violência fazem manifestação no centro do Rio”

  1. Pingback: Tweets that mention :: Fazendo Media: a média que a mídia faz :: » Parentes de vítimas da violência fazem manifestação no centro do Rio -- Topsy.com

Deixe uma resposta